A vitória da mediocridade!?

Somos ou não um Homer Simpson da vida

Podemos ver em postagens pela internet e pelas rede sociais, idéias que mais parecem trechos de comédias Stand-up e que começaram a se integrar nas conversas do dia a dia. Pensamentos, pérolas e citações jogadas ao vento que a princípio chegam a ser até inocente mas que começam incomodamente a frutificar. Aquele velho ditado é sempre verdade: quem planta ventos, colhe tempestade.

Uma palavra que está sendo literalmente enterrada é o termo “consequência”, como outros que nem “bom senso” e “educação”(aqui não apenas o objeto de trabalho das instituições de ensino). Quando expomos uma idéia através de um silogismo não basta que tenhamos premissas verdadeiras, a lógica exige um fim, um objetivo para a idéia proposta, ou seja, a premissa não é um fim em si mesma. Isso apenas para iniciar a conversa e outra coisa, existem consequências para tudo que fazemos, não importa o tempo, o local ou a situação e para quem será a consequência, ela inevitavelmente virá.

O nosso objetivo não é dar uma aula de filosofia mas apenas alertar para pequenos pensamentos inconsequentes que podem prejudicar o nosso futuro nesse planeta. Começamos por uma pequena premissa: ninquém em sã consciência e sendo uma pessoa de boa moral e de bons costumes, jamais aceitaria um ato violento, um prejuizo ou algo que ferisse uma criança, uma mulher, um idoso ou um animal. Mas porque temos tantas frases de “não machuquem crianças” ou “cuidem bem de seu animal” e coisas desse tipo, pois quem faz algo assim é criminoso e existem leis para coibirem e até para punirem esses tipos de ações. Contudo não é esse objetivo que se encontram nessas frases, não é feito para as pessoas más, mas são criados para nos doutrinar e nos fazerem acreditar em “maus tratos” em toda a parte e o pior, que somos incopetentes para lidarmos com isso. Eles querem que passemos para o Estado toda a responsabilidade de cuidar de nossos mais indefesos elementos.

Ainda por cima, existem coisas muito mais perigosas por trás disso, como a preparação para uma cultura que aceite a “zoofilia”, como se está sendo feito em órgãos de psicologia com o conceito de “pedofilia”, que se pretende retirar da lista de transtornos mentais. Para os que não conhecem o termo, eis a explicação do dicionário:

Zoofilia, do grego ζωον (zôon, “animal”) e φιλία (filia, “amizade” ou “amor”), é uma parafilia definida pela atração ou envolvimento sexual de humanos com animais. Tais indivíduos são chamados zoófilos. Os termos zoossexual e zoossexualidade descrevem toda a gama de orientação humana/animal.

Cuidar de crianças, idosos e animais é dever de todos, porém não podemos “trocar os pés pelas mãos” e compartilhar tudo o que parece “bonitinho” e feito de “bom coração” se não analisarmos a real intenção por trás de belas palavras, podemos estar colaborando com uma forma de inverter nossos valores. Gosto de meu bichinho de estimação mas amo meu filho e não o contrário e não existe ONG ou entidade que prove o contrário. O seres humanos são criticados pela forma com que cuidam do planeta e dos seres vivos que aqui vivem, contudo temos consciência disso e se alguém pode mudar alguma coisa, somos nós mesmos, porém sem abrirmos mão da nossa posição e de nossos valores.

Existem “ateus” e existem “atoas”, são pessoas inconformadas com a própria existencia que tentam minar a fé dos outros com pensamentos expúrios e mesquinhos que são repetidos por pessoas inocentes e até de boa fé. Como um que eu vi, escrito em um túmulo, antes de lembrar dos mortos, lembre de quem está vivo. Não me dou ao trabalho nem de repetir na sua forma exata, pois é uma amostra daquilo que produz uma mente pequena e egoista. Se não gosta da fé, pelo menos se cale, mas quando abrir a boca, pelo menos pense um pouco, antes de proferir alguma coisa. Se você tem a chance e a oportunidade de estar desfrutando dessa vida, isso não é atoa, existiram muitas e muitas pessoas que passaram por aqui primeiro, pessoas essas que já deixaram essa vida e lutaram, como sempre a humanidade lutou, para deixar algo melhor aos seus descendentes. Na religião temos diversos bons ensinamentos sobre isso, mas para os que não creem, basta estudar a história e principalmente a geopolítica para ver isso e entender.

Ame o seu semelhante, mas honre seus mortos, pois só sabe quem é, aquele que conhece de onde veio!

Para bem entender Maquiavel

Outra pobre vítima das novas idéias é Nicolau Maquiável, existe gente que até questiona a criação de sua maior obra “O príncipe“, que nem deveria ter sido escrito. Oh! Pobre criatura, são inumeraveis os benefícios dessa obra, desde a língua Italiana, para a história e a administração pública. Os historiadores puderam rastrear em suas citações, obras perdidas da Idade Antiga, sua divulgação, ajudou na disseminação do dialeto florentino por toda a Itália e se você não gosta de Maquiavel, lembre-se:

Se não aprender com o Príncipe, seu inimigo aprenderá.

Pela primeira vez, foi sintetizado a arte da manipulação, da Administração Pública e de todas as formas de recursos que os poderosos poderiam dispor para alcançar, manter e expandir seus reinos. Não importa como eles o conseguiram, se por nascimento ou conquista, se através da religião ou nomeados ou eleitos. Todos tem de conhecer o Príncipe e não importa nem um pouco, se a pessoa a quem se destinava a obra, teve um real benefício dela. A humanidade tem hoje, esse benefício.

A Guarda Pretoriana

Maquiavel citava sempre o Império Romano e seus Imperadores, pois aproventando a deixa, vou para um assunto mais moderno. A crise que sofremos com a juventude e a polícia. Um jovem morto por um policial causou forte indignação em sua comunidade e artistas criam uma campanha sobre a tragédia: “por que o senhor atirou em mim?”.

Contudo, basta uma nova visão desse quadro que teremos um novo papel para cada personagem, a vítima aqui não é apenas o rapaz morto, mas o policial também, vítima de um sistema que deliberadamente não o prepara e que o julga se algo dá errado.

Na Roma Antiga, o exército era formado pelas legiões e cada legião tinha funções específicas, mas uma era a mais especial, a Guarda Pretoriana, a guarda pessoal do Imperador. Sua função era ser a única força policial e armada dentro dos muros de Roma, o uniforme deles não era vermelho como os dos outros centuriões (soldados) mas era escuro e tinham privilégios, como os únicos a terem permissão a portar armas e podiam prender sumariamente qualquer pessoa. No início isso foi bastante útil ao Imperador, que confiando em sua guarda pessoal, poderia ordenar a prisão de qualquer inimigo ou opositor e não importava se ele fosse rico ou tivesse um cargo público, como Senador.

Contudo, o ponto mais dificil de se delegar algum poder é, o que a pessoa que recebeu tal dádiva pode realmente fazer com ela e isso que Maquiavel mostra com maestria. A Guarda Pretoriana se percebeu do poder que tinha em suas mãos e começou a prender Imperadores e trocá-los como bem entendiam. A crise política que se seguiu foi profunda e ajudou a desencadear o fim do Império Romano. Voltando ao nosso tempo, os políticos com isso aprenderam que jamais podem delegar poder demais as forças policiais, pois se as mesmas estiverem descontentes e existirem fatos que manchem as suas reputações, quem poderá impedir que sejam eles os alvos dos seus próprios protetores.

Se não preparam a polícia, são obrigados a aparelhar, e se com poucas condições, ainda assim, eles fizerem bem o seu trabalho, será pela força da lei que os amordaçam. Uma democracia tímida e sem respaldo popular teme qualquer grupo que lhe obrige a fazer aquilo que é necessário. No frigir dos ovos, não importa quem atirou ou quem recebeu o tiro, somos todos culpados por manter um sistema que não dá objetivos concretos aos jovens e os mantém em uma ignorância de suas capacidades e ainda divide a sociedade, dizendo quem é inimigo de quem e não permitindo que se façam trabalhos em conjunto em pró a toda a nação.

“Os homens são tão simples que quem quer enganar sempre encontra alguém que se deixa enganar.” Nicolau Maquiavel

Anúncios

Pelo “bom” Português

Um estudo do Preconceito Linguístico

Estou lendo ultimamente diversos textos sobre o famoso “preconceito linguístico”, o que inicialmente levanta diversas suspeitas. A primeira seria a forma com que os textos são escritos, todos eles respeitando as norma cultas da língua, o que sugere um contra-senso, pois defendem um uso diferente, os “neologismos” e os “regionalismos”, mas eles próprios não fazem uso disso.

No caso de se expressar pela forma que defendem não permitiria que os outros, ou seja, a grande maioria, entendesse suas palavras. Outra coisa, se esforçam em distinguir quem fala por “regionalismos” de quem fala através da norma culta; ou eu sou um extraterrestre ou eu sei falar das duas maneiras, o fato de ter aprendido a forma culta na Escola, não apagou meus traços nativos, como eles insistem em expor.

Fatos incontornáveis

O uso de expressões de impacto não melhoram um texto, apenas o faz parecer um “discurso político”, nesse caso, tendencioso e cheio de demagogias. Mostra apenas para que serve, propaganda ideológica.

Não adianta “colocar a carroça na frente dos bois”, a lógica é feita por premissas e nesse caso, conhecidas. Quando dizemos que quem se utiliza de uma linguagem “regionalista” tem dificuldade em abstrair não podemos generalizar. Apenas por uma questão de “comodismo” a expressão é usada dessa forma. Nem todos, que falam através de “regionalismo” conhecem a forma culta e o inverso também é verdadeiro e isso significa que podemos abstrair usando outras formas além da culta mas para isso, devemos ao menos ter o conhecimento (know-how) para fazé-lo de forma apropriada.

Um exemplo de “regionalismo” com abstração é a obra “Grande Sertões: Veredas” de Guimarães Rosa, o autor usa um clima psicológico bastante tenso sobre o personagem principal, apesar de usar e abusar dos “regionalismos” e dos “neologismos” mas nem todos possuem o conhecimento da língua para realizar tal tarefa.

Outro ponto bastante discutido é sobre as línguas primitivas e suas deficiências, nesse caso, peço que leiam “A visão dos vencidos”, de Miguel León-Portilla, nesta obra o autor narra a conquista da América sobre o ponto de vista dos conquistados, nesse caso, os Astecas que falavam o Nahuatl, idioma esse não tão primitivo quanto o de outras tribos ameríndias como os nossos índios, apesar disso, mostra bem as dificuldades deles de expor em palavras o que significou o terror de serem conquistados pelo “homem branco”. As situações eram retratadas de forma mística e cheias de superstições, como os espanhois que foram confundidos com deuses que vinham para os ajudar e depois os mataram, roubaram e escravizaram.

Quanto ao domínio da linguagem e em qual idade isso se faz, disseram até que com 4 anos já existe esse domínio, pediria então que dessem uma olhada nas obras de Piaget e Vigotski, autores que trabalharam com a evolução cognitiva das crianças e podem esclarecer tais duvidas. No caso é bom ressaltar as diferenças entre a linguagem falada e escrita, como aponta Vigotski:

“A escrita é uma função específica de linguagem, que difere da fala não menos como a linguagem interior difere da linguagem exterior pela estrutura e pelo modo de funcionamento a qual requer pra seu transcurso pelo menos um desenvolvimento mínimo de um alto grau de abstração, não usa palavras, mas sim representação das palavras pela linguagem de pensamento e isto se constitui em uma de suas maiores dificuldades,”

O real conhecimento da língua somente se dá com a apresentação dos métodos de aprendizado e da devida condução de um professor, como ele demonstra abaixo:

“É no fluir do aspecto processual, do metodológico, que as negociações ativas de significados encontrarão espaço para o desenvolvimento das especializações funcionais mediadas pelas ferramentas culturais.”

Ou seja, falar por falar, ainda não pode ser considerado como uma grande atividade cognitiva, é apenas uma imitação, uma forma encontrada pelo método de eliminação, certo ou errado. A criança ouve e imita, ser der certo, imita de novo. Tais métodos podem ser eficientes para um nariz escorrendo, um bumbum sujo ou quando se está com fome, mas para imaginar uma “Teoria da Relatividade” está muito longe.

Digno de nota, o fato da criança enquanto no ventre da mãe aprender o “sotaque” por causa da pronuncia dela mostra que o “regionalismo” será mantido. Dessa forma, independe das interações futuras e da eduacação que receberá. Isso já é provado cientificamente.

As redundâncias

Um trecho que me chamou a atenção sobre Preconceito linguístico é o que fala sobre “línguas primitivas” de Sírio Possenti, aqui reproduzimos apenas uma pequena parte:

“…o mesmo dialeto que é considerado errado ou precário por eliminar redundâncias também é considerado errado ou precário quando introduz redundâncias como ‘sair para fora’ ou ‘entrar para dentro’, ‘subir para cima’ e ‘descer para baixo’; são, de novo, construções análogas às do inglês, que ninguém estranha ou critica; …”

Nessas circunstâncias teriamos apenas que analisar se o idioma propõe soluções para a redundância, ou seja, se existem “ferramentas linguísticas” para substituir o termo em questão. No caso de português, merece apanhar com um “dicionário” quem usa redundâncias sabendo que a língua é tão rica em figuras de linguagens.

Outros idiomas menores

No caso do inglês que é considerado um idioma com ausência de flexões, um vocabulário menor e não tantos recursos linguísticos, não se preocupem! Embora o pinto não mame, se cria com farelo!  Ou seja, para tudo existe solução, basta lembrar que nas faculdades (High School) de países de língua inglesa nas materias mais avançadas são utilizados outros idiomas para suprir essas “carências” como o Latim e o Grego.

Eu fico com Fernando Pessoa, nosso poeta maior, “quero ser e estar!” o verbo “to be” não me satisfaz, a não ser que fosse “Hamlet”…

Se querem conhecer um idioma com situação semelhante a do Português, basta conhecer a atual situação do Árabe, idioma esse falado em diversos países na África e na Ásia, com culturas e religiões bastante distintas e consequentemente formas diferentes de se pronunciar e de se usar o idioma. Mesmo assim, existe um consenso que a língua escrita, livros, revistas e jornais são escritos pelo idioma oficial.  Na televisão existem algumas variantes mas os jornais televisivos são baseados no “Árabe Moderno” que constitui esse idioma oficial, o mesmo é também ensinado nas escolas (madrassa) e Universidades. O interessante aqui é que as variantes e dialétos não costumam se escrever, apenas falar (vernáculo) apesar de tantos conflitos, ficou convencionado que a escrita se faz pela língua oficial. Analogicamente seria como se o Chico Bento fosse escrever uma carta e para isso usasse o padrão culto do português, em vez do seu “linguajar” conhecido.

Diversos outros idiomas possuem  situações semelhantes ou até piores, como o Italiano com nove dialetos oficiais ou o Espanhol. Dentro da Espanha existem o Catalão (Catalunha) e o Euskara (país Basco), os quais lutam para serem reconhecidos e fazem parte da luta pela Independência dessas duas importantes regiões,  que hoje já estão autônomas. Utilizei a expressão “piores” devido ao tamanho dos países em questão: a Itália é um pouco maior que o Rio Grande do Sul e a Espanha caberia tranquilamente dentro da Bahia, por isso afirmo que os nosso “regionalismos” são até bem definidos e poucos se levarmos em conta a nossa grande extensão territorial.

O Brasil hoje

Um aviso, o Brasil hoje não é nem semelhante ao panorama da Rússia no ínício do século XX, antes da revolução, no qual havia uma elite Burguesa e Aristocrática que costuma falar francês apenas para se distinguir do resto da população. No Brasil, a elite fala um português tão ruim tanto quanto o resto da população, se torna um pedantismo querer cobrar dos outros aquilo que você mesmo não faz. Basta verificar as “redes sociais” e as colunas de “fofocas” para se deparar com as “pérolas” utilizadas pelos nossos governantes, artistas, atletas e empresários.

Não cabe aqui se falar em “preconceito linguístico” apenas para induzir uma luta de classes, um modo perverso de difundir teorias marxistas e ideologia barata. Os ojetivos de ideias como abolir os “erros de português” e de que o padrão da língua é feito através de uma “imposição” é apenas o de criar um exército de “analfabetos funcionais”, como foi divulgado recentemente através de pesquisas que mostram o aumento do analfabetismo no Brasil. Pessoas fáceis de se conduzir e que trocam votos pelo paternalismo governamental.

Qual a finalidade do Padrão Culto da Língua

O Padrão Culto da Língua é um eixo central que faz a ligação de todos os outros padrões, independente da localização e do tempo, ou seja é uma importante ferramenta geopolítica e histórica. As pessoas se conectam mais facilmente ao terem esse conhecimento e aquilo que é produzido, não importa a área, pode ser democraticamente distribuido. Ao eliminar a padronização, não existiria a uniformidade que dá ao idioma o aporte de ser único.  O ensino da norma culta não é uma imposição e sim, uma necessidade, não importa a área que sigam os alunos, o uso será impreterível e ficará arraigado no interior de cada um. Você pode enviar um SMS sem acentos ou “ç” mas saberá usar muito bem os recursos da língua quando for necessário. Num TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) por exemplo.

Egrégio Professor

Vi em um artigo, uma breve citação ao grande Professor Pasquale Cipro Neto, o qual tive o prazer e a honra de ser seu aluno. Não acredito que o mesmo tenha simpatia por tais ideias pois me lembro muito bem de suas aulas e da história que ele costumava contar. Professor Pasquale é descendente de italianos e quando viajava em passeio para a casa de seus parentes na “Bella Italia”, costumava ser censurado pelos seus parentes. Fato este que o indignava, pois eles cobravam que ele falasse corretamente o “italiano”, mas ele é brasileiro e sobretudo professor de Português e encerrava dizendo, “como gostaria de ver a nós, brasileiros, defendermos com a mesma paixão o nosso idioma, como os italianos defendem o deles”.

Aos estudiosos

Meus mais sinceros votos de apreço e simpatia por aqueles que responsavelmente estudam o nosso idioma, Pesquisadores e Professores. Quero pedir desculpas pelo modo tempestuoso de minhas palavras mas o tempo pede medidas extremas. O estudo da língua se faz necessário e é importante, as mudanças sempre ocorreram e sempre irão ocorrer, contudo não existe uma bola de cristal para conhecer seus efeitos:

1- A inovação será aceita pela maioria;

2- A inovação irá substituir algum padrão anterior;

3- Isso será permanente ou apenas um mero modismo.

A história está repleta de casos que demonstram isso, casos que fortuitamente mudaram o panorama de algum idioma, no Egito Antigo, a escrita Hierática deu início ao fim dos hieroglifos, no Japão, as escritas Hiragana e Takatana não conseguiram substituir o complexo Kanjin e hoje existem em harmonia. Digo isso, pois existem pessoas que acham que a escrita abreviada do SMS e do MSN podem alterar a forma de escrevermos o português futuramente. Será? Quem pode afirmar isso concretamente? Quem viver, verá!

Nunca houve um período tão bom para a Linguística, a Internet integra de forma instantanea os mais longínquos pontos, os materiais e os textos abundam pelas redes, quem quer aprender, basta pesquisar. Apenas um aviso de cautela! Como dizem: “se fosse para levar a sério tudo o que “curtem” nas redes sociais, nós todos seriamos bons, bonitos e … adorariamos gatos!!!

“Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.”  Voltaire

Facebook na Rússia

Marck Zuckerberg encontra Medvedev

O presidente e fundador do Facebook se encontrou nessa segunda feira, durante vinte minutos, com o Primeiro-Ministro da Rússia Dmitri Medvedev.

Esse encontro é crucial para a empresa de Zuckerberg, pois após período de queda nas bolsas de valores, as denúncias de falhas de segurança na França, que volta a investigar esse caso, conforme anuncio do governo francês. O Facebook precisa de uma prova de fogo para garantir sua confiabilidade.

Hoje, a Rússia possui mais internautas que a Alemanha, o que a torna o principal mercado para redes sociais na Europa, sua tradição de cortina de ferro, com bloqueios, censuras e espionagem são obstáculos que põe a prova a capacidade do Facebook em se adaptar a diferentes tipos de mercado. Um exemplo de seu papel na Rússia foi que, durante o forte inverno russo, as panfletagens convocando o povo para manifestações ocorreu justamente com o uso dessa rede social.

As conversas entre Zuckerberg e Medvedev foram informais e o Primeiro Ministro ganhou uma camiseta. Ao conversarem sobre o papel do Facebook em relação a política, Medvedev se referiu ao papel da rede social em relação a campanha presidencial norte americana, segundo foi informado pela sua assessoria de imprensa.

Um dos fundadores do Facebook é russo, Sergey Brin, como também seus principais financiadores. O que torna a responsabilidade naquele país ainda maior. Medvedev falou sobre os desafios dos direitos autorais e as novas tecnologias: “Na minha opinião, é muito importante para encontrar um equilíbrio entre as formas tradicionais para proteger os direitos autorais de um lado e do outro lado os novos usos que apareceram na Internet e tornar possível a utilização de materiais com direitos autorais livremente. Como encontrar esse equilíbrio? Este é, provavelmente, a tarefa mais importante que cai para advogados, empresários e aqueles que gerenciar redes sociais “, disse o Primeiro Ministro da Rússia.

Esta visita é uma continuação de outras ações comerciais com os russos, como um acordo com uma empresa de telefonia, a Beeline, para fornecer aplicativos gratuitos a assinantes. Zuckerberg também visitou a praça vermelha, onde parou para comer no Mac Donalds, foi juiz em um concurso de programadores e a noite iria fazer parte de um programa de comédia russa.

O fundador postou em sua página do Facebook como foi positiva a conversa com Medvedev, que tem sido um bom incentivador da internet em seu país de forma comercial, mas sem deixar de fora, de forma paralela, as questões políticas.

 Fontes: Le Monde e New York Times

Neo politica

Chamo de neo politica a forma de conduzir uma gestão independentemente de seu rótulo. Adaptando as soluções historicamente favoráveis as populações de forma a beneficiar a todos, cortando o rabo preso com os antigos filosofos políticos que competem em “vender seu peixe”. Quem não percebe que leis novas não são apenas uma roupagem em antigas idéias. Existem exemplos ululantes, como a lei anti-fumo que fora originalmente criada na Alemanha nazista, pois Hitler não fumava e não gostava desse hábito em seus oficiais.

Na Roma antiga, na época dos jogos, o povo ganhava pão, hoje existe o Leve Leite. Os nomes mudam, mas a política é a mesma, um jogo de interesses.

  • Calendário

    outubro 2017
    S T Q Q S S D
    « nov    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    3031  
  • Ich bin