Para bem entender o demônio!!!

Quem sabe as diferenças entre direita e esquerda?

Percebo ultimamente que muitas pessoas, de boa fé, estranham os textos publicados pela internet que ressaltam sobre diferenças ideológicas e suas consequências em nossa sociedade moderna. Pessoas com um mínimo de bom senso, se perguntam por qual motivo se escreveria um texto para se combater uma coisa como o comunismo, se todos bem sabem do fim da antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas e sobre a abertura de mercado na China.

Para uma pessoa com uma cultura mediana, isso bastaria para indicar que os escritores desses sites, estão “caçando fantasmas” ou são paranóicos e acreditam em “teorias da conspiração”. Mas na verdade, não é nada disso, o perigo é real e ele espreita em cada esquina. Contudo, fica a pergunta: como perceber a diferença?

Quando você se depara com um texto de esquerda, seja ele escrito por um militante ou por uma pessoa de boa fé que estará divulgando idéias marxistas e na maioria das vezes, nem sabe disso, quais são os pontos a verificar? Geralmente os textos tem um fundo apelativo, ou seja, recorre ao emocional do leitor para que obtenha a sua adesão, a sua lógica aparenta ser correta. Possui uma cadeia de idéias, geralmente baseadas em premissas universais. Em outras palavras, coisas óbvias e de conhecimento geral, mas o erro ocorre ao finalizar o pensamento, o resultado é sempre desviado daquilo que seria o correto!

Um exemplo de um autor esquerdista:

“Porque nossa tradição gramatical e pedagógica ainda sofre de um arraigado espírito colonizado. Muitos desses supostos “erros” só recebem essa classificação porque não fazem parte dos usos dos portugueses, do outro lado do Atlântico. Pode parecer inacreditável, mas muitas das prescrições da pedagogia tradicional de língua até hoje se baseiam nos usos que os escritores portugueses do século XIX faziam da língua…  Temos uma língua própria, mas ainda somos obrigados a seguir uma gramática normativa de outra língua diferente. Às vésperas de comemorarmos nosso bicentenário de independência, não faz sentido continuar rejeitando o que é nosso para só aceitar o que vem de fora. Não faz sentido rejeitar a língua de 190 milhões de brasileiros para só considerar certo o que é usado por menos de dez milhões de portugueses. Só na cidade de São Paulo temos mais falantes de português do que em toda a Europa!”

O texto é uma entrevista com Marcos Bagno, aparenta ter uma certa lógica e a príncipio, qualquer pessoa concordaria, todos sabemos que o nosso idioma veio de um país de outro lado do Atlântico e que as regras não mudaram de forma radical nos últimos anos, mas qual é o conceito que ele passa, qual é a moral dessa história? Ele sempre entra nas questões sociais como se isso fosse a razão para usarmos ou não corretamente a nossa língua. Não aceitam as regras e as tradições linguísticas como se isso fosse alguma doença e tratam os escritores como “persona non grata” e querem sempre que se retire o ensine da gramática no ensino fundamental. No fundo, uma forma de alterar o modo operante do profissional docente e alterar a sua posição na sociedade.

Isto está perfeitamente embasado pelas obras de Antonio Gramsci, “Cadernos do Cárcere” que podem ser resumidas assim: “amestrar o povo para o socialismo antes de fazer a revolução. Fazer com que todos pensassem, sentissem e agissem como membros de um Estado comunista enquanto ainda vivendo num quadro externo capitalista.” O que significa que o profissional (docente) teria seu papel social totalmente reformulado e aquilo que o torna uma pessoa capacitada para exercer a sua atividade seria jogado no lixo. A legitimidade estaria comprometida, pois os conhecimentos que, a priori, seriam o mínimo necessário para que pudesse exercer a profissão não poderiam mais ser cobrados, pois eles ensinariam sem as regras, combatendo a tradição e a normatização vigente.

Outra questão que esse e outros autores colocam é que nossa posição de “terceiro mundo” (espírito colonizado) e dependência de outras nações seria devido a esse idioma, contudo, aos testarmos essa teoria, vemos não ser verdade. Qual outro país que foi colonizado no mesmo período que o nosso, por uma nação europeia, possui uma grande extensão de terra e diversos “regionalismos” e que ainda mantém o idioma e as regras originais de sua língua?

Resposta: Os Estados Unidos da América, país este, que não possui qualquer dependência e está em posição mais privilegiada do que sua antiga metrópole. Se o número de falantes, como ele cita acima, pudessem alterar de qualquer forma a escolha do idioma ou as suas regras, os Estados Unidos já teriam alterado as deles e diferente daquela música italiana “parla americano”, o nome do idioma deles é inglês (english) ainda.

Dica: não existe ainda oficialmente um português brasileiros, como muitos pregam.

Quando D. Pedro I realizou a Independência do Brasil, ele não imaginava que precisavamos de uma indepência linguística, visto que ele era português nato e nem sequer os seus sucessores, como na Proclamação da República cogitaram tal alteração. Outra coisa, bastante óbvia, que eles tanto divulgam é que a língua falada é diferente da escrita. Com certeza isso existe e não irá se alterar mesmo com as “mágicas” propostas desses autores. Não parece “gritante” que a fala possui diferenças no seu modo de uso com os modos da escrita e que podemos pronunciar palavras iguais com entonações diferentes e conseguimos com isso, outros resultados. Na fala, existem onomatopéias (sons de objetos, animais ou situações) que são dificeis de reproduzir na forma escrita. Por sua vez, as regras escritas uniformizam os textos e permitem que falantes de diferentes níveis possam se entender. Não se trata de nenhuma imposição, isso é uma convenção e o fazemos para poder nos comunicarmos.

Um detalhe importante, alguns dizem que não existe regras para o português coloquial, pura balela, existem tantas regras quanto no escrito, contudo, o regionalismo, os grupos sociais com que se relaciona e os níveis exigidos em cada situação fazem com que o falante altere suas formas de expressão e lance mão de um vocabulário ou de outro a cada momento, ou seja é uma flexibilização. Para verificar isso, faça um teste, se não existem regras, vá até uma praça pública e procure pedir informações falando como o Tarzan do cinema e veja se as pessoas não vão o considerar como um doido.

Aproveitando o ensejo, isso foi proposital, aqui caberia um comentário sobre o famoso “preconceito linguístico” que tanto pregam, faça o mesmo proposto acima utilizando um vocabulário e uma entonação regional diferente do lugar que se encontra para verificar as reações dos passantes. Segundo “psico-intelectuais” (psicologo + pseudointelectual) existe uma guerra acontecendo lá fora e você será terrivelmente agredido. Pois bem, posso afirmar que não ocorrerá mal trato algum, sou sulista e meu sotaque é “gaúcho” e desde que vim para São Paulo, sou bem recebido em qualquer lugar que vou e no máximo, tiro algumas risadas com alguns termo oriundos de minha terra.

Para quem se sente constrangido em não saber usar todas as regras gramaticais, existe um consolo, muito poucos o sabem, contudo, jogar pela janela os livros de regras deliberadamente é uma atitude leviana. Usam o fato das crianças não poderem guardar todas as regras como motivo para não se ensinar regra nenhuma. Ignoram a evolução cognitiva das crianças e das alterações que ocorrem quando essas se deparam com a escrita. Diferente da fala, a escrita requer uma maior atividade abstrata, pois se trata um símbolo que independe do objeto e do falante e que pode dar resultados diferentes por causa das diversas combinações possíveis.

“Ao formular o conceito de zona proximal, Vygotsky mostrou que o bom ensino é aquele que estimula a criança a atingir um nível de compreensão e habilidade que ainda não domina completamente, “puxando” dela um novo conhecimento. “Ensinar o que a criança já sabe desmotiva o aluno e ir além de sua capacidade é inútil”, diz Teresa Rego. O psicólogo considerava ainda que todo aprendizado amplia o universo mental do aluno. O ensino de um novo conteúdo não se resume à aquisição de uma habilidade ou de um conjunto de informações, mas amplia as estruturas cognitivas da criança. Assim, por exemplo, com o domínio da escrita, o aluno adquire também capacidades de reflexão e controle do próprio funcionamento psicológico.

Mesmo que você não guarde todas as regras, o conhecimento delas altera a sua forma de pensar. Um questão que apareceu há muitos anos atrás, foi o gibi do Chico Bento. As professoras de Português levantaram a hipótese de que as crianças poderiam começar a falar errado ao lerem esse tipo de historinhas. Contudo o que se presenciou foi bem diferente, as crianças entendiam o universo do personagem e que a sua fala era apenas uma característica dele. Da mesma forma, quando liam histórias do Cebolinha não começavam a trocar os “r” pelo “l”.

Grandes Autores

Existe ainda quem defenda a retirada da grade currícular, do estudo de Grandes Autores de nossa língua para os estudantes e que eles não trariam benefícios aos mesmos. O que eu lí ultimamente aparenta ser o seguinte, os Grandes Autores seriam apenas para mostrar as formas de linguagem que estariam em desuso e seriam apenas para exemplos gramaticais. Contudo, devemos ressaltar que os assim chamados “Grandes Autores” não eram essencialmente docentes ou linguistas, possuiam profissões distintas e não contribuiram apenas para a expansão e o uso do nosso idioma, contribuiram em muitas áreas do conhecimento humano. Luis Vas de Camões era soldado mercenário, Fernando Pessoa era tipógrafo, Carlos Drummond de Andrade era farmacéutico formado e funcionário público, alguns eram médicos, outros engenheiros e todos contribuiram de alguma forma. Mas parece estranho que tentem estudar a língua e suas origens sem esses ilustres personagens, o que querem ocultar de nossos jovens? Qualquer filosofo diria que o melhor conselho é “ler” e ler muito para se obter todos os pontos de vista e não ser engando pela primeira impressão dos fatos. Quem lhe disser que não necessita disso, responda “isso é balela”, todos os regimes autoritários tentaram coibir a difusão de idéias e até mesmo com a queima de livros. Não aceitem de forma alguma que isso se repita!

Finalizando, você perceberá que os textos de direita se divergem em vários pontos, são pensadores livres que possuem pensamentos diferentes uns dos outros e estão defendendo valores como a tradição, a propriedade, a liberdade e a religião, cada qual em seu grau de posicionamento e de sua forma. Talves não concorde com um ou com outro, mas isso é próprio da política liberal. Contudo os esquerdistas estão sempre em uma mesma linha, um mesmo pensamento, quando um é desmascarado, outro o substitui. Por isso se assemelham tanto.

“Como você diz que é um comunista? Bem, é alguém que lê Marx e Lênin. E como você diz um anti-comunista? É alguém que entende Marx e Lênin.” Ronald Reagan

Dica de leitura: O Alienista de Machado de Assis, que expõe temas como a observação da sociedade, estatísticas e modos de comportamento. Quem julgo os outros loucos, acaba se descobrindo mais louco ainda.

Nós vivemos em Matrix?

Uma analogia com a nossa realidade!

Apesar das críticas dos filosofos, de que o filme Matrix divesse trazido a pauta de assuntos cotidianos temas próprios de livros e ensaios filosóficos e que os mesmo acham que o debate de tais assuntos sejam próprios de uma cátedra! Contudo é relevante perceber o quanto é inspirador essas novas visões propostas em tal produção.  Cada cena apresentada poderia ser capaz de ser o assunto de um livro inteiro, contudo, gostariamos apenas de analisar a cena de introdução de Neo ao mundo de Matrix.

Nessa cena, o ator Laurence Fishburne (Morpheus) demonstra a keanu Reaves (Neo) o que seria o mundo virtual, como acessá-lo através da conexão neuro-computadorizada e quais são os resultados dessa interação. Os atores iniciam em uma sala branca com uma poltrona velha, as roupas e a sua imagem pessoal está modificada, como o detalhe do cabelo. O programa chamado de Construtor é a ferramenta utilizada para adquirir “ferramentas virtuais” como armas, equipamentos e alterar o modo com que entra em Matrix, como se assumisse um determinado papel. A explicação de Morpheus é de que as pessoas vivem no mundo virtual mas na verdade dormem no mundo real, a sua profundidade de interação e aceitação desse mundo “falso” produz no indivíduo uma necessidade natural de proteger esse mundo e isso os torna complacentes com os “sentinelas”.

Os Sentinelas, programas sensitivos, que fazem o papel de guardas no mundo virtual, eles vigiam todas as portas e possuem todas as chaves. Na verdade são apenas softwares, como os nossos antivirus, mas com aparência de guarda-costas no mundo virtual. Na verdade o que intriga nesse mundo virtual é justamente a escolha da época e da paisagem. A época atual (final do Sec. XX) e o uso do cenário em grandes cidades é bastante interessante. Oportunamente explicados como sendo devido ao momento em que estamos tão encantados com nós mesmos. Uma geração de pessoas encantadas com si mesmas e dentro do cenário ideal, as metrópoles criadas pela própria mente humana.

Não parece a primeira vista, mas Matrix é uma irônia, uma crítica acida e contundente ao nosso estilo de vida. Tão cheios de nós mesmos e tão vazios de qualquer conteúdo, uma geração de narcisistas que não se aguentam de tanto se auto retratarem que até uma palavra elegem para isso “selfie”. Basta observar nos trens do metrô, nos ônibus, nos pontos e nas esquinas. Pessoas adormecidas em usar uma tecnologia que os cativa e adestra, um olhar vazio e mãos ocupadas. Tantas pessoas agrupadas nesses locais contudo sem qualquer interação, como dizia um velho pensador, “com  diversas pessoas, mas uma sala de retratos“.

O que impressiona é a defesa como agimos para com esse sistema, quem já trabalhou em algum serviço de suporte ou assistência técnica e não ouviu frases incríveis como: sem celular me sinto nu ou não posso viver sem ele. Não importa qual seja o aparelho, ele já faz parte da vida e não se consegue se separar o ser humano da máquina.

Qual o resultado disso, estudiosos da Coreia do Sul e da Alemanha apontam para a “demência digital”, “O uso excessivo de smartphones e jogos digitais dificulta o desenvolvimento equilibrado do cérebro”, explicou ao jornal Joong Ang Daily, de Seul, o médico Byun Gi-won, do Centro para o Equilíbrio Cerebral. Da mesma forma o neurocientista alemão Manfred Spitzer publicou em 2012 o livro Digital Dementia que seria um alerta a pedagogos e pais para os perigos da excessiva exposição de crianças ao uso da tecnologia digital e que se deveriam dar alternativas fora desse universo. Isso mostra Luis Dufaur em seu post no site Mídia Sem Máscara que comenta quais os possíveis danos causados para as mentes em formação e como estes são irreversíveis.

Um mundo sem Deus, em que o homem é capaz de mudar seu próprio destino como o “escolhido” Neo, um messias para tecnólogos e internautas, seres capazes de grandes feitos mas incapazes de sairem desse mundo, inertes e adormecidos. A tecnologia fornece tudo, tudo que seja feito por um “copiar” e um “colar”, um mundo de cópias. Como diz no filme: “um mundo onde seres humanos não nascem mais, são cultivados“. Esta é a utopia da tecnologia, sermos totalmente independentes de nossas origens, da natureza e de Deus.

Não existe mais cultura, como alertava Nietzsche, o autor escreve o que vê na vida, o cotidiano e dá ao leitor uma imagem daquilo que o leitor também vê na sua vida e lhe diz “isso é cultura, essa é a língua e isso é a filosofia…”. O leitor se encanta e fica extasiado consigo mesmo e afirma em alto e bom tom, sou um filósofo, sou um linguista, eu entendo o mundo. Não percebe o engodo, a farsa e a fantasia. Olhem a sua volta, tantas palavras e conceitos novos, uma chuva de neologismos. Sofismas tão fáceis de entender, tão acessíveis tanto quanto a internet. Basta um plugar que o mundo inteiro estará a suas disposição, mas que mundo é esse?

A globalização acabou com a cultura nacional, os novos meios de comunicação acabam com a língua e o modernismo com a filosofia. O resultado de tudo isso são valores invertidos e buscas pelo sobrenatural, os velhos valores não são mais aceitos pois são dificeis, eles incomodam e constragem. O status quo não pode ser perturbado, somos os guardas desse sistema, da mesma forma que os softwares sensitivos de Matrix e não podemos aceitar nada que mude isso.

A mística não é mais explicada pela religião, os novos “crentes” idolatram a tecnologia, o modernismo e o comodismo e precisam de novos “deuses”, por isso a busca em terrenos inexplorados. Os velhos mitos são enterrados e as fantasias tomam seu lugar e quando alguém ousa falar o contrário é execrado em praça pública como um reacionário. Os estudos preparam os jovens para o que? São meros analfabetos funcionais, fazem de tudo, mas não entendem nada daquilo que fazem. São cidadãos livres presos em um sistema de respostas prontas. Desdenham o passado e aqueles que ainda o representam ( os velhos) e acreditam, como em Matrix que o mundo é apenas isso, aquilo que a mão do homem criou e não percebem que são as máquinas que comandam esse teatro de marionetes.

Se a coesão da nossa sociedade era mantida outrora pelo imaginário de progresso, ela o é hoje pelo imaginário da catástrofe” Jean Baudrillard

Pelo “bom” Português

Um estudo do Preconceito Linguístico

Estou lendo ultimamente diversos textos sobre o famoso “preconceito linguístico”, o que inicialmente levanta diversas suspeitas. A primeira seria a forma com que os textos são escritos, todos eles respeitando as norma cultas da língua, o que sugere um contra-senso, pois defendem um uso diferente, os “neologismos” e os “regionalismos”, mas eles próprios não fazem uso disso.

No caso de se expressar pela forma que defendem não permitiria que os outros, ou seja, a grande maioria, entendesse suas palavras. Outra coisa, se esforçam em distinguir quem fala por “regionalismos” de quem fala através da norma culta; ou eu sou um extraterrestre ou eu sei falar das duas maneiras, o fato de ter aprendido a forma culta na Escola, não apagou meus traços nativos, como eles insistem em expor.

Fatos incontornáveis

O uso de expressões de impacto não melhoram um texto, apenas o faz parecer um “discurso político”, nesse caso, tendencioso e cheio de demagogias. Mostra apenas para que serve, propaganda ideológica.

Não adianta “colocar a carroça na frente dos bois”, a lógica é feita por premissas e nesse caso, conhecidas. Quando dizemos que quem se utiliza de uma linguagem “regionalista” tem dificuldade em abstrair não podemos generalizar. Apenas por uma questão de “comodismo” a expressão é usada dessa forma. Nem todos, que falam através de “regionalismo” conhecem a forma culta e o inverso também é verdadeiro e isso significa que podemos abstrair usando outras formas além da culta mas para isso, devemos ao menos ter o conhecimento (know-how) para fazé-lo de forma apropriada.

Um exemplo de “regionalismo” com abstração é a obra “Grande Sertões: Veredas” de Guimarães Rosa, o autor usa um clima psicológico bastante tenso sobre o personagem principal, apesar de usar e abusar dos “regionalismos” e dos “neologismos” mas nem todos possuem o conhecimento da língua para realizar tal tarefa.

Outro ponto bastante discutido é sobre as línguas primitivas e suas deficiências, nesse caso, peço que leiam “A visão dos vencidos”, de Miguel León-Portilla, nesta obra o autor narra a conquista da América sobre o ponto de vista dos conquistados, nesse caso, os Astecas que falavam o Nahuatl, idioma esse não tão primitivo quanto o de outras tribos ameríndias como os nossos índios, apesar disso, mostra bem as dificuldades deles de expor em palavras o que significou o terror de serem conquistados pelo “homem branco”. As situações eram retratadas de forma mística e cheias de superstições, como os espanhois que foram confundidos com deuses que vinham para os ajudar e depois os mataram, roubaram e escravizaram.

Quanto ao domínio da linguagem e em qual idade isso se faz, disseram até que com 4 anos já existe esse domínio, pediria então que dessem uma olhada nas obras de Piaget e Vigotski, autores que trabalharam com a evolução cognitiva das crianças e podem esclarecer tais duvidas. No caso é bom ressaltar as diferenças entre a linguagem falada e escrita, como aponta Vigotski:

“A escrita é uma função específica de linguagem, que difere da fala não menos como a linguagem interior difere da linguagem exterior pela estrutura e pelo modo de funcionamento a qual requer pra seu transcurso pelo menos um desenvolvimento mínimo de um alto grau de abstração, não usa palavras, mas sim representação das palavras pela linguagem de pensamento e isto se constitui em uma de suas maiores dificuldades,”

O real conhecimento da língua somente se dá com a apresentação dos métodos de aprendizado e da devida condução de um professor, como ele demonstra abaixo:

“É no fluir do aspecto processual, do metodológico, que as negociações ativas de significados encontrarão espaço para o desenvolvimento das especializações funcionais mediadas pelas ferramentas culturais.”

Ou seja, falar por falar, ainda não pode ser considerado como uma grande atividade cognitiva, é apenas uma imitação, uma forma encontrada pelo método de eliminação, certo ou errado. A criança ouve e imita, ser der certo, imita de novo. Tais métodos podem ser eficientes para um nariz escorrendo, um bumbum sujo ou quando se está com fome, mas para imaginar uma “Teoria da Relatividade” está muito longe.

Digno de nota, o fato da criança enquanto no ventre da mãe aprender o “sotaque” por causa da pronuncia dela mostra que o “regionalismo” será mantido. Dessa forma, independe das interações futuras e da eduacação que receberá. Isso já é provado cientificamente.

As redundâncias

Um trecho que me chamou a atenção sobre Preconceito linguístico é o que fala sobre “línguas primitivas” de Sírio Possenti, aqui reproduzimos apenas uma pequena parte:

“…o mesmo dialeto que é considerado errado ou precário por eliminar redundâncias também é considerado errado ou precário quando introduz redundâncias como ‘sair para fora’ ou ‘entrar para dentro’, ‘subir para cima’ e ‘descer para baixo’; são, de novo, construções análogas às do inglês, que ninguém estranha ou critica; …”

Nessas circunstâncias teriamos apenas que analisar se o idioma propõe soluções para a redundância, ou seja, se existem “ferramentas linguísticas” para substituir o termo em questão. No caso de português, merece apanhar com um “dicionário” quem usa redundâncias sabendo que a língua é tão rica em figuras de linguagens.

Outros idiomas menores

No caso do inglês que é considerado um idioma com ausência de flexões, um vocabulário menor e não tantos recursos linguísticos, não se preocupem! Embora o pinto não mame, se cria com farelo!  Ou seja, para tudo existe solução, basta lembrar que nas faculdades (High School) de países de língua inglesa nas materias mais avançadas são utilizados outros idiomas para suprir essas “carências” como o Latim e o Grego.

Eu fico com Fernando Pessoa, nosso poeta maior, “quero ser e estar!” o verbo “to be” não me satisfaz, a não ser que fosse “Hamlet”…

Se querem conhecer um idioma com situação semelhante a do Português, basta conhecer a atual situação do Árabe, idioma esse falado em diversos países na África e na Ásia, com culturas e religiões bastante distintas e consequentemente formas diferentes de se pronunciar e de se usar o idioma. Mesmo assim, existe um consenso que a língua escrita, livros, revistas e jornais são escritos pelo idioma oficial.  Na televisão existem algumas variantes mas os jornais televisivos são baseados no “Árabe Moderno” que constitui esse idioma oficial, o mesmo é também ensinado nas escolas (madrassa) e Universidades. O interessante aqui é que as variantes e dialétos não costumam se escrever, apenas falar (vernáculo) apesar de tantos conflitos, ficou convencionado que a escrita se faz pela língua oficial. Analogicamente seria como se o Chico Bento fosse escrever uma carta e para isso usasse o padrão culto do português, em vez do seu “linguajar” conhecido.

Diversos outros idiomas possuem  situações semelhantes ou até piores, como o Italiano com nove dialetos oficiais ou o Espanhol. Dentro da Espanha existem o Catalão (Catalunha) e o Euskara (país Basco), os quais lutam para serem reconhecidos e fazem parte da luta pela Independência dessas duas importantes regiões,  que hoje já estão autônomas. Utilizei a expressão “piores” devido ao tamanho dos países em questão: a Itália é um pouco maior que o Rio Grande do Sul e a Espanha caberia tranquilamente dentro da Bahia, por isso afirmo que os nosso “regionalismos” são até bem definidos e poucos se levarmos em conta a nossa grande extensão territorial.

O Brasil hoje

Um aviso, o Brasil hoje não é nem semelhante ao panorama da Rússia no ínício do século XX, antes da revolução, no qual havia uma elite Burguesa e Aristocrática que costuma falar francês apenas para se distinguir do resto da população. No Brasil, a elite fala um português tão ruim tanto quanto o resto da população, se torna um pedantismo querer cobrar dos outros aquilo que você mesmo não faz. Basta verificar as “redes sociais” e as colunas de “fofocas” para se deparar com as “pérolas” utilizadas pelos nossos governantes, artistas, atletas e empresários.

Não cabe aqui se falar em “preconceito linguístico” apenas para induzir uma luta de classes, um modo perverso de difundir teorias marxistas e ideologia barata. Os ojetivos de ideias como abolir os “erros de português” e de que o padrão da língua é feito através de uma “imposição” é apenas o de criar um exército de “analfabetos funcionais”, como foi divulgado recentemente através de pesquisas que mostram o aumento do analfabetismo no Brasil. Pessoas fáceis de se conduzir e que trocam votos pelo paternalismo governamental.

Qual a finalidade do Padrão Culto da Língua

O Padrão Culto da Língua é um eixo central que faz a ligação de todos os outros padrões, independente da localização e do tempo, ou seja é uma importante ferramenta geopolítica e histórica. As pessoas se conectam mais facilmente ao terem esse conhecimento e aquilo que é produzido, não importa a área, pode ser democraticamente distribuido. Ao eliminar a padronização, não existiria a uniformidade que dá ao idioma o aporte de ser único.  O ensino da norma culta não é uma imposição e sim, uma necessidade, não importa a área que sigam os alunos, o uso será impreterível e ficará arraigado no interior de cada um. Você pode enviar um SMS sem acentos ou “ç” mas saberá usar muito bem os recursos da língua quando for necessário. Num TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) por exemplo.

Egrégio Professor

Vi em um artigo, uma breve citação ao grande Professor Pasquale Cipro Neto, o qual tive o prazer e a honra de ser seu aluno. Não acredito que o mesmo tenha simpatia por tais ideias pois me lembro muito bem de suas aulas e da história que ele costumava contar. Professor Pasquale é descendente de italianos e quando viajava em passeio para a casa de seus parentes na “Bella Italia”, costumava ser censurado pelos seus parentes. Fato este que o indignava, pois eles cobravam que ele falasse corretamente o “italiano”, mas ele é brasileiro e sobretudo professor de Português e encerrava dizendo, “como gostaria de ver a nós, brasileiros, defendermos com a mesma paixão o nosso idioma, como os italianos defendem o deles”.

Aos estudiosos

Meus mais sinceros votos de apreço e simpatia por aqueles que responsavelmente estudam o nosso idioma, Pesquisadores e Professores. Quero pedir desculpas pelo modo tempestuoso de minhas palavras mas o tempo pede medidas extremas. O estudo da língua se faz necessário e é importante, as mudanças sempre ocorreram e sempre irão ocorrer, contudo não existe uma bola de cristal para conhecer seus efeitos:

1- A inovação será aceita pela maioria;

2- A inovação irá substituir algum padrão anterior;

3- Isso será permanente ou apenas um mero modismo.

A história está repleta de casos que demonstram isso, casos que fortuitamente mudaram o panorama de algum idioma, no Egito Antigo, a escrita Hierática deu início ao fim dos hieroglifos, no Japão, as escritas Hiragana e Takatana não conseguiram substituir o complexo Kanjin e hoje existem em harmonia. Digo isso, pois existem pessoas que acham que a escrita abreviada do SMS e do MSN podem alterar a forma de escrevermos o português futuramente. Será? Quem pode afirmar isso concretamente? Quem viver, verá!

Nunca houve um período tão bom para a Linguística, a Internet integra de forma instantanea os mais longínquos pontos, os materiais e os textos abundam pelas redes, quem quer aprender, basta pesquisar. Apenas um aviso de cautela! Como dizem: “se fosse para levar a sério tudo o que “curtem” nas redes sociais, nós todos seriamos bons, bonitos e … adorariamos gatos!!!

“Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.”  Voltaire

A evolução e a involução da língua

Quais os fatores para essas mudanças

Na filologia, se diz que a língua é como um ser vivo, nasce, cresce, se reproduz e morre! Essa visão darwiniana da língua mostra de forma geral como podem haver mudanças e que estas causaram consequências.

“Analogamente, como todo ato de fala é recombinação de elementos e modelos preestabelecidos na língua, que o falante internalizou (léxico, construções sintáticas, pronúncia dos fonemas etc.), cada novo ato de fala é uma tentativa de reproduzir a expressão e o conteúdo de mensagens anteriores, tentativa que produz, porém, uma cópia “falha”, isto é, diferente, ainda que mínima e imperceptivelmente, do original, tanto no significado quanto na forma fônica dos elementos lingüísticos.”

Esta premissa acima apresentada em “Darwinismo da linguagem” de Aldo Bizzochi mostra a alteração como uma “falha”, ou seja, possui alguma diferença do significado original.

No caso de alterações que adicionam formas, significados e palavras, como os regionalísmos, o “estrangeirismo” (palavras de outros idiomas), e agora a internet tem sido o mais novo elemento transformador do idioma. Vou tomar a liberdade de utilizar como exemplo matéria apresentada no Blog Mundo Texto de autoria da Professora Carla Edila. Nesse caso, a matéria é sobre alterações pronominais e  aumento da marcação prefixal no português brasileiro. Matéria esta publicada originalmente pelo Professor Ataliba de Castilho na aula inaugural em 10/08/2013 do evento  Letras Debate: Linguagem e Ensino, promovido pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Alguns exemplos expostos:

1)  ozóme, essas coisarada bonito (Amaral 1977: 48) = plural nominal ou de substantivos

2) vofalá = tempo futuro

3) popará, quepará? = modo verbal

4) tafalano  = aspecto[1] imperfectivo

5) tafalado = aspecto perfectivo

6) Disque vai chover = modalização sentencial asseverativa (gramaticalização[2] de verbos afirmativos)

7) Áxki vai chover = modalização sentencial dubitativa (gramaticalização de verbos evidenciais).

Para maiores detalhes acesse o link: http://mundotexto.wordpress.com/2013/09/08/como-e-ensinar-portugues-brasileiro-na-era-da-informacao/

Esses “neologismos” defendidos pelos professores mostram como usos e costumes adquiridos no uso da internet e dos dispositivos móveis de comunicação, como SMS, chats, e-mails e MSN (agora Skype) podem alterar a forma de uso da língua. Nesses casos se percebe que as palavras assumem novos significados, contudo as palavras originais continuam as mesmas, e o interlocutor se utilizar dos padrões da língua será perfeitamente entendido por qualquer receptor. Nesse caso, eu concordo com a autora, existe uma evolução da língua que pode nem sempre ser aceito por todos, mas que é perfeitamente utilizável.

Quanto as palavras novas, dependendo de sua origem, pode haver uma espécie de adaptação, de acordo com a sua origem, seja uma tradução ou alteração de uso. Esse caso é que mais chama a atenção, no  qual, as palavras usadas em “jargão”, ou seja, no vocabulário próprio de profissionais ou de áreas distintas, como a medicina, o direito, a administração ou até mesmo pelos técnicos de informática mudam.

Nessa situação temos por exemplo a matéria posterior da mesma autora, Jornal Estado de Minas – Embargos infrigentes está na boca do povo.  Na qual, demonstra expressões que caem no uso popular e que se originam de um vocabulário técnico, os quais são largamente expostos pela mídia, fazendo serem amplamente conhecidos mas não tão bem utilizados.

O que realmente significam:

Embargos infrigentes: Segundo os magistérios: imaginemos uma ação dentro de uma ação. Os exemplos virão sempre precedidos da expressão embargos – embargos do devedor, embargos de terceiro, embargos à arrematação, à adjudicação, com o significado de um instrumento dúplice, em que se exerce o poder de obstacular, ou impedir a produção do efeito específico de um ato judicial. Ataque ante a parte que dele se beneficiaria e defesa ante o ato, ao mesmo tempo. Assim também ocorre com os recursos que se inserem em outro recurso, ou numa ação de impugnação, com o mesmo caráter de estorvo, ou impedimento: os embargos infringentes, os embargos de declaração, os embargos de divergência e os embargos infringentes do julgado. São materialmente plurais, porque exprimem um agir para postular a revisão de um ato, ao mesmo tempo em que configuram um óbice à sua eficácia.

Os novos usos para essa expressão chegam até a medicina, como no caso de dois médicos que conversam:

– O cliente não está reagindo bem aos medicamentos!

– Vamos tentar os “embargos infrigentes”! Se não der certo, seja o que Deus quizer!

Ou seja, muda totalmente o contexto original. Podemos concluir através disso que a expressão ou a palavra têm o seu uso e significado alterados e o  locutor pode até usar na forma original, mas não será entendido mais da mesma forma pelo receptor. Houve uma alteração irreparável no contexto, a não ser que todos façamos direito a expressão jamais retornará a ser o que era.

O acréscimo de formas de comunicação, novas palavras e expressões são positivas para a língua e melhoram a comunicação, mas o decréscimo de significados e o desuso podem ser o inverso. Como é lamentável a leitura de um texto que dele nada se entende, como por exemplo, dar a um jovem o Hino Nacional ou a carta de D. Pedro I a seu filho D. Pedro II, no momento de sua partida a Portugal e nesse momento, verificarmos o total embaraço do jovem com palavras que deveria, ao menos, ter uma leve noção.

Uma palavra que não representa uma idéia é uma coisa morta, da mesma forma que uma idéia não incorporada em palavras não passa de uma sombra.  Vygotsky