As duas faces do Facebook

Os dois lados da moeda

Uma rede social pode se tornar uma lição de vida se bem utilizado, os posts (imagem e texto) postados nessas redes possuem um filtro “natural”, o próprio usuário.

Quando você encontra algo que você gosta ou considera interessante e relevante, pode utilizar o botão de “curtir“, e no caso de você achar alguma coisa que gostaria de mostrar aos seus amigos, pode utilizar o de “compartilhar“.

Para os assuntos, os quais você não possui afinidade, simplesmente você ignora. O que seria algo muito bom se você utilizar no dia a dia. Moral da história: aquilo que é bom você guarda, o que é importante, você compartilha e o que sobra disso, você deixa passar. Quantos conflitos seriam terminados se isso ocorresse na vida real e não apenas no mundo da internet.

A notícia de hoje será o embrulho de amanhã

Como diziam há uns séculos sobre o jornal impresso, a notícia, a informação é algo efêmero, sua durabilidade depende dos assuntos que a sobrepõe, se são os não mais importantes do que ela.

No Facebook, a velocidade das notícias tomaram uma frequência absurda. Se o jornal que era publicado diariamente já tornava difícil que alguém o lêsse totalmente, imagina hoje, quando as ínformações são sobrepostas de forma quase que instantânea.

Para não nos perdermos nessa mar de idéias, fotos, mensagens e notícias, devemos ser mais criteriosos com nós mesmos, filtrar o melhor possível aquilo que nos chega. Não compartilhar fofocas, notícias duvidosas ou aquilo que tenha “mau gosto”, pois se ouvirmos alguma crítica, será de nossa própria responsabilidade o que postamos e somos cumplices daquilo que compartilhamos.

“Os jornais excitam sempre a curiosidade. Ninguém larga nenhum jornal sem uma sensação de desapontamento.” Charles Lamb

Anúncios

Tédio no Facebook

A perda de interesse é uma realidadeacao-do-facebook-cai-mais-de-10-e-tem-negociacao-interrompida-9532054-1401

Uma pesquisa recente aponta o aumento do desinteresse pelo “boom” das redes sociais, o Facebook. As pessoas reclamam da falta de conteúdo interessante e de assuntos desconexos, como também desabafos e particularidades indiscretas. Como também, alguns artistas estariam informando a desativação das contas.

Enquanto isso, algumas pessoas reclamam de problemas na ferramenta de compartilhar e as empresas que se utilizavam da mídia como canal de propaganda, começam a considerar que talvez não seja o melhor canal para atingir os públicos alvo a que eles estariam destinando as suas campanhas, devido ao alto nível de “ruido” na rede.

Recentemente, a queda da ferramenta de “chat”, o bate papo do Facebook, criou bastante alarde e muitos usuários estariam descontentes com as atualizações do layout da página.

Esses problemas apenas servem para realçar o impacto das redes sociais no cotidiano, esse mundo paralelo, indubitavelmente tem causado diversas mudanças de comportamento e o seu uso podem causar vício e dependência. O mais interessante é o número de “posts” que chamam a atenção para esse fato.

Como em qualquer mídia, o conselho é sempre o mesmo, absorva com cautela as informações que estão sendo vinculadas, nem sempre são verdadeiras, não entre em correntes ou em reenvio de informações apenas porque possuem ameaças veladas, como dará azar ou qualquer coisa assim. Mesmo aquelas de cunho religioso são tendenciosas e muitas fornecem apenas parte da informação. Reflita antes de concordar!!!

Apenas para acalentar, se o Facebook parar, você sempre poderá voltar para o velho Orkut!!!

Um novo Papa para um novo mundo

A inserção digital do Sumo PontíficePapa e a Internet

Em diversas frentes, Bento XVI está se fazendo presente no mundo digital, com um portal de notícias, Facebook, Twitter, i-pads, Android, livros digitais e aplicativos. Uma presença que se faz mais próxima e por trás desses recursos, uma empresa espanhola, a  Agência 101.

Seu diretor, Gustavo Entrala, conta que tudo começou com uma carta enviada ao Vaticano, a resposta veio em 4 meses e ele fez a primeira visita com sua equipe a Santa Sé à dois anos atrás. De início, seu objetivo era tornar familiar aos funcionários, o uso da internet e de ferramentas digitais. O sucesso começou e foram convidados seis meses depois para uma nova viagem.

Com o portal, “news.va”, conseguiram reunir as mídias já utilizadas pelo Vaticano, como rádio, televisão, jornais e agências de notícias e isso os colocou num novo rumo, as redes sociais. O fato é que o Facebook tinha mais audiência que o portal.

Uma nova etapa, a Agência 101, estava sendo reconhecida oficialmente pelo Vaticano e em junho de 2011, Entrala conta que auxiliou o Papa a enviar seu primeiro Twit e o i-pad usado, ele trouxera de Madri e foi ele mesmo que ensinou o Santo Padre. Para as questões de segurança, funcionários do próprio Twitter, vieram da Califórnia para prestar auxílio.

Apesar dos maus olhos com que a Santa Sé via o surgimento da Internet, parece que tão cedo não para. Está sendo elaborado para o fim do ano, livros digitais com as Homílias do Papa e sobre o Ano da Fé que se inicia agora.

Entrala diz não ver diferença entre promover uma marca pela internet ou uma instituição como a Igreja. O Catolicismo tem 21 séculos e um líder aceito mundialmente, que mais se pode querer, ele pergunta.

Para a saudação de Natal do Papa estão preparando um aplicativo que rode em Android e que possa ser visto em smartphones e tablets. Os católicos poderão receber a todo momento as mensagens do Santo Padre e acompanhar seus discursos, seus atos e suas peregrinações, devido a um conjunto de webcams  em Roma, pelo Vaticano e no Castelo Gandolfo. Em cada canto do mundo um católico poderá acompanhar.

O diretor da 101 termina dizendo, “Existem três grandes marcas no Mundo, a Igreja, a Casa Branca e o Real Madri”, claro que, como um bom espanhol.

Pontifex

França investiga Facebook

Facebook é colocado na parede

Mais um capítulo da novela sobre as falhas de segurança do Facebook começou na França. A Ministra para Economia Digital, Fleur Pellerin,  pediu aos usuários que tiverem dados privados divulgados nos murais do aplicativo que informem, quem ficar em dúvida que cancele temporariamente sua conta,  e aqueles que se sentirem lesados pela divulgação de qualquer informação confidencial que abram denúncia.

Este pronunciamento ocorre após a empresa norte-americana ter se reunido com o Comissão Nacional de Informática e Liberdades (CNLI) da França. O Facebook se pronunciou satisfeito em poder dar sua versão da história, mas o órgão regulador francês não teve a mesma impressão dessa reunião e não ficou satisfeito com as explicações.

O acontecimento que iniciou tudo isso foi a atualização do Timeline, que segundo os usuários deixaria a mostra mensagens antigas que originalmente estariam com o status de privadas. Conforme foi inicialmente divulgado pela Metro na França. Fato que se espalhou por toda a Europa e que deu partida a uma enxurrada de denuncias.

Os engenheiros do Facebook responderam após analises de que se tratavam de mensagens publicadas antes do Timeline e que elas já estariam com status de públicas e que foram melhor visualizadas com a atualização do recurso. Essas declarações não aparentam ser suficientes para o governo francês. O Ministro da Recuperação Industrial Montebourg e a própria ministra Pellerin divulgaram nota oficial acusando a empresa de “falta de transparência”.

O mesmo ocorre na Espanha, segundo as agências de consumidores, sobem o número de reclamações que serão investigadas antes de fazer um parecer sobre se houve ou não violação da segurança dos dados. Segundo a AEPD (Agência Espanhola de Proteção de Dados) houve um acréscimo de 70% no número de denuncias em relação a 2010, em que foram investigadas 168 casos.

Esse números, divulgados no relatório anual da agência demonstram o aumento da conscientização dos usuário no uso de seus dados pessoais e um aumento na desconfiança nas empresas que prometem guardá-los.

Fonte: El País

Facebook na Rússia

Marck Zuckerberg encontra Medvedev

O presidente e fundador do Facebook se encontrou nessa segunda feira, durante vinte minutos, com o Primeiro-Ministro da Rússia Dmitri Medvedev.

Esse encontro é crucial para a empresa de Zuckerberg, pois após período de queda nas bolsas de valores, as denúncias de falhas de segurança na França, que volta a investigar esse caso, conforme anuncio do governo francês. O Facebook precisa de uma prova de fogo para garantir sua confiabilidade.

Hoje, a Rússia possui mais internautas que a Alemanha, o que a torna o principal mercado para redes sociais na Europa, sua tradição de cortina de ferro, com bloqueios, censuras e espionagem são obstáculos que põe a prova a capacidade do Facebook em se adaptar a diferentes tipos de mercado. Um exemplo de seu papel na Rússia foi que, durante o forte inverno russo, as panfletagens convocando o povo para manifestações ocorreu justamente com o uso dessa rede social.

As conversas entre Zuckerberg e Medvedev foram informais e o Primeiro Ministro ganhou uma camiseta. Ao conversarem sobre o papel do Facebook em relação a política, Medvedev se referiu ao papel da rede social em relação a campanha presidencial norte americana, segundo foi informado pela sua assessoria de imprensa.

Um dos fundadores do Facebook é russo, Sergey Brin, como também seus principais financiadores. O que torna a responsabilidade naquele país ainda maior. Medvedev falou sobre os desafios dos direitos autorais e as novas tecnologias: “Na minha opinião, é muito importante para encontrar um equilíbrio entre as formas tradicionais para proteger os direitos autorais de um lado e do outro lado os novos usos que apareceram na Internet e tornar possível a utilização de materiais com direitos autorais livremente. Como encontrar esse equilíbrio? Este é, provavelmente, a tarefa mais importante que cai para advogados, empresários e aqueles que gerenciar redes sociais “, disse o Primeiro Ministro da Rússia.

Esta visita é uma continuação de outras ações comerciais com os russos, como um acordo com uma empresa de telefonia, a Beeline, para fornecer aplicativos gratuitos a assinantes. Zuckerberg também visitou a praça vermelha, onde parou para comer no Mac Donalds, foi juiz em um concurso de programadores e a noite iria fazer parte de um programa de comédia russa.

O fundador postou em sua página do Facebook como foi positiva a conversa com Medvedev, que tem sido um bom incentivador da internet em seu país de forma comercial, mas sem deixar de fora, de forma paralela, as questões políticas.

 Fontes: Le Monde e New York Times

Le Monde se retrata com o Facebook

Alerta de Bug de segurança do Facebook

Após editar uma matéria que reproduz o que apareceu como um alerta no Metro fr. o Le Monde divulga uma matéria se retratando com o Facebook. Com o subtítulo de Explicações e Dúvidas o Le Monde retorna ao assunto para elucidar os fatos ocorridos.

Após a matéria do Metro, o Le Monde começa a receber centenas de e-mails de pessoas que se diziam “traídas” pelo Facebook, pois as mensagens que eles tinham postado como privadas até 2009, estavam reaparecendo na linha do tempo do seu mural como públicas. Eram casos de professores que diziam que seus alunos estavam sabendo de suas conversas privadas ou mulheres que tinham conversas intimas com namorados que agora eram de conhecimento das amigas e de familiares, entre outros. O Le Monde publica a sua matéria concomitante a entrar em contato com o representante francês do Facebook.

O engenheiro responsável, apesar de alguma demora, responde que os casos analisados não provam isso e o que tinha ocorrido é que essas conversas já estavam visíveis no mural dos clientes e que este não estavam sabendo utilizar a opção de “privacidade” devido as mudanças de uso da ferramenta e a instalação da linha do tempo.

Apesar disso, os casos começam a pulular em toda a parte e o Le Monde recebe mais e-mails, mas com nem um deles foi possível se provar que houve quebra de segurança por parte do Facebook e isto apenas provou as publicações oficiais da empresa que se prontificou em demonstrar as formas de uso de suas ferramentas de uso, como também as mudanças ocorridas nos últimos anos e suas consequências e benefícios para o usuário.

O Le Monde encerra concluindo que o Alerta foi desnecessário e que a única pessoa que pode modificar suas mensagens por esta rede social e torná-las públicas a qualquer momento é você mesmo.

Fonte: Le Monde, fr.

Escândalo: Facebook e a privacidade

Novo bug

Nesta segunda-feira, usuários da Europa puderam notar que as mensagens privadas antigas, antes de 2009, que eles enviaram começaram a aparecer no seu mural público. Segundo nota do Facebook, seria devido as mudanças na ferramenta de linha do tempo e que os usuários teriam deixado em visualização pública, ou seja, seria um erro do usuário. Fato este, rebatido pela imprensa como o El País e o Le Monde.

Para que uma mensagem privada seja realmente apagada no Facebook, tanto o emissor quanto o receptor devem apagar a mesma. O que está ocorrendo é que está aparecendo mensagens que algum desses deve ter esquecido de apagar. O perigo está em serem comprometedoras e lidas por quem justamente não deveria as conhecer. Apesar do Facebook insistir em um mal uso da ferramenta, muitos dizem ser então um caso de “alucinação coletiva”. Pois os jornais europeus estão recebendo dezenas de mensagens de pessoas que tiveram casos semelhantes.

A pergunta é, se essas mensagens estavam em modo público, como afirma a empresa, como é que ninguém reparou nisso antes???

Fontes: Le Monde e El País

  • Calendário

    dezembro 2017
    S T Q Q S S D
    « nov    
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728293031
  • Ich bin