Superávit versus sustentabilidade

A economia capitalista e suas regras ocultas

Os conceitos ululam em todas as partes, regras são criadas, convenções são firmadas e a economia segue seu curso. Mas qual é o objetivo de qualquer texto financeiro, o mesmo objetivo dos executivos e de todos os funcionários  (colaboradores) de forma geral, atingir um superávit financeiro ou produtivo. Dar razão a existencia de sua empresa e manter isso de forma constante (sustentabilidade).

Por mais bonitas que sejam as palavras escolhidas e se usa até mesmo um vocabularário próprio para isso (economes) no fim das contas o que é importante: uma renda com fluxo constante e uma demanda que valha a pena suprir. Consideramos que as leis de mercado sejam suficientes, mas esquecemos o novo panorama, a nova realidade nos quais nos inserimos, o efeito estufa, o meio-ambiente, as fontes de energia e o descarte do lixo.

A mente do “bom” administrador, assaz ligeira, tende sempre a encontrar meios de introduzir as novas realidades ao fluxo econômico e não o contrário, ou seja, vamos criar uma maneira de “ganhar dinheiro” com as novas situações. Antigamente se tinha como imutáveis certas premissas, as empresas eram dividas entre públicas e privadas e que as empresas públicas não deveriam “à priori” darem lucro, ou seja, estariam realizando um papel meramente social ao suprir as pessoas de bens e serviços que seriam parte dos seus “direitos humanos”, como a saúde, a água potável, a coleta de lixo, entre outros.

Contudo, a mente brilhante de nossos governantes conseguiu de inúmeras maneiras alterar essas premissas e a coleta de lixo se tornou algo como “coleta de grana” e tem um monte  de pessoas interessadas em entrar nesse tipo de negócio, como também na produção de energia através do gáz metano produzido pelo lixo. Apenas basta o governo construir as usinas para que “desinteressadamente” a iniciativa privada faça fila na porta para gerenciá-las.

Regras para um bom negócio

Estive por um longo tempo estudando diversos “cases” de negócios rentáveis, porém, moralmente discutíveis e pude notar alguns pontos em comum que podem servir de ponto de partida para um empreendedor audaz.

  • procure bens e serviços que provenham de uma grande necessidade
  • os consumidores finais devem vir ou se servir de forma a mais espontânea (diminui o custo de entrega)
  • diminua a concorrência, por leis ou comprando aqueles que podem te atrapalhar
  • torne a sua planilha de custos um carro chefe para poder cobrar aquilo que é necessário
  • esteja sempre alinhado com a “lei”, de forma a não ser processado pelos danos causados devido ao seu sucesso.

A primeira pergunta que vêm a mente é você conhece algum negócio assim? Você possui contato com bens e serviços que estejam nesses moldes? Infelizmente a resposta é sim, o tempo todo e exemplos não faltam, a indústria dos cigarros, papeis, alumínio e algumas de remédios. Prestações de serviços como financiadoras, corretores de seguros, fornecimento de luz e água (afinal não compramos os bens, teoricamente), serviços de saúde, pedágios e os atuais serviços via internet.

A sustentabilidade

O paradigma será manter um modelo de “capitalismo selvagem” e de que forma como isso afeta as diversas atividades humanas, chega a ser risível, para não dizer triste o que ocorre com aquilo que o ser humano perde o interesse, como definha e morre. As atividades que eram antes prioritarias e que desapareceram, chega ser nostálgico falar sobre os tanoeiros (fabricantes de barris) tão importantes na época dos grandes descobrimentos e que desapareceram hoje em dia. Claro que chegamos a ser tão crueis que, até mesmo, raças de animais somem dessa maneira.

Como também o inverso, atividades que são usados devido a facilidades como a moldagem de plásticos, o que gera um lixo com um grande período de tempo para ser absorvido pela natureza ou combustíveis, como o petróleo, que são extremamente poluentes, apesar do que diz os especialistas a respeito dos riscos que corremos, não conseguimos largar, mesmo com diversas alternativas. No final, o que vale mesmo é o dinheiro.

As atividades comunitárias estão nesse tipo situação, por não gerarem lucro e esta é a sua principal característica, se tornam obsoletas. Como eram socialmente agradáveis, o poder interargir e como isso era uma prova de caráter, dar aos outros, de que nada se receberá, um pouco de auxílio. De minha terra, trago a lembrança das festas juninas e das pessoas que participavam como “festeiros”, como eu mesmo fiz e que isso muito me ajudou.

Não fortalecerás os fracos , por enfraquecer os fortes.Não ajudarás os assalariados, se arruinares aquele que os paga. Não estimularas a fraternidade, se alimentares o ódio. Abraham Lincoln

Ironias da vida: a lei das mulheres

pinups-edward-runci-7A quem puder entender, que o faça de bom grado

As qualidades femininas são inúmeras e largamente conhecidas, seus dotes naturais as permitem serem carinhosas e refletem uma sensação de proteção “maternal” que cativa a quem elas tem em estima. A linguagem corporal feminina é distinta e pode ser dissimulada como uma arma para enganar alguma pessoa despreparada. Apesar disso existem certas regras naturais as quais as mulheres seguem, mesmo que seja de forma inconsciente.

Leis femininas

  • Deve ser bom se for caro: o preço está proporcionalmente vinculado a qualidade para as mulheres.
  • Se o marido gosta, não é bom: escolher a opção contrária dos homens é de praxe.
  • Tudo pode ser resolvido com uma comissão: qualquer que seja o tamanho do problema, não resistirá a um grupo de mulheres tagarelando a seu respeito.
  • Meu cabelo, minha vida: tudo gira em torno da beleza física, cabelos unhas, pele, lábios, coxas etc… são motivos para gastos e se os tratamentos não derem o resultado esperado, motivos para anos de análise.
  • A beleza é um sacrifício: para escolher um par de sapatos a beleza deve ser proporcional ao “aperto” nos seus pés, quanto mais bonito o modelo, mais sacrificante o uso, devido a isso o “pos-festa” com milhares de mulheres saindo com os sapatos na mão…
  • Dissimular é tudo: as mulheres possuem uma relação “promíscua” com a verdade. Para elas a verdade é como uma “vassoura”, um utensílio que só pode ser usado quando é útil ao dono, agora se outra pessoa pegar e deixar no meio da sala, elas reclamam porque irá incomodar.
  • Chantagem emocional: uma das mais eficazes armas femininas, no momento em que são pegas no “pulo”, basta um olhar triste e pronto, desaparece toda a culpa e o acusador se não tomar cuidado, vira réu.
  • O que é meu é meu, o que é seu é meu: as mulheres tem o dom de agregar valores, agregam os valores do namorado, marido, ficante, amante ou de outros ao seu próprio erário e por favor, não se trata de “roubo”, elas não precisam por a mão no objeto, apenas começam a ditar as regras de como você irá usar!!!

Estamos abertos a mais exemplos para tentar elucidar um pouco mais do que passa pela cabeça desse ser que nos interessa tanto!!!

“Igualdade de valor jamais deveria ser confundido com similaridade de naturezas. Homem e mulher são seres distintos e complementares; não iguais!”

Reinaldo Ribeiro – O Poeta do Amor

Ironias da Vida II

Relacionamentos humanos

Que o homem é um ser social, todos concordam. Que nascemos em uma sociedade com regras de conduta e convenções sociais que podem soar como estranhas e ilógicas, talvez!?

Sim, o ser humano não é lógico e portanto, suas regras em sociedade, muitas vezes beiram a esquisitice. Damos nomes como hipocrisia ou sentimentalismo, mas na verdade, estamos tentando explicar aquilo que não tem fundamento nenhum como:

  • Para fazer sexo preciso beber primeiro e se me arrependi, digo que a culpa foi da bebida!
  • Para ser aceito em um grupo tenho de estar na “moda” desse grupo, mesmo sendo piriguete em um baile Funk!
  • Tenho que elogiar a roupa do meu chefe, mesmo achando cafona e aí de quem disser o contrário!
  • Uso a religião como desculpa para os meus infortúnios e como arma para atacar os colegas!
  • Detesto quem fala muito, por isso fico repetindo essa frase o dia todo sem parar! Ou até alguém se tocar e ficar calado!
  • Todos dizem que o importante é competir mas quando ganho porque “esfrego” isso na cara dos outros?
  • Moda é o que eu visto, fora de moda é o que os outros vestem!
  • A pessoa que melhor realiza a tarefa nem sempre é a melhor pessoa! Apenas não põe em risco o cargo do chefe!
  • Me digas com quem andas e te direis quem és! Num ônibus lotado fica difícil dizer: sou médico, mendigo, viúva, aposentado, encanador, motorista, pipoqueiro, loira, ruiva, morena, desdentado, bigodudo, careca, cabeludo etc…
  • Quando você está doente e os outros te ligam e perguntam -“Você está bem?”
  • O mesmo para o motorista do ônibus: “- O Sr. vai para o Tatuapé?”  ele responde “-Não, minha senhora, depois do serviço eu vou para casa mesmo!?
  • A mulher leva duas horas para escolher um par de sapatos para no final da festa voltar descalça para casa.
  • Basta um segundo para se apaixonar, uma conversa para iniciar um namoro, uns dois a três anos para fazer um casamento e uma vida inteira de terapia para esquecer a burrada que fez!
  • Quantos momentos gastamos pensando que não podemos fazer nada e quando fazemos não temos mais tempo para fazer alguma coisa!

O certo é que a vida é maravilhosa, decerto descobriremos isso apenas no último momento mas entender o que fizemos nesse mundo não acredito ser possível, não! O bom de aceitarmos a vida como ela é que ela não pede nada de volta, apenas flui como um rio, podemos decidir se queremos ser levados pela correnteza ou se nos plantaremos em pé ou se nadaremos contra a correnteza, não importa. O prêmio ainda assim vale a pena, uma vida cheia de graça!

A Europa nas Nuvens

Estrutura da Computação em Nuvens

A Europa se prepara para o Cloud Computing (Computação em nuvens) através de uma série de medidas anunciadas por Neelie Kroes, vice-presidente da Comissão Europeia. Esta tecnologia foi apresentada inicialmente por empresas americanas como o Google (Google Drive), Apple (Dropbox), a Microsoft (Skydrive) e os serviços da Amazon Web.

As medidas são para assegurar compatibilidade entre os serviços oferecidos (interoperabilidade), a liberdade de circulação dos dados, a certificação de empresas para maior credibilidade aos novos contratos. As normas seriam publicadas a partir de 2013.

Diferente do resto do mundo, como o Brasil, que ainda não possui leis que garantem a segurança dos dados, tanto em servidores como em nuvens. A Europa prova que quer ser um centro de dados bem estruturado para atrair novos investimentos e empresas de todo o mundo que queiram desfrutar desses serviços.

Segundo a Comissão Europeia, esses tipos de serviços serão responsáveis em cria 2,5 milhões de empregos e uma renda de 160 milhões de euros por ano até 2020. As medidas serão repassadas aos Estados membros.

O principal objetivo é fazer frente a entrada dos serviços das empresas Americanas e dar uma resposta sólida com empresas europeias melhor preparadas.

Outra questão levantada com a computação em nuvem é a respeito dos direitos autorais, o que está sendo apreciado na Conselho de Propriedade Literária e artística, mesmo sob os protestos da entidades de defesa dos direitos dos consumidores.

Conspiração entre nós…

O Mundo precisa de pensadores.

A Internet é utilizada de forma incompleta.

A censura é crime, a mensagem é um alerta e incomodar é um dever.

A forma padronizada de ver o mundo, as mesmas regras, os mesmos livros, as mesmas formulas e os mesmos resultados. Nada melhor que dizer que não há censura, pois se o que é dito, conhecido e visto não pode ser questionado, é o que então? O mundo é realmente igual para todos, o céu é igualmente azul, ou se você olhar diferente, ele acabará tendo um tom mais acinzentado.

Quando alguém diz que algo é o que é. O que você sente? Qual a sua reação? Não sobe pela boca do estomago, um calor, uma vontade de dizer que você não vai aceitar algo só porque os outros aceitam.

O Vaticano processou o cientista Galileu Galilei por heresia, suas idéias estavam contra a ordem vigente, mas como um “menino levado”, Galileu reconheceu seus erros publicamente, mas disseminou suas idéias assim mesmo.

Nos julgamos as coisas de acordo com o tempo e o lugar, um erro no passado, pode ser algo normal hoje. Mudar é uma necessidade, se adequar a realidade ou “dançar conforme a música”, como se diz, uma constante. O ser humano existe nesse planeta a tanto tempo e conseguiu expandir sua civilização ao mais diferentes lugares, climas e regiões devido a um fator: a adaptabilidade. Por conseguinte, a raça que se adapta melhor, sobrevive e aquele que não, morre.