Quem é o “machão”?

Até onde vai os esterótipos humanos?

Ultimamente estão aparecendo comentários de extremistas via redes sociais quanto a piadas, anedotas ou qualquer declaração que estes achem “ofensivas”, contudo, essas críticas são mais frívolas do que os comentários que visão anular. Como já dissemos em artigos anteriores, a grande quantidade de informações proporcionada pela Internet é inversamente proporcional à capacidade de estudo dos Internautas e por isso o resultado de um efeito “emburrecedor” nas pessoas.

A questão da UNIVERSALIDADE

Desculpem pelas maiúsculas, mas são necessárias, este é um dos princípios que está sendo o mais ignorado ultimamente, as pessoas reivindicam direitos, um espaço maior ao sol e que todos os seus sonhos se tornem realidade, mas se esquecem dos outros, esquecem que todos merecem receber o mesmo tratamento e que não é porquê uma classe reinvidicou ou que correu atrás de alguma mudança que apenas eles terão o direito de receber o prêmio.

No direito Romano, havia uma dualidade, a cada direito existe um dever equivalente, ou seja, se você possui o direito de ser “bem atendido” como está no Código de Defesa do Consumidor, possui também o dever de ser educado quando solicitar algum produto ou serviço. Contudo, ninguém reinvidica um Código de Defesa do Vendedor. Pois quando o cliente chega exigindo muito mais do que o funcionário pode realizar ou com truculência e falta de educação, ninguém sai filmando ou dando “print” na cena para “postar” em qualquer rede social.

Anedotas “machistas”

Da mesma forma são vistas aquelas antigas piadas entre homens e mulheres, em questões de relacionamento e posicionamento social ou devido as características próprias de cada um. Questões muito mais referentes aos esterótipos de cada sexo do que realmente com algum ensejo real. Vamos a um exemplo:

– “Perguntaram ao Guri do Uruguaiana, porque motivo a mulher foi feita da costela? Ele respondeu, que se fosse criada da picanha somente os ricos as teriam!

Essa anedota recebeu diversas críticas por parte das mulheres que se sentiram ofendidas mas que não entenderam direito o sentido da piada. No Rio Grande do Sul, a costela é algo tão importante e popular como o Fogo de Chão e o Chimarrão, possui um significado popular e tradicionalista que invoca a união do povo sulista. Por sua vez, a picanha, muito saborosa por sinal, é muito mais afamada por ser uma carne cara e de dificil preparo. Pois não são todos, os capazes de acertar o ponto de uma boa picanha.

Ao meu ver, não houve intenção nenhuma de ofender as mulheres nessa gracejo ou alguma intenção oculta que lhes dê uma posição de inferioridade ao homem. Agora, vamos analizar uma piada contrária que também saiu nas redes sociais mas que teve uma receptividade diferente:

Feliz era a Eva, que não tinha sogra, morava no Paraíso e não tinha ninguém dando em cima do marido dela!

Se formos analizar esse texto com o mesmo rigor com que o anterior foi criticada, o que teriamos: a mulher é tão rebelde que não admite nenhuma outra superior a ela, tão preguiçosa e indolente que só procura “água e sombra fresca” e tão egoista que para não ter perigo de perder o que possui, por ser totalmente insegura de suas qualidades, prefere que não exista nenhuma outra mulher no planeta.

Por gentileza, alguém em sã consciencia acreditou nas palavras que acabei de proferir? Nem eu, não aceito acreditar que alguma mulher seja assim, não podemos ser ingênuos e dizer que elas são perfeitas, mas para reunir todos esses defeitos na mesma pessoa é inaceitável. Ou seja, essas anedotas são análogas, nas palavras, o que as caricaturas são para as imagens. Algumas características do personagem são realçadas para lhe conferir um tom humorístico e que sejam mais marcantes, seria como aquela figura de linguagem, uma hiperbole, “que ocorre quando há exagero intencional numa idéia expressa, de modo a acentuar de forma dramática aquilo que se quer dizer, transmitindo uma imagem ampliada do que é real”.

Apenas para finalizar, os homens não se sentiram ofendidos, ou seja, percebemos que é apenas uma piada e deve ser tratada como tal e quanto as mulheres cabe aqui as palavras de Caetano Veloso, “não me venha  falar na malícia de toda mulher, cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é…”

 

O ideal no casamento é que a mulher seja cega e o homem surdo.”  Sócrates

 

Para um legítimo Pretzel Bávaro

Proteção de origem para o famoso pão alemão

Agora, o Pretzel está no selecto grupo de produtos que são protegidos pela produção de origem ou indicação de procedência: “diferente da simples indicação de origem, garante exclusividade de uso a um grupo de pessoas, em razão da reputação que a região obteve na produção de um bem ou na prestação de um serviço, de qualidades ou de outras características atribuídas a sua origem. Tal  distinção os torna relativamente únicos, permitindo uma melhor competividade ou maiores ganhos à cadeia produtiva de onde se origina.” Como o champagne francês, o café brasileiro ou presunto de parma.

Foi decidido que somente o produto que for fabricado no estado do sul da Alemanha da Bavária é que poderá ser denominado Pretzel Bávaro (“Bayerische breze”), segundo um comunicado feito nos Estados Unidos na última sexta-feira. O anúncio, de dar água na boca, descrevia-o como: ” caracteriza-se por um massa saborosa com um breve e nítido som crocante e uma textura suave e macia”.

A indicação geográfica se refere as padarias bávaras e o produto com a forma de braços cruzados em oração e  coberto com sal grosso, queijo, papoula, gergelim, abóbora ou sementes de girassol.

Produtos fabricados e vendidos fora dos Estados Unidos com a denominação de Bávaros não serão afetados por essa decisão.

Fonte: The Guardian

A série A Feiticeira

Uma forma de enxergar a modernidade

Essa antiga série que foi cultuada pelos ocultistas como sendo para fazer uma apologia à bruxaria e aos cultos pagãos, na verdade, seria apenas uma paródia em que demonstrava que o “american way of life” (modo de vida americano) seria tão bom que até uma pessoa adotada de super poderes escolheria viver desse modo em vez de usar os seus “encantos”.

Apesar de simples, o jeitinho de Samantha Stevens encantou os telespectadores, bastava ela mexer o nariz e os seus desejos viravam realidade. Mas se obervarmos melhor, a ênfase na série era para os produtos modernos que estavam em todas as cenas, como o aspirador de pó, o forno e até as viagens espaciais. Sempre patrulhada pelo seu marido que não era nada concordado com os feitiços da esposa e de seus familiares.

Para os americanos, o que importava era doutrinar pessoas como nós para o lado deles. Não podemos esquecer o quanto era difundido nos tempos da “guerra fria” (Estados Unidos x União Sovietica) os atrasos no sistema comunista, a baixa qualidade de seus produtos e as violações as liberdade individuais. Infelizmente para os americanos, a série passou muito mais sobre os poderes da encantadora bruxinha do que como uma propaganda para o seu modo de vida.

Podemos notar que hoje, os articulistas usam esse tipo de material para demonstrar o quanto que os Estados Unidos é um país imperialista e que gosta de “brincar no quintal dos vizinhos” e que costuma não pedir licença para o fazer. Casos como o ex-analista da NSA ( National Security Agency) ligada a CIA, fazem aparecer os podres do velho Tio Sam.

Isso não seria nada de mais, se não fosse um fato, desde os anos 70, os ditos “revolucionários” começaram a criticar o mundo ocidental, como o capitalismo selvagem, os aliados americanos e os governos e políticos por eles apoiados. Por outro lado, faziam uma apologia ao sistema comunista decadente e até mesmo um “requiem” de sua presumida morte. Fomos inevitavelmente afetados por essas palavras, afinal “não se chuta cachorro morto” e quantos não tiveram pena do pobre Che Guevara e de seus companheiros de luta. Desse mundo de faz-de-conta nasceram os petistas e seus simpatizantes que estão sempre em prontidão a apoiar tudo o que seja contra a nossa sociedade. Nesse ponto, o leitor atento diria, “mas não é contra os norte-americanos e seu estilo de vida?”.

Isso mesmo, eles usam os abusos dos “ianques” como desculpa para atacar as instituições que tenham semelhança com o modo de vida deles, como a família, a religião, a propriedade, entre outros. O discurso que se inicia em uma premissa aberta, que possa valer em vários casos, passa para um caso específico mas análogo, que não possui ligação direta ao fato apontado.

Casos como o do “deliquente” preso, nu, a um poste e espancado é fortemente explorado por esses “vermelhos encapuzados”. Outro caso foi o do cinegrafista que foi atingido em meio a um protesto de “direcionados” pelo seu sistema, gritaram em coro, afirmando que a culpa é da polícia, mas quando a verdade apareceu, se calaram para pedir desculpas.

Para bem entender essas duas notícias tem que se visualizar o modo operante que está por trás das tratativas de cada uma, primeiro fazem a campanha pejorativa e depreciativa da instituição, nesse caso “a polícia”, depois vitimizam os criminosos e quando a sociedade reage, somo incompetentes para isso (primeiro caso acima), não importa a desculpa. A razão disso é para tornar a sociedade indefesa e cooperativa para o novo sistema que eles preparam. A idéia de revolução seria da “derrubada de um governo totalitário para o trocar por um governo democrático”, mas a idéia da revolução comunista é “derrubar um governo totalitário por outro mais totalitário ainda” vide os governos da antiga União Soviética, da China, de Cuba, da Coreia do Norte e da nossa vizinha Venezuela.

Nesses casos, gostaria mesmo é de ser como a Feiticeira e com um mexer de nariz, mudar totalmente essa realidade.

“O grande inimigo da verdade não é muito frequentemente a mentira (deliberada, controvertida e desonesta), mas o mito – persistente, persuasivo, e não realista.” John F. Kennedy

Da comodidade e da obsessão

Os motivos para não largarmos de velhos hábitos

Qualquer coisa que usamos com frequência, como um relacionamento, um travesseiro, nosso carro, comer num determinado restaurante, entre outros, pode ter como motivo o grau de cumplicidade que temos com determinados objetos e situações. Esse grau de cumplicidade pode ser criado pelo bem estar ou pela vontade de melhorarmos uma dada situação.

Nosso objetivo é nos sentirmos bem ou pela vaidade de dar ao outro uma melhor situação. As vezes nos consideramos “donos” da razão e acabamos tentando impor uma idéia ou sistema a outras pessoas ou seres. Como no caso do homem que tenta sem sucesso ensinar seu pequeno cão a defecar em um jornal. Nem sempre conseguimos alterar o mundo a nossa volta, não podemos esquecer que existem outros que também possuem a vontade de fazer alterações ou de manter certos sistemas. Torna-se portanto uma “queda de braço”, quem pode mais, chora menos.

O ser humano, ao contrário de outros animais, tem como característica as vezes fugir dos seus instintos de preservação e de segurança e procura estar em situações de risco para provar algo. Isso consegue dar resultados inusitados e a história é uma gigantesca fonte de casos onde a procura pelo novo deram “novos” resultados. Não podemos nos esquecer do descobrimento da América ou dos grandes avanços da ciência, muitos criados por acidentes.

O que de um lado pode ser muito bom, de outro lado pode se mostrar uma verdadeira penúria. O quanto é chato uma visita incomoda ou um telefone te pedindo para aderir a um grupo ou a um tipo de pensamento diferente do seu. Como é se sentir violado no seu direito básico de liberdade de pensamento ou de “ir e vir”, se a opinião alheia insiste em te incomodar.

Tal fato encontrou um novo lar, as redes sociais, aonde indivíduos inescrupulosos se valem da distância entre eles e aqueles que recebem e lêem sobre a opinião deles, mensagens feitas para destilar o veneno da maldade. Um quase anonimato com “assinatura”, uma forma de “dar fé” em assuntos burlescos e sem sentido. O caçoar sem escrúpulos e o criticar sem o peso da responsabilidade de ter de arcar com as consequências de suas palavras. Não somos donos da verdade e nem sabemos tudo, mas opinar de forma leviana sem questionar as origens de algum assunto pode causar graves prejuizos a terceiros ou nós mesmos. Outra questão é, nem sempre aquilo que aparenta ser de “boa fé“, realmente seria para auxiliar alguém, pois de “boas intenções o inferno está cheio“.

“A maioria das pessoas não quer realmente a liberdade, pois liberdade envolve responsabilidade, e a maioria das pessoas tem medo de responsabilidade.” Sigmund Freud

A vitória da mediocridade!?

Somos ou não um Homer Simpson da vida

Podemos ver em postagens pela internet e pelas rede sociais, idéias que mais parecem trechos de comédias Stand-up e que começaram a se integrar nas conversas do dia a dia. Pensamentos, pérolas e citações jogadas ao vento que a princípio chegam a ser até inocente mas que começam incomodamente a frutificar. Aquele velho ditado é sempre verdade: quem planta ventos, colhe tempestade.

Uma palavra que está sendo literalmente enterrada é o termo “consequência”, como outros que nem “bom senso” e “educação”(aqui não apenas o objeto de trabalho das instituições de ensino). Quando expomos uma idéia através de um silogismo não basta que tenhamos premissas verdadeiras, a lógica exige um fim, um objetivo para a idéia proposta, ou seja, a premissa não é um fim em si mesma. Isso apenas para iniciar a conversa e outra coisa, existem consequências para tudo que fazemos, não importa o tempo, o local ou a situação e para quem será a consequência, ela inevitavelmente virá.

O nosso objetivo não é dar uma aula de filosofia mas apenas alertar para pequenos pensamentos inconsequentes que podem prejudicar o nosso futuro nesse planeta. Começamos por uma pequena premissa: ninquém em sã consciência e sendo uma pessoa de boa moral e de bons costumes, jamais aceitaria um ato violento, um prejuizo ou algo que ferisse uma criança, uma mulher, um idoso ou um animal. Mas porque temos tantas frases de “não machuquem crianças” ou “cuidem bem de seu animal” e coisas desse tipo, pois quem faz algo assim é criminoso e existem leis para coibirem e até para punirem esses tipos de ações. Contudo não é esse objetivo que se encontram nessas frases, não é feito para as pessoas más, mas são criados para nos doutrinar e nos fazerem acreditar em “maus tratos” em toda a parte e o pior, que somos incopetentes para lidarmos com isso. Eles querem que passemos para o Estado toda a responsabilidade de cuidar de nossos mais indefesos elementos.

Ainda por cima, existem coisas muito mais perigosas por trás disso, como a preparação para uma cultura que aceite a “zoofilia”, como se está sendo feito em órgãos de psicologia com o conceito de “pedofilia”, que se pretende retirar da lista de transtornos mentais. Para os que não conhecem o termo, eis a explicação do dicionário:

Zoofilia, do grego ζωον (zôon, “animal”) e φιλία (filia, “amizade” ou “amor”), é uma parafilia definida pela atração ou envolvimento sexual de humanos com animais. Tais indivíduos são chamados zoófilos. Os termos zoossexual e zoossexualidade descrevem toda a gama de orientação humana/animal.

Cuidar de crianças, idosos e animais é dever de todos, porém não podemos “trocar os pés pelas mãos” e compartilhar tudo o que parece “bonitinho” e feito de “bom coração” se não analisarmos a real intenção por trás de belas palavras, podemos estar colaborando com uma forma de inverter nossos valores. Gosto de meu bichinho de estimação mas amo meu filho e não o contrário e não existe ONG ou entidade que prove o contrário. O seres humanos são criticados pela forma com que cuidam do planeta e dos seres vivos que aqui vivem, contudo temos consciência disso e se alguém pode mudar alguma coisa, somos nós mesmos, porém sem abrirmos mão da nossa posição e de nossos valores.

Existem “ateus” e existem “atoas”, são pessoas inconformadas com a própria existencia que tentam minar a fé dos outros com pensamentos expúrios e mesquinhos que são repetidos por pessoas inocentes e até de boa fé. Como um que eu vi, escrito em um túmulo, antes de lembrar dos mortos, lembre de quem está vivo. Não me dou ao trabalho nem de repetir na sua forma exata, pois é uma amostra daquilo que produz uma mente pequena e egoista. Se não gosta da fé, pelo menos se cale, mas quando abrir a boca, pelo menos pense um pouco, antes de proferir alguma coisa. Se você tem a chance e a oportunidade de estar desfrutando dessa vida, isso não é atoa, existiram muitas e muitas pessoas que passaram por aqui primeiro, pessoas essas que já deixaram essa vida e lutaram, como sempre a humanidade lutou, para deixar algo melhor aos seus descendentes. Na religião temos diversos bons ensinamentos sobre isso, mas para os que não creem, basta estudar a história e principalmente a geopolítica para ver isso e entender.

Ame o seu semelhante, mas honre seus mortos, pois só sabe quem é, aquele que conhece de onde veio!

Para bem entender Maquiavel

Outra pobre vítima das novas idéias é Nicolau Maquiável, existe gente que até questiona a criação de sua maior obra “O príncipe“, que nem deveria ter sido escrito. Oh! Pobre criatura, são inumeraveis os benefícios dessa obra, desde a língua Italiana, para a história e a administração pública. Os historiadores puderam rastrear em suas citações, obras perdidas da Idade Antiga, sua divulgação, ajudou na disseminação do dialeto florentino por toda a Itália e se você não gosta de Maquiavel, lembre-se:

Se não aprender com o Príncipe, seu inimigo aprenderá.

Pela primeira vez, foi sintetizado a arte da manipulação, da Administração Pública e de todas as formas de recursos que os poderosos poderiam dispor para alcançar, manter e expandir seus reinos. Não importa como eles o conseguiram, se por nascimento ou conquista, se através da religião ou nomeados ou eleitos. Todos tem de conhecer o Príncipe e não importa nem um pouco, se a pessoa a quem se destinava a obra, teve um real benefício dela. A humanidade tem hoje, esse benefício.

A Guarda Pretoriana

Maquiavel citava sempre o Império Romano e seus Imperadores, pois aproventando a deixa, vou para um assunto mais moderno. A crise que sofremos com a juventude e a polícia. Um jovem morto por um policial causou forte indignação em sua comunidade e artistas criam uma campanha sobre a tragédia: “por que o senhor atirou em mim?”.

Contudo, basta uma nova visão desse quadro que teremos um novo papel para cada personagem, a vítima aqui não é apenas o rapaz morto, mas o policial também, vítima de um sistema que deliberadamente não o prepara e que o julga se algo dá errado.

Na Roma Antiga, o exército era formado pelas legiões e cada legião tinha funções específicas, mas uma era a mais especial, a Guarda Pretoriana, a guarda pessoal do Imperador. Sua função era ser a única força policial e armada dentro dos muros de Roma, o uniforme deles não era vermelho como os dos outros centuriões (soldados) mas era escuro e tinham privilégios, como os únicos a terem permissão a portar armas e podiam prender sumariamente qualquer pessoa. No início isso foi bastante útil ao Imperador, que confiando em sua guarda pessoal, poderia ordenar a prisão de qualquer inimigo ou opositor e não importava se ele fosse rico ou tivesse um cargo público, como Senador.

Contudo, o ponto mais dificil de se delegar algum poder é, o que a pessoa que recebeu tal dádiva pode realmente fazer com ela e isso que Maquiavel mostra com maestria. A Guarda Pretoriana se percebeu do poder que tinha em suas mãos e começou a prender Imperadores e trocá-los como bem entendiam. A crise política que se seguiu foi profunda e ajudou a desencadear o fim do Império Romano. Voltando ao nosso tempo, os políticos com isso aprenderam que jamais podem delegar poder demais as forças policiais, pois se as mesmas estiverem descontentes e existirem fatos que manchem as suas reputações, quem poderá impedir que sejam eles os alvos dos seus próprios protetores.

Se não preparam a polícia, são obrigados a aparelhar, e se com poucas condições, ainda assim, eles fizerem bem o seu trabalho, será pela força da lei que os amordaçam. Uma democracia tímida e sem respaldo popular teme qualquer grupo que lhe obrige a fazer aquilo que é necessário. No frigir dos ovos, não importa quem atirou ou quem recebeu o tiro, somos todos culpados por manter um sistema que não dá objetivos concretos aos jovens e os mantém em uma ignorância de suas capacidades e ainda divide a sociedade, dizendo quem é inimigo de quem e não permitindo que se façam trabalhos em conjunto em pró a toda a nação.

“Os homens são tão simples que quem quer enganar sempre encontra alguém que se deixa enganar.” Nicolau Maquiavel

Dia do Solteiro faz sucesso na China!

Para competir com o Cyber Monday americano

Criado em 2005, o feriado de 11 do 11 dos chineses foi criado para rivalizar com a entrada de “valores ocidentais” como o feriado de Ação de Graças dos norte-americanos. A data escolhida seria por causa do número 1 (solitário) a procura de seu par. Que desta vez, chegou a dobrar o sucesso que obteve em 2012. As ofertas comerciais desse dia teriam por objetivo que os corações solitários pudessem encontrar um novo amor.

Os números são surpreendentes, começando pelo total de vendas realizadas, mais de 4.297 milhões de Euros, cerca de quatros vezes mais que o Cyber Monday norte-americano do ano passado. O site de vendas da Alibaba, que pertence em parte ao Yahoo (24%) conseguiu mais de dez vezes o número de vendas de um dia qualquer com uma média de 83%. Mais de 402 milhoes de Internautas visitaram os sites, Alibaba, Taobao e Tmall que tiveram como campeões de venda, os smartphones, camisolas e lingeries.

Teve até mesmo uma concessionário de automóveis que chegou a ofertar via internet mais de 13.000 veículos.

O sucesso do site Alibaba também se mostra na Bolsa de Ações, sendo a mais valorizada frente o Facebook, com 142,000 milhões de euros em comparação com os  77,000 milhões de sua estréia no mercado.

Fonte: El País

Internet: mãe ou madrasta “má”

Os ensinamentos implícitos na rede

Se existisse uma materialização antropomórfica (forma humana) da Internet e essa fosse a sua casa oferecer os serviços de babá. Pelo amor de Deus! Esconda as suas crianças, não poderia existir babá pior!

Desculpem pela dramatização inicial mas é isso que realmente vemos no uso da Internet. Independe das belas mensagens, dos pensamentos de pessoas ilustres ou das fotos de gatinhos, a Internet é uma “má” orientadora no quesito “hábitos”. Ou seja, não é aquilo que acessamos que nós dá as maneiras, mas como nós realizamos essas tarefas.

Não é preciso ser Hacker para ser um “cybercriminoso”, o que se dissemina pela rede são as sutilezas de diversos mal hábitos, como as três maiores mentiras:

  • sou maior de dezoito anos;
  • lí e concordo com os termos do contrato;
  • Status: ocupado.

Esses são alguns pequenos exemplos, como também, os códigos para se usar um programa de graça, dar vida infinita a um personagem de jogo, espionar as mensagens do facebook do(a) namorado(a), baixar filmes de graça, copiar trabalhos e certidões de graça e apresentar como seus, etc… etc.. etc… ad infinitum.

Muitas pessoas imaginam que essas ações não geram, muitas vezes, prejuizo para ninguém e são tidas até mesmo como engraçadas. Porém, convenhamos, quando as crianças e os jovens entram em contato com o mundo virtual, que tipo de lições estão recebendo. Quais valores estarão cultivando e que exemplos irão seguir.

Apesar da idéia de muitos, valores não têm propriedade, não possuem nem dono nem “marca”. A ética não é privativa a algum grupo ou o caráter é característica que apenas cobramos nos outros. Recentemente li que “um bom vocabulário” é um valor “burgues”. Isso sim é um preconceito, ou esquecemos que “bom vocabulário” é também quesito para os “operários da língua” como jornalistas e escritores.

Podemos alterar essa imagem

Como o mundo virtual é mais um mundo multimídia, onde imagens, sons e idéias se mesclam, ele fascina mesmo a nós, usuários.  Aprender a “navegar” vicia e contagia, apesar de contrariando Fernando Pessoa, navegar não é tão preciso, quando falamos de sites, chats e e-mails. Um mundo de possibilidades, uma biblioteca que possibilita pesquisar um item em diversos livros ao mesmo tempo. Imaginem o avanço que isso representa para a humanidade, há alguma décadas, isso era apenas um sonho. Isso é que o torna um mundo “perigoso”, pessoas mal intencionadas ou até mesmo, nossa própria curiosidade pode nos armar diversas ciladas. Para que isso não ocorra, o que devemos fazer?

  • nos policiarmos a nós mesmo (sejamos vigias de nosso uso da internet);
  • estabelecer horários para navegar ( se não conseguir isso é porque o negócio é “vicio” mesmo);
  • qual a proporção entre a nossa vida social “real” e “virtual”. Você tem mais amigos no face ou no bar?
  • que tipo de lições repassamos para outras pessoas, burlar regras e “piratear” conteúdos.
  • teria coragem de agir da mesma forma na vida real? Uma auto-avaliação pode fazer bem!
  • quais os exemplos que você dá para os seus filhos? Mostra que nem tudo que se faz no mundo virtual vale para o mundo real?
  • reserva um tempo para atividades positivas, leitura e vídeos que melhorem seu “astral” ou só procura as tragédias?
  • somos o que fazemos ou fazemos o que somos? Nossas atitudes realmente demonstram nossa opinião ou apenas seguimos as tendências da rede?

A ditadura do “politicamente correto”

Como diz o filosofo Olavo de Carvalho, não importa mais a nossa idéia, desde que seja a mesma idéia dos outros. Estamos vivendo uma “ditadura democrática”, onde os outros mandam em nossa mente e censuram nossa palavras. Um mudo de rótulos, que para poder ser contra ou a favor, você deve seguir algum quesito mínimo. Se é “contra o aborto” você precisa ser católico e cristão, se fala de disciplina, é reacionário, se gosta de mulher, é ‘tarado’. Um mundo de exageros e idéias “pré-concebidas”, não existe a tolerância, o questionamento, a busca de razões do outro, apenas o seu próprio ponto de vista, mesquinho e egoista.

Pessoas são “crucificadas” nas redes sociais apenas por causa de suspeitas de vizinhos e os casos acabam na justiça! Como isso pode? Não somos todos falíveis, ou como disse o Papa Francisco, “somos todos pecadores!” Antes de julgar qualquer um, devemos analisar as nossas próprias atitudes. O que fariamos se estivéssemos no lugar dele? Aonde foi para a empatia e a condescendência?

Gostar dos outros e das opiniões alheias não é uma obrigação, mas respeitar é. Principalmente para os grupos que só gostam de exigir, mas não aceitam nenhuma contrariedade.

Existe um tempo e uma medida para tudo

Dos “crimes” cometidos pela Internet, esse é o pior, o exagero, até mesmo a água em demasia, afoga! As coisas feitas de forma extravagantes ou fora do tempo não são saudáveis, beber em excesso causa cirrose, comer em demasia, ou causa “dor de barriga” ou uma “obesidade móbida”.

Para podermos criticar, temos de conhecer; para podermos falar, precisamos primeiro ouvir! Assistimos tudo invertido, os jovens aprendem cedo a exercer a criatividade mas sem conteúdo, os resultados das provas do ENEM são gritantes. Muitos pensam até que são feitos apenas por mera  gozação! Que preparação esses jovens estão tendo?

Amar é bom, carinho é bom! Mas, como disse, tudo tem limite, confunde-se tudo, confudem amizade com sexualidade e sexualidade com promiscuidade! Pronto, já tem manifestante de boca aberta para gritar alguma frase em pró a “liberdade”, que “liberdade”! Como dizia minha mãe: entre quatro paredes, pode tudo! Mas não é isso que eles querem, não! Eles querem agredir, incomodar, desestabilizar o sistema!

O valores não pertencem a uma classe social ou um grupo, a amizade é algo tão valioso para vender tão barato, estimem aquilo que possuem, você não escolhe a família em que foi criado, não escolhe o amor da sua vida mas os seus amigos, você pode escolher!

Caros colegas, “projetos” de “revolucionários”, o sistema é formado por todos, por mim, por vocês, aquilo que vocês estão derrubando não é a casa do vizinho, não! É a sua própria casa que está caindo, que futuro querem criar para vocês mesmos. Uma analogia bem boba, a sociedade é um sistema dinâmico, ou seja, precisa da atuação de todos para continuar em frente, isso é, parece com uma criança andando de bicicleta, se ela parar de pedalar, acaba caindo!

O valor daquilo que adquirimos

Por mais que não gostemos do sistema, que critiquemos o Capitalismo Selvagem e as suas consequências na Sociedade Moderna, ele é imprescendível para o nosso modo de vida. Trabalhar e obter um ganho monetário é condição “sine qua non” ( necessária ) para sobrevivermos, ou seja, adquirir bens e serviços, desde os mais básicos até os mais supérfluos. Todos sabem disso, mas no momento em que navegam pela Internet, os ícones coloridos se tornam figuras sedutoras que nos induzem a querermos o contrário.

Por mais interessante e vantajoso que seja adquirir um bem ou serviço por um pequeno valor ou quase zero, devemos nos lembrar de certas leis ou regras. Nada pode ser tão bom se for oferecido de graça, ou seja, como diziam os antigos: “esmola demais, o Santo desconfia…

Nesse caso, não podemos exigir muito daquilo que nos é oferecido por tão pouco, pois pode haver alguma outra razão por trás. A primeira regra nesses casos é desconfiar de tudo.

A desconfiança como regra de sobrevivência

Antigamente, os homens temiam aquilo que não enxergavam ou aquilo que não conheciam, no caso da Internet, os perigos estão bem visíveis, na verdade são coloridos e em alguns casos, piscam, dançam e nos convidam a entramos em sua boca e descermos garganta abaixo.

Temos de nos policiar, pois as facilidades estão na nossa frente, não adianta falar que isso não é certo ou aquilo não é lícito se acabamos sempre entrando em mais uma “pirâmide” para ficarmos milionários ou acreditamos nas mais absurdas fofocas. A lição de vida do Facebook é “somos livres para curtir e compartilhar aquilo que gostamos e aquilo com que concordamos mas não somos obrigados a concordar com tudo.

Nesse caso, devemos obrigação apenas com a nossa consciência e os nossos próprios valores, não adianta concordar com os outros só para fazer bonito ou ser “politicamente correto“. Que age assim é demagogo, não pode ser de confiança pois sempre mudará de opinião. A verdade é sempre coerente e não muda de cor, de lado ou de sabor, apenas porque o personagem é outro. Para cada direito reinvidicado existe um dever a ser cumprido, a cada vantagem adquirida, existe algo que devemos abrir mão.

São inicialmente regras de vida, mas com cuidado e boa vontade, podem servir de baliza para podermos navegar pela rede com segurança e para podermos realmente retirar algo produtivo dessa jornada! Boa Sorte!

“Na internet todos são filósofos, poetas, inteligentes…
Na internet todos são belos, felizes, muito ocupados e bem sucedidos.
Sei não… Acho que eu vou me mudar pra lá.” Christian V. Louis

  • Calendário

    agosto 2017
    S T Q Q S S D
    « nov    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031  
  • Ich bin