Porque não sou ateu?

Como provar a verdade

Há muito tempo venho tentado provar  a minha fé, tive momentos em que totalmente absorto no racionalismo cheguei a questionar totalmente a religião que seguia e que talvez fosse melhor não acreditar em mais nada. Porém esses momentos passam, como dizia Voltaire “Um pouco de filosofia inclina o homem ao ateísmo. Profunda filosofia faz retornar o homem à religião”.

A primeira questão que proponho é a seguinte, ao caminhar pela vida me deparei com diversas situações e com momentos que considerei memoráveis, contudo imagino e me atormenta o fato deles serem únicos, como também sou único em todo o Universo e a mera imagem de que tudo o que acumulei em toda essa existência possa desaparecer com o final dessa máquina, chamada corpo humano, me parece um inexorável desperdício. Pois ainda não existe uma tecnologia que possa acessar todos os dados desse hard disk chamado “cérebro humano”.

Como os ateus e os céticos costumam se orgulhar de sua lógica como se fosse uma murralha ou escudo contra todos os males, iremos nos utilizar dela para apresentar os nossos pontos de vista:

Se porventura, eu me torná-se ateu, hipótese inicial e se ao falecer estivesse correto em minha escolha que bem isso me traria, pois como concebem os ateus, não existe outro mundo ou plano, apenas o fim, frio e duro. Como poderia eu comemorar minha vitória se nada mais existe e minha luz se apagar como uma simples chama.

Com essa mesma hipótese, se eu fosse ainda ateu e ao falecer, descobrisse estar enganado, que horrível seria pois chamais poderia aceitar o convite para entrar nos Céus, pois teria muitos motivos a me envergonhar e seria zuado por São Pedro por toda a eternidade.

Contudo, a hipótese contrária, se eu continuar Católico Apostólico Romano e estiver errado, não teria motivo algum a me envergonhar, pois como dizem os ateus, a morte é apenas um fechar de olhos e nada mais. Seria apenas como desligar uma lâmpada e nada mais sentiria.

Continuando na mesma hipótese, se continuo sendo o mesmo Católico e acreditando em meu Deus, Nosso Senhor, e estiver totalmente certo disso, que felicidade, que júbilo será alcançar os Céus e receber os cumprimentos de todos os Santos e Mártires de nossa Sagrada Igreja e estar em comunhão com Deus de todas as formas.

Ou seja, a sombra de medo que lançam sobre a Fé, nada mais é do que uma sombra, a mera presença da luz a destroi. Como se referia o Santo Padre, Papa Francisco em sua homilia da Missa de Epifania sobre os Reis Magos: “seguindo uma luz, eles procuram a Luz. A estrela aparecida no céu acende, nas suas mentes e corações, uma luz que os move à procura da grande Luz de Cristo. Os Magos seguem fielmente aquela luz, que os penetra interiormente, e encontram o Senhor.”

Anúncios

O que é um anjo?

Quem ou o que é um anjo?

A pergunta “quem”, revela um certo antropomorfismo (aspecto humano) a um ser etéreo. As representações deles são sempre como pessoas, claro que, com asas e algumas armas ou roupas do passado, contudo eles não são humanos. Um texto a respeito de “Anjos” no Wikipédia não pareceu ter sido feliz na escolha do “conceito” de Anjo.

…conforme relatos bíblicos, são criaturas espirituais, conservos de Deus como os homens (Apocalipse 19:10), que servem como ajudantes ou mensageiros de Deus. Os Anjos também podem ser considerados escravos de Deus no que tange ao sentido lato da palavra escravo, isto é, o que vive em absoluta sujeição a outrem.”

Os anjos estariam muito mais para um outro analogismo, diferente de escravos, mas para Samurais. Os guerreiros japoneses que tem por tradução  “aquele que serve“.  Os Samurais eram militares e administradores do período feudal japonês, assumiam a responsabilidade de gerir aldeias, distritos e exércitos em nome de um Daimiô (senhor feudal). Teoricamente, não recebiam um salário, mas uma parte da produção que administravam. Seu código de vida, o Bushido era seguido a risca. Suas característicam eram a disciplina e a lealdade com o seu Senhor. A desonra ou a morte de seu Senhor era sua desonra e a sua morte.

A cerimônia do Seppuku (suicídio) era realizada ou por ordem seu Daimiô, ou por determinação dos líderes superiores do Xogunato (hierarquia de comando) no caso da desonram de todo seu clã.

Os Anjos, da mesma forma, estão ligados a Deus, por um juramento eterno, os Samurais, até a morte. No juramento dos anjos, eles prometem obediência, lealdade e veneração ao Nosso Senhor por toda a eternidade e em troca recebem o “poder sobre toda a criação”. Ou seja, eles são pagos, sim! A diferença com os humanos é que os Anjos não possuem o “livre arbítrio” que estes receberam de Deus. Eles não possuem remorso ou qualquer baliza moral que os homens possuem, como também uma alma.

  • O Senhor fez então cair sobre Sodoma e Gomorra uma chuva de enxofre e de fogo, vinda do Senhor, do céu. (Gênesis 19, 24)

Esse trecho da Bíblia ilustra bem o papel dos Anjos perante Deus. Ao encontrarem Abraão, eles lhe contam sobre o que ocorrerá a cidade de Sodoma, Abraão com pena das pessoas, lhes pergunta “E se encontrarem 50 pessoas boas em Sodoma, irão destruir a cidade?” O que o anjo responde que não. Abraão repete várias vezes a mesma pergunta, diminuindo sempre o número, até chegar a 05 e o anjo sumir no horizonte. Como apenas encontraram 04 pessoas boas, a cidade foi destruida.

A diferença entre Abraão que se compadesce do destino dos Sodomitas e o Anjo, é que ele teria destruido a cidade independente do número de pessoas boas lá encontradas. O seres etéreos seguem a risca uma ordem e não se abalam por nada. A definição de “certo” para eles é unicamente a vontade divina.

O poder dos Anjos é outro ponto controverso, eles possuem a capacidade de destruir qualquer coisa, podem matar apenas com o olhar ou proferindo o nome de quem seja seu alvo mas na maioria das vezes eles trabalham para a “salvação” dos homens, ou seja, os encaminhar de volta a Deus. Muitos relatam sobre a intervenção deles em acidentes ou catástrofes e como salvam pessoas, o que gera dúvidas sobre a vontade divina. Por qual motivo Deus enviaria seus enviados a resolver alguns casos e outros não? Quais razões ele teria? Sinceramente, nunca saberemos!

Os Anjos da Morte

No site, existem diversos Anjos e descrições de suas atuações, apenas gostaria de citar mais uma: os Anjos da Morte, mas que não se confunda com a própria Morte, que possui a sua própria imagem perante os homens.

“Quando um humano está próximo ao momento de sua passagem mas por dúvidas ou medos, não esteja preparado para realizar tal viagem, somos nós compelidos a nos aproximarmos dessa pessoa. Ela irá nos ver como outro humano e irá nos ouvir em sua própria língua, porém essa não é a nossa imagem verdadeira e não falamos as línguas dos homens. Tanto a aproximação com a tal pessoa, a imagem assumida e a língua que ele irá escutar são obras do Espírito Santo através do efeito chamado de “Pentecostes”, o mesmo que fez os Apóstolos de Nosso Senhor a se comunicarem com os estrangeiros, cada um em seu próprio idioma. No colóquio que travamos com a pessoa, ela irá escutar exatamente o que precisa, sua alma estará em paz e sentirá um forte regozijo. Quando encerrarmos e nos despertimos, geralmente eles perguntam se nos veremos de novo, a resposta é sim. Apesar de não ser mais nesse mundo, agora ele está pronto para realizar a passagem e após isso irá nos ver novamente, ou na forma humana que nos viu antes ou como uma forte luz. Nesse momento soa o som de grandes asas…

“Os anjos bons puderam fazer isso em suas forças naturais, mas eles não se intrometem nas coisas humanas e visíveis fora da ordem da natureza, a não ser que sejam enviados especialmente por Deus, e, por isso, as coisas que fazem fora da ordem das coisas sensíveis são milagres e sempre foram tidas por milagres, pois é Deus quem as faz por mistério dos anjos” (Papa Bento).
 

Das touradas à morte

Quando soa o som do inevitável

As pessoas temem o que não conhecem e o maior misterio da vida é o post-mortem, o fim da existência e o passar para o outro plano. Independente de sua fé, dogmas ou conhecimento alguns parâmetros nos mostram que essa passagem pode ser suave e que independente do modo, após ocorrer, se torna até indolor.

Lembre-se que a dor e as sensações estão ligadas ao corpo físico e não ao espírito ou a alma. Claro que, caso não acredite nisso, o desligar da “máquina” o torna imune a qualquer sensação.

Os Sonhos e a Morte

Um outro fenômeno que pode ser tão perigoso quanto a morte pode ser o mundo dos sonhos, misterioso e enigmatico, tem a capacidade de acalentar ou de nos atormentar com as mais incriveis figuras. Como disse a Morte para Morpheus Senhor dos Sonhos, “as pessoas temem a morte mas não temem entrar em suas terras todas as noites, mesmo sendo mais perigosas…”

Tradições de morte

Na evolução humana, diversas tradições acabam sendo perdidas, esquecidas ou até mesmo proibidas, como no caso das Touradas. Estamos vivendo um momento singular na história humana, no qual estamos literalmente “jogando a sujeira para debaixo do tapete” e estamos nos esquivando daquilo que é inevitável: a própria Morte!

Na tentativa de pouparmos os mais jovens das agressões do mundo, estamos lhes oferecendo um mundo “higienizado“, tão esteril de emoções que os torna depressivos e passíveis de uma nova doença, o “stress”. Na medicina, comprovam os cientístas,que o contato com o agente causador de uma doença como uma bactéria acaba fazendo com que a pessoa crie as condições de naturalmente se defender dessa doença.

Há três séculos atrás, um enforcamento se tornava um evento público com direito a platéia e tudo. Hoje, existem muitas pessoas que defendem a volta da pena de morte, mas claro que na forma de um evento um pouco mais discreto.

As Touradas

Várias regiões da Espanha, que tinham por tradição as Touradas, estão gradativamente as proibindo e isso começou com a proibição da morte dos touros na arena em alguns países como Portugal, como também as ações de algumas Ongs em defesa dos animais. Essas Ongs relutam em entender que nem sempre o touro perde, que a tradição é muito mais que violência e morte, mas demonstra que a disciplina e coragem podem fazer com um mero ser humano enfrentar uma “fera“, como os touros da raça “Miura”. Animais que nascem e são criados em liberdade para serem totalmente aversos ao cativeiro e que são escolhidos pelas características da própria mãe, como a ferocidade e a vitalidade.

As pessoas que sentem mal ao assistirem um evento como uma Tourada, não deviam nem tentar assistir. Elas não tem culpa de se sentirem assim, isso é resultado dessa vida de isolamento que chamam de modernidade. Quando eu era criança, na região de onde eu vim, era comum para se preparar o almoço ter de se matar o frango ou um porco, ou seja, se você quer comer, tem de preparar a comida e não é possível se fazer isso com o animal vivo.

Pessoas assim não conseguem ver um animal ser maltratado mas conseguem assistir a um UFC ou a programas policiais com bastante adrenalina. As respostas destes são as mesmas de sempre, cheias de rancor contra a violência e ultraje. Contudo não se percebem da violência de suas palavras e que seus métodos se assemelham aos da própria Tourada, se querem a paz, propaguem a paz. Dizer que se necessitam de armas para combater as armas é pura demagogia.

Uma declaração de Arnado Jabor foi duramente criticada por defender que quem não gosta de Touradas deveria não consumir carne bovina. Isso reflete aquilo o que eu disse, nos tornamos covardes que se vangloriam de não causarmos mal a nenhum animal apenas porque não estamos presentes no momento de sua morte, mas não nos omitimos em receber os benefícios da mesma.

Ser a favor da paz, sim. Da hipocrisia, nunca!!!

Uma sentença de morte!!!

O neologismo mata o bom senso

Estamos hoje fadados a engolir “perolas” criadas por pessoas que tem preguiça de pensar, de usar da lógica e procurar a explicação mais correta para um assunto. Ao assistirmos um noticiário somos sempre surpreendidos com fantásticas sentenças, normalmente num relato de alguma tragédia. Vamos ao significado da palavra risco.

Significado de Risco

subst. m.
1. traço, linha: fazer riscos no papel
2. abertura no cabelo

subst. m.
1. possibilidade de perigo

correr o risco de
aceitar o perigo de.

pôr em risco
pôr em perigo.

risco de vida
perigo de vida.

Esta é a definição normal e apropriada, diferente do que vemos hoje em dia.

Por gentileza, para um teste, acompanhem esse raciocínio:

Quando você entra em um jogo e faz uma aposta, você está pondo em risco seu dinheiro, ou seja, corre o risco de perder o dinheiro.

Quando não utiliza um equipamento de proteção ou não toma a medida de segurança necessária e pode se ferir, você corre o risco de perder a saúde.

Finalizando, quando você se encontra em uma situação extrema, em que possa até morrer, o correto seria dizer que, corre o risco de vida e não de morte, afinal, o que você pode perde é a vida e não a morte, ou seja, nós corremos o risco de perder algo que já possuímos, seja dinheiro, saúde ou a própria vida.

Por isso a estranha situação criada por jornalistas ao informarem que certa pessoa “não corre risco de morte” ou fulano “corre risco de morte“. Eu também quero correr risco de morte, pois se eu perder a morte, jamais poderei morrer.

Carta aos filhos

Que herança para o 12 de outubro

O que você gostaria de falar aos seus filhos no seu último sopro de vida, naquele último instante, quando o palco se esvazia e as luzes se apagam. Qual a imagem que você escolheria que eles guardassem de você. Como foi a convivência entre vocês, quantos momentos compartilhados e com que qualidade eles foram aproveitados.

Podemos explicar muito de poucas coisas, a simples presença de alguém pode falar muito, mesmo que ele não pronuncie nada. Pequenos gestos tem muito valor, quando mais nada vale a pena. O ser humano pode lutar tanto, enriquecer tanto que mesmo assim, não poderá comprar a paz de espírito como uma mercadoria.

Como disse Rudyard Kipling em seu Poema “Se“:

“[…] dar segundo a segundo, ao minuto fatal, todo valor e brilho […]”

O maior valor para o homem, no seu final, pode ser aquilo de que ele mais se queixou em sua vida, as relações com as outras pessoas, aquele embate diário, aquele conflito de vontades e interesses. Pais, amigos, familiares e os filhos, todos a sua volta, pedindo algo, reclamando e te sacudindo como um boneco de piñata, prestes a estourar em um monte de presentes e mimos.

Como você lidou com isso pode representar tudo agora, quantas vezes desligou o telefone e foi trocar a fralda de algum chorão, apesar de fazer hora extra e estar morto de cansado, você ficou algum tempo, sentado na cama, ao lado de alguém que estava com febre e esperou pacientemente ela dormir.

Pequenos rituais, como comprar um pastel de feira ou um chocolate na padaria, acompanhado desses seus adoráveis pestinhas que aguardavam ansiosos a sua presença de forma quase religiosa ou um compromisso intransferível. Por essas e outras, por algum tempo, você se tornou uma pessoa especial. Pelo menos, para essas pequenas pessoas que você cativou com tanto cuidado e carinho.

Apesar de a noite, você se lamentar escondido, em algum canto escuro, de não poder ter dado muito mais para eles, ou dos sonhos que não realizou, ou dos bens que não adquiriu ou dos negócios que não deram certo. Houve sempre a presença de alguém que retribuiu com um pequeno e sincero sorriso, o simples fato de você ter chegado em casa vivo.

Depois de tudo isso, nem mais uma palavra significaria tanto para você do que a presença deles, ali, naquele instante. Pois tudo o que foi feito, foi de valor, pelo menos para alguém que significou muito para você, desde aquele momento em que, de alguma forma mágica, uma nova vida apareceu no mundo e na sua vida!