Imprensa Belga e Google chegam a um acordo

Após seis anos de litígioBelgica_Flandres

O chefe da Google na Bélgica, Thierry Geertys,  anunciou uma trégua na disputa que tinham com os editores de jornais locais belgas, pelo comunicado, a Google não irá pagar e nem ter de reconhecer a violação de direitos autorais, pelo qual tinha sido processada.

A disputa que começou em 2006 a pedido dos editores de jornais belgas que processavam o Google News por violação de direitos autorais e uso indevido de imagens e notícias. O processo que já teve até vitórias para os editores estava se arrastando e um acordo fora do tribunal foi a solução. A Google por sua vez, removeu todo o conteúdo de sua ferramenta de buscas.

O acordo que chegaram, segundo Geertys, acaba com todo os processos que estavam na justiça, mas não irão ter de pagar aos editores e nem aos autores das notícias, apenas irão arcar com as custas processuais.

Os editores irão receber ajuda para captar novos assinantes e em publicidade com as ferramentas do próprio Google, como o Adwords, que seria uma forma de captação financeira direta pelo Google e o Google +, para captação de novos leitores. Outra forma de ajuda, seria a distribuição em  plataforma para smartphones e tablets de notícias originais dos jornais belgas.

Segundo Geertys isso é um exemplo de relacionamento amigável, contrapondo ao que ocorre na Alemanha e na França, aonde a legislação de proteção dos direitos autorais visa cobrar do Google pelo uso de material publicado pela imprensa. Ele também mencionou os casos da  Holanda, Austrália, Grã-Bretanha e Canadá que têm realizado “Na Internet, reformas de direitos autorais amigáveis” .

Fontes: El País e Spiegel On-line

Uns comem o bife, outros roem o osso!!!

Espanha estuda uma “taxa” Google

Ao aderirem a corrente de pensamento de países como Alemanha e França, os editores dos principais jornais espanhóis pedem ao governo, a criação de uma “taxa” Google, para que o site de buscas pague por material criado pela imprensa e usado em seu “buscador”. A medida foi aprovada durante a Assembléia Anual da Asociación de Editores de Diarios Españoles (AEDE) Associação de Editores de Jornais Espanhóis, realizada ontem, segundo a entidade, a taxa não afetaria os usuários finais, apenas os sites de buscas.

Segundo o presidente da AEDE, José Maria Bergareche,  “Eles põem em perigo a consolidação e o futuro dos jornais digitais, e, portanto, o acesso dos cidadãos a uma informação livre, qualidade na Internet”. Para tanto, tem agendado encontros com autoridades para alinhar as suas reivindicações que são semelhantes as entidades defensoras de sua classe em outros países como França e Alemanha.

Na Alemanha tramita no Parlamento (Bundestag) um projeto de “propriedade intelectual” que prevê a cobrança pelo uso de notícias criadas pela imprensa e na França, um projeto que cobra taxas sobre o uso de material publicitário nos sites de busca.

Até no Brasil, os editores de jornais reclamam que o Google, utiliza material de qualidade produzido localmente, mas se nega a qualquer negociação a respeito de se remunerar pelo uso dos mesmos.

Segundo  Bergareche, ninguém se opõe a circulação de notícias via sites de busca, apenas queremos que seja remunerada  a criação de tais conteúdos e lembra que, segundo estudos da TELOS, de cada 10 notícias vinculadas pela Internet, 7 são criadas pela imprensa mas 80% da renda com publicidade via internet fica nas mãos dos sites de busca. O que gera uma grande divergência, quem cria a notícia, rói o osso e quem a vincula gratuitamente, come o bife.

A circulação dos jornais espanhóis caiu 6% o ano passado e a renda com publicidade, em torno de 12%. E as perspectivas são de que esse quadro não mude para o próximo ano. Uma crise endêmica e prolongada que não tem sinal de acabar tão cedo.

Pirataria: existe quando interessa

Google lança campanha contra propriedade intelectual

Pela primeira vez na Alemanha, uma empresa particular lança uma campanha para fazer Lobby a respeito de um projeto de lei que está em discussão no Parlamento (Bundestag). O projeto em questão regulamenta a “propriedade intelectual” sobre artigos e notícias que forem primeiro veiculados pela Imprensa alemã.

O projeto que está previsto para ser debatido nesta quinta-feira foi criticado pelo gerente da Google na Alemanha, “Um direito de propriedade intelectual significa menos informação para os consumidores e os custos mais elevados para as empresas”, explicou Stefan Tweraser.

A campanha lança esta terça-feira em um site pelo Google diz, “Verteidige Dein Netz. Finde weiterhin, was Du suchst“. “Defenda a sua rede. Assim você pode encontrar o que está procurando.” A campanha que visa chamar a atenção do público para pressionarem os parlamentares a não aprovarem a lei. Além disso, o Google está trabalhando junto a outras empresas e pessoas que são contra tal lei, para tanto, disponibilizaram um serviço de informações com os dados dos parlamentares para que os empresários interessados entrem em contato com eles.

Apesar da campanha, o projeto ainda é desconhecido pela maioria da população alemã. A migração das propagandas dos tradicionais meios como jornais e televisão para Internet tem pressionado os editores a criarem novas formas de renda. A lei de propriedade intelectual já estava sendo defendida há algum tempo pelos representantes dos jornalistas.

A posição da Google mostra que uma grande empresa pode mudar de lado quando a “pirataria” pode representar uma forma “legal” de se ganhar dinheiro.

Fonte: Der Spiegel

Google pagará por notícias

Google na Alemanha sofre interferência

ALEMANHA

Os sites de busca na Internet, como o Google, deverão começar a pagar por notícias que venham de outras mídias, no caso, jornais alemães. A medida criada por um conselho de ministros já foi enviada ao Bundestag (Parlamento Alemão), para ser votada.

Segundo o porta voz do Google na Alemanha, Kay Oberbeck, no momento em que foi aprovado pelo executivo alemão, essa lei representou um “dia negro” para a Internet. A comissão de cultura do executivo defende a medida, dizendo ser uma proteção aos direitos autorais na internet, como também as associações de editores alemães.

A medida será apenas para uso do texto ou parte do mesmo copiado para a página do site de busca, ou seja, não valerá para “Links” que levem até a notícia original. Para a Google, tal fato irá prejudicar as pesquisas dos usuários locais.

As críticas vêem de diversas partes como o partido Verde e até mesmo a ala juvenil da Chanceler Angela Merkel que consideram a como um prejuízo aos usuários.

Fonte: “El País”

  • Calendário

    junho 2017
    S T Q Q S S D
    « nov    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    2627282930  
  • Ich bin