A sustentabilidade e o crime

Como uma demanda artificial pode ser criada

A Sustentabilidade de uma empresa, pode ser definida como “a forma de criar, manter ou incrementar uma “necessidade” pelos produtos ou serviços oferecidos por essa empresa”, mas isso pode ser feito pelo governo no momento em que estabelece que certos produtos ou serviços são ilegais em seu território e criando uma dificuldade para que as pessoas possam obter tais produtos e serviços. Como diziam nossos avós, “quando algo é proibido é mais gostoso.”

Historicamente falando, existem diversos casos que mostram essa situação como o famoso gangster norte-americano, Al Capone que enriqueceu devido a “lei seca”, proibição nos Estados Unidos da fabricação e da venda de bebidas alcóolicas, fato esse que incrementou tanto a procura como o preço de tais bebidas, o que tornou um mercado altamente lucrativo e muito disputado. A ironia dessa história é que Al Capone foi preso pela sonegação de impostos e não pelos assassinatos, a corrupção ou por causa das bebidas. As empresas de fachada que ele utilizava para “lavar” o dinheiro das vendas ilegais eram corretamente contabilizadas, mas ninguém se preocupou com a declaração do Imposto de Renda do montante repassado a Al Capone, o que acabou sendo o motivo de sua prisão.

A música e a máfia

Outro caso famoso, foi a suposta ligação entre Francis Albert Sinatra, o famoso cantor Frank Sinatra e a máfia italiana. Declarações que o cantor teria gravado diversos albuns apenas para que empresas de fachada pudessem “lavar dinheiro” ao adquirir diversos lotes de seus discos foi amplamente divulgado. As supostas ligações seriam devido a origem italiana do cantor e por ele e seus amigos, como Dean Martin e Sammy Davis Jr não serem considerados um exemplo de bons meninos e tivessem se metido em muitas encrencas, que no caso dos Velhos Olhos Azuis (Frank Sinatra) eram as mulheres.

O combate ao narcotráfico

Desde que a máfia descobriu as “drogas”, como um rentável comércio ilegal, as autoridades fiscais e policiais de diversos países tendem a coibí-la, contudo, o resultado de tais ações, normalmente é a manutenção de uma valorização no preço do produto a ser adquirido pelo seus “usuários”. As atividades da polícia do Rio de Janeiro são um ululante exemplo disso, quando começaram a “pacificar” bairros na capital fluminense, chamadas ironicamente de comunidades, provaram que: sabiam a localização dos traficantes, conheciam a sua atuação nas chamadas comunidades e com que o grau de “cumplicidade” isso era feito na frente dos cidadãos comuns.

Não se pode considerar “ignorância” nas atuações anteriores e que as mercadorias apreendidas apenas eram uma amostra do total a ser disponibilizado nessas comunidades e que o resultado dessas atuações era apenas um aumento do preço da “droga” comercializada.

A Pirataria no Brasil de hoje

Desde as últimas décadas, existe no Brasil um incrível mercado para produtos pirateados, ou seja, produtos industrializados que não pagam impostos ao entrarem em nosso país e são cópias de produtos originais que pagam. As principais discussões na mídia nacional são a respeito do prejuizo que os autores de obras copiados estariam tendo, mas e o outro lado dessa moeda.

Um exemplo disso é a indústria dos CDs e DVDs, enquanto fazem inúmeros cálculos a respeito do que os autores, cantores produtores de filmes e estúdios de gravação perdem com a reprodução de mídias piratas e os brasileiros que perdem nisso? Quem faz os cálculos por eles?

Empresas multinacionais constroem indústrias para produzirem CDs e DVDs nos países do leste da Ásia, os chamados “tigres asiáticos”. Com subsídios de impostos mais a mão de obra local barata, produzem milhões de cópias. Estas cópias são adquiridas por grandes importadores em países como o Paraguay. Posteriormente, serão distribuidos para grandes redes de lojas que irão vender para pequenos interessados. No caso que estudamos, brasileiros que pretendem fazer cópias de filmes e músicas.

O objetivo dessas cópias é serem vendidas em pequenos “camelôs” em todo o nosso território, contudo após entrar através de nossa fronteira como mercadoria destina a um fim ilícito, ela será confiscada e destruida, caso seja descoberto no meio utilizado para esse transporte ou em algum lugar destinado ao seu armazenamento provisório.

O resumo dessa história é, a mercadoria que acaba sendo inutilizada cria uma demanda artificial, pois os brasileiros que perderam as mercadorias, precisam repor seu estoque e são os únicos com prejuizo. Os lojistas no Paraguay, receberam pela mercadoria e vão adquirir mais delas; os grandes distribuidores receberam por toda mercadoria vendida e vão pedir mais mercadoria e as multinacionais que fabricam as mídias nos “tigres asiáticos” receberam pelo que produziram e vão produzir mais.

Ou seja, a ação das autoridades brasileiras não repõe o prejuizo dos autores, cantores, grandes estúdios e gravadoras mas apenas cria uma forma da mercadoria ser “consumida” sem chegar aos consumidores e pior ainda, uma maneira de valores nacionais serem mandados ao exterior sem nada agregar ao nosso país, a evasão de divisas, como sempre, não beneficia ninguém, a não ser os estrangeiros.

“Pode-se enganar a todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; mas não se pode enganar a todos todo o tempo.” Abraham Lincoln

A evolução do consumismo

Uma geração que cresceu junto do consumo

Todo mundo queria um Atari.

Todo mundo queria um Atari.

Aqueles que tiveram a infância nos anos 70, pode se lembrar de como alguns produtos eram difíceis naquele tempo. A rádio Energia 97 FM de São Paulo tem um programa matutino bastante interessante que está realizando uma campanha aonde o locutor pergunta aos ouvintes que ligam para a rádio, “O que você pediu para o Papai Noel?”.

Os ouvintes de meia-idade tem mostrado bem como eram os anos 70, o início da entrada no Brasil de brinquedos à pilha e a diferença de preços que existia entre os produtos que eram considerados lançamentos naquela época e hoje. Muitos pediram, como por exemplo, um Atari mas não ganharam devido ao alto custo para a época deste antigo vídeo-game.

Crescemos maravilhados com as novas possibilidades que chegavam, os novos conceitos e usos da tecnologia, os primeiros computadores, eu mesmo tive um CP 200, celulares e vídeo-games, o mundo virtual se apresentando como a “Terra das Maravilhas” e se entrássemos, não tínhamos ingressos para todos os “brinquedos”.

Foi nesse momento que o vírus do “consumismo” nos pegou, criou em nós uma espécie de “energia potencial”, uma reserva de nossa vontade para aquilo que queríamos mas não tínhamos e isto nos imputou uma ideia, simples e anestésica para a nossa afável frustração, “se eu não tenho pelo menos meu filho terá”.

Gerações criadas para consumir

Crescemos, casamos e tivemos filhos, paralelamente realizávamos um consumismo de forma moderada, aguardando o momento de apresentar nossos pimpolhos a esse mundo paralelo, essa “Terra das Maravilhas” da tecnologia e do consumo e o resultado não temos como medir. Uma vez infectado pelo “consumismo” é difícil de prever aonde vai terminar. Os produtos, como carrinhos a pilha, tão caros e elitizados se tornam mercadoria de feira, barraquinha de esquina. Fabricados em países asiáticos nos chegam sem qualquer pudor, isentos de impostos e de qualidade, proliferam mais do que coelhos e ratos.

Os especialistas alertam sobre os problemas do consumo exacerbado e o mergulho no mundo virtual, notícias como “smartphones” causam problemas mentais e o uso da internet deixa o cérebro preguiçoso e diminui a nossa atenção são constantes. Os materiais com que esses produtos modernos são feitos podem aumentar a poluição do meio-ambiente e ainda serem tóxicos para os usuários.

Mas é daí, a lei é consumir mais e o quanto mais rápido, melhor. Não existe i-pad no céu e ninguém quer arriscar perder a chance agora. Quem garante que os Maias estão certos e o mundo acabará em 21 de dezembro???

Poderes do consumismo
“Vivemos na era de produtos personalizados para figuras despersonalizadas. Massas!
Uma questão de auto-conhecimento?!”

Du Amaral

O mundo moderno versus Roma Antiga

O mundo muda, os problemas continuamImpério Romano

As pessoas conhecem o mundo desde o momento que nascem e montam um cenário de história real até no máximo duas gerações anteriores, o testemunho de seus pais e avós serve como uma baliza de como era antes e o resto ele lê de livros e filmes de história. A impressão dessa pequena visão é o mundo muda e se moderniza sempre. Atitudes que escandalizam hoje, são notáveis e inéditas, mas não é assim, situações se repetem e repetem e o ser humano cai nos mesmos erros.

O maior império já visto na história humana, o Império Romano, a primeira vista, muito diferente do mundo atual mas não tanto assim, podemos encontrar muitas semelhanças, querem ver?

Globalização à antiga

“Quando em Roma, faça como os romanos”, a capital do império ditava as modas e tendências usadas em todas as províncias e servia como centro de distribuição de bens produzidos em cada canto do império, um britânico poderia tomar um vinho produzido na França num copo vindo da Grécia, vestindo roupas vindas do Egito. A uniformidade alcançada pelo Império Romano lhe deu o fôlego necessário para durar tanto tempo.

Necessidades atuais

Como nos dias de hoje, os Romanos necessitavam de moradia, estrutura sanitária e lazer. As chegadas de um grande número de estrangeiros fez com que houvesse um déficit habitacional e as moradias improvisadas careciam de uma estrutura de água e esgoto. Ou seja, nada semelhante com os dias de hoje, os romanos se orgulhavam de sua engenharia como os aquedutos, sistemas de abastecimento de água que usavam a queda natural e vinham de montanhas próximas as cidades.

O lazer era muito importante, enquanto os ricos iam para as termas, fazer negócios e maquinar esquemas contra Cesar, os pobres se reuniam nas arenas do grande Coliseu, onde assistiam aos espetáculos com gladiadores e ganhavam pão. A velha política do “panes et circus” que nada se assemelha aos nosso sistemas de previdência e amparo ao cidadão.

A economia como base

A integração de tantos povos diferentes baseados em uma única estrutura de comando só foi possível com o advento do sistema monetário. Os antigos sistemas de troca eram ainda feitos de forma local, mas para o centro do Império era preciso usar moedas.

Com o tempo, o centro do Império começou a se especializar em oferecer serviços, muito mais que produzir, fato este que fez crescer a importância de suas províncias. A concorrência também se tornou acirrada, a mão de obra escrava diminuía o custo em algumas províncias contra a produção artesanal em outras.

A crise social

A República Romana e o Império foram forjados sobre um sistema patriarcal rígido, mas que dava muita liberdade e deveres as mulheres, elas eram responsáveis pela educação dos filhos, ou seja, eram letradas, podiam se divorciar e abrir pequenos negócios e sabiam gerir a própria renda e a de sua casa.  A própria palavra Economia, vem do grego οικονομία (de οἶκος , translit. oikos, ‘casa’ + νόμος , translit. nomos, ‘costume ou lei’, ou também ‘gerir, administrar’: daí “regras da casa” ou “administração doméstica”. Essa administração doméstica foi responsável pelo sucesso e ascensão do império, pois os maridos delas, muitos eram legionários e acabavam se ausentando muito de Roma.

A crise se iniciou com a chegada dos costumes estrangeiros, novos sistemas e novas religiões, o que afastou os romanos de suas origens e de seus sistemas. Atualmente, as crises nos valores tem tido exatamente o mesmo efeito em nossa sociedade. Crise na produção, concorrências desleais de países com mão de obra barata, problemas urbanos, crise habitacional e falta de saneamento básico. O governo tenta “tapar o sol com a peneira”, com programas sociais e distribuição de “benefícios”. As atividades rentáveis são estagnadas com impostos e o governo “corrupto” vive de mordomias.

Tal lá, tal cá. Nada ocorre por acaso, não importa o nome diferente que se dá, naquela época a língua internacional era o latim, hoje é o inglês. As grandes potências possuem fatores em comum, como a produção de armas e monopólios comerciais.

No momento que, a sociedade se conscientizar disso, pelo menos, teremos uma chance de não acabarmos como o Império Romano, em outra Idade Média.

“A história é uma galeria de quadros onde há poucos originais e muitas cópias.” 
(Alexis de Tocqueville)

Ironias da Vida

A Modernidade irá nos matar?

Parece ser estranho dizer isso, mas o fim da humanidade pode ser algo mais sutil do chuva de fogo ou uma inundação do tipo da que ocorreu no Dilúvio. Nosso próprio bem estar e nosso sistema de vida podem esconder milhares de armadilhas que seriam responsáveis pelo nosso extermínio.

Computadores pensantes a parte, o Exterminador do Futuro ainda não é uma hipótese, pois aquilo que guardamos na internet e o uso de nosso computadores está mais para armazenagem e uso humano do que para “sistemas auto decididos” que possam se tornar conscientes e acabarem por tomar o poder desse planeta. O que temos de verdade é, um modo de vida displicente, no qual, não procuramos e nem temos consciência dos perigos modernos.

Celulares, Smartphones e Afins

Estes aparelhos que utilizamos próximos ao rosto podem ser responsáveis pela emissão de vários tipos de radiações que os órgãos responsáveis ainda não sabem definir qual o nível de periculosidade dos mesmos e se o uso constante pode causar um efeito acumulativo.

Esta semana, órgãos americanos informaram sobre a poluição desses aparelhos, como os metais pesados que causam intoxicação e que ainda não existe formas corretas de descarte para esse aparelho. Ou seja, podem nos contaminar tanto pelo uso ou indiretamente pelo meio ambiente, proveniente do acumulo desses aparelhos em lixões.

Cigarros e outras drogas

Apesar de se dizer que a nicotina e o alcatrão estão controlados, existem diversos outros elementos no cigarro que não são controlados e que causam tanto mal ou um mal maior ainda do que aqueles controlados. O mesmo vale para as bebidas que recentemente tiveram uma normalização quanto a fabricação devido a registros de contaminação por metais pesados.

Imaginem então, outras drogas que estariam em vias de se legalizar como a Maconha. Todos os anos de estudo que nos cigarros ainda não tiveram uma conclusão, teriam que ser feitos com cada uma delas. E na forma que funciona as leis, muitos usuários se tornaram “ratos de laboratório” nessa experiência “ético-química”.

O paradigma da vida moderna é, muitos pedem direitos, mas nem sempre esses direitos são “saudáveis”, ou seja, temos o direito de consumir produtos confortáveis mas que tragam riscos a nossa saúde ou damos ao Estado a tarefa de arbitrar entre esses produtos e fazer uma escolha que seja melhor para a coletividade?

A lei do Fumar em locais públicos existe porque o cigarro produz fumaça e essa é sentida por quem não fuma e no caso dos celulares que ninguém percebe ou vê a radiação ou os outros tipos de contaminação. No final, o sal será proibido porque faz mal a quem tem hipertensão?

Somo escravos da lei ou teremos a chance de dar uma melhor opinião, ou seja, aquela que não traga vantagens apenas para grandes multinacionais.

  • Calendário

    junho 2017
    S T Q Q S S D
    « nov    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    2627282930  
  • Ich bin