Atualize ou morra!!!

A Apple dá um ultimato aos seus usuários

O dia primeiro de fevereiro foi escolhido como marco para que os donos de aparelhos da Apple atualizem os sistemas operacionais de seus equipamentos com o IOS 7. A partir daí os aplicativos da loja virtual da Apple somente sairão para esse sistema ou se tiverem atualização para o mesmo. O aviso aparece no forum de discussões do site oficial.

Site em inglês:

https://developer.apple.com/news/index.php?id=12172013a#top

Os aplicativos oferecidos em sua loja virtual terão um prazo de um mês e meio para se adequarem a linguagem Xcode 5, conforme anunciado em sua página. Alguns terão problemas em se adequar, principalmente aqueles feitos para versões anteriores do Iphone 4 e o primeiro IPad. O que indica o texto é que qualquer alterações, erros ou problemas não serão atendidos, como também não estarão disponíveis melhorias para quem não realizar a atualização.

Um exemplo de programa que deverá ser atualizado é a Liga de Futebol, como os times da próxima temporada poderão subir para primeira divisão ou cair, as alterações deles no game somente serão aceitas se o programa for atualizado para o Xcode 5.

O porta voz da Apple, em Espanha, esclarece que nao existe o perigo de que aplicativos sejam simplemente retirados dos catálogos, mas a atualização dos mesmos ficará cada vez mais dificil se não utilizarem o Xcode 5. Como também, os usuários que não atualizarem o sistema começarão a encontrar dificuldades para baixar aplicativos.

Desde que foi lançado em setembro, o IOS 7 tem sido cercado por controvérsias, foi o sistema operacional da Apple que mais rápido se dissiminou, hoje já está em 80% dos Iphones e Ipads compatíveis. Da mesma forma, é o mais criticado, como por exemplo, alguns usuários perceberam uma diminuição da vida útil da bateria ou as letras muito pequenas e o efeito especial ao abrir e fechar aplicativos, casos esses, solucionados com uma alteração de configuração do equipamento.

Para estimular as atualizações, as campanhas e promoções da empresa já estão sendo direcionadas para o novo sistema operacional, como a Campanha de Natal desse ano.

A estratégia da Apple é para evitar uma fragmentação de sistemas no mercado como ocorreu com o Android, mas apesar disso, a Strategy Analytics mensurou que ela apenas possui 13,4% do setor de celulares (caiu dois pontos no último ano), enquanto a Google possui 81,3% desse mercado.

A Apple lançou a sua loja de aplicativos na internet em julho de 2008, com 500 títulos, a Google abriu a sua três meses mais tarde. Hoje as duas possuem em média um milhão de títulos. A Android (loja da Google) supera a App Store (loja da Apple) em aplicativos baixados, contudo, a App Store vence em receita. Segundo a Distimo, a Google detêm apenas 37% das vendas e a Apple  está com 63%. Os jogos são os maiores responsáveis pelas vendas em ambas as loja e para a Apple representa 63% de toda a sua renda.

As perguntas agora serão, qual o efeito dessa unificação do sistema operacional? Os dispositivos que não forem compatíveis serão atualizados ou os clientes irão migrar para outras plataformas? Quais serão as reações dos desenvolvedores de Aplicativos?

Fonte: El Pais

Anúncios

Oracle aposta nas Nuvens

Oracle anuncia seus serviços de Computação em Nuvem

O executivo chefe e fundador da Oracle, Lawrence J. Ellinson, anunciou em San Francisco, Califórnia, um novo segmento de serviços para a tradicional empresa de banco de dados Oracle. Com grandes promessas, diversos produtos para computação em nuvem em um hardware duas vezes mais rápido do que os da EMC e a um custo oito vezes menores que os servidores da IBM.

Ele baseou seus anúncios em comparativos com empresas já tradicionais no mercado de Cloud Computing, como a Amazon Web Services, mostrando que ele irá fugir dessas formas tradicionais de se vender serviços em nuvens. Pois a sua oferta é para poucos, com preços tabelados em até $200.000 dólares.

Os tipos de clientes que eles querem atingir são os do nível executivo das empresas e não apenas engenheiros e chefes de departamentos. Com isso, esperam um mudança no perfil de clientes que utilizam Cloud Computing e dar uma sacudida no mercado, introduzindo e difundindo novas formas práticas de negócios. A Oracle está priorizando pequenas e médias empresas como público alvo dessa nova campanha.

O mercado aguarda para ver como essas mudanças irão modificar o atual papel das principais empresas de TI e quais delas irão sobreviver a essa contínua queda de braço. Muito dependerá dos clientes ao fazerem a escolha de qual conjunto de produtos que melhor lhes parece e se manterem fieis a essa escolha.

A grande aposta é a velocidade com que essas mudanças irão ocorrer e como isso pode afetar as regras do jogo com um sistema tão volátil que é a Computação em Nuvem (Cloud Computing).

A Europa nas Nuvens

Estrutura da Computação em Nuvens

A Europa se prepara para o Cloud Computing (Computação em nuvens) através de uma série de medidas anunciadas por Neelie Kroes, vice-presidente da Comissão Europeia. Esta tecnologia foi apresentada inicialmente por empresas americanas como o Google (Google Drive), Apple (Dropbox), a Microsoft (Skydrive) e os serviços da Amazon Web.

As medidas são para assegurar compatibilidade entre os serviços oferecidos (interoperabilidade), a liberdade de circulação dos dados, a certificação de empresas para maior credibilidade aos novos contratos. As normas seriam publicadas a partir de 2013.

Diferente do resto do mundo, como o Brasil, que ainda não possui leis que garantem a segurança dos dados, tanto em servidores como em nuvens. A Europa prova que quer ser um centro de dados bem estruturado para atrair novos investimentos e empresas de todo o mundo que queiram desfrutar desses serviços.

Segundo a Comissão Europeia, esses tipos de serviços serão responsáveis em cria 2,5 milhões de empregos e uma renda de 160 milhões de euros por ano até 2020. As medidas serão repassadas aos Estados membros.

O principal objetivo é fazer frente a entrada dos serviços das empresas Americanas e dar uma resposta sólida com empresas europeias melhor preparadas.

Outra questão levantada com a computação em nuvem é a respeito dos direitos autorais, o que está sendo apreciado na Conselho de Propriedade Literária e artística, mesmo sob os protestos da entidades de defesa dos direitos dos consumidores.