Aos iludidos, as ilusões

836c2-devil

“Ao envelhecer, parei de escutar o que as pessoas dizem. Agora só presto atenção ao que elas fazem.” Andrew Carnegie

Quem nunca se iludiu na vida, que atire a primeira pedra! Na juventude é desculpável se tornar um esquerdista devido ao apelo sentimental que esse movimento trás. Mas depois de uma certa idade e com a facilidades de se obter informações nos dias de hoje, não é mais digno de pena!

Existem três questões que chamam a atenção: o direito a acessibilidade, as nomenclaturas e da tecnologia no dia a dia.

Como citou Umberto Eco, o perigo na internet está em nivelar por baixo. Os usuários que estão entrando na internet sem nenhum preparo e altamente motivados em contribuir não possuem a menor noção da destruição que causam. Muitos falam em direito à acessibilidade sem medir as consequências dessas palavras. E de forma alguma se trata de “preconceito” ou de tentar manter a internet nas mãos de uma elite, se trata apenas de bom senso para se utilizar uma ferramenta.

Quando aprendi o português, me lembro do professor dizendo que, cacofonia é um recurso para “retardados” e que isso se alterou de tal maneira que muitos consideram sinal de inteligência fazer estúpidas analogias como aquela piadinha do cara que compra um carneiro e o chama de Rover e que irá tosá-lo quando crescer e ele terá “lã de Rover” e que quem envia tem a presteza de dizer que depois dessa irá tomar um remédio. Um adendo, e isso não é privilégio apenas dos brasileiros, tenho visto isso em vários idiomas e de muitos países diferentes.

Não importa se foi por mera brincadeira ou por pura ignorância, se para se tornar um médico a pessoa necessita de um preparo ou se para operar máquinas pesadas também, o mesmo vale para a internet.

Aprender não tira pedaço e conhecimento não ocupa espaço. Vamos progredir e mostrar para os outros o quanto podemos nos tornar melhor a cada dia.

 “Se uma rosa, por outro nome a chama-se, outro perfume teria…”

Quem não conhece tão singelo proverbio e não sabe de suas aplicações, porém não é o que assistimos. Muito os ignoram em nome de uma nova e falsa ciência. Na qual apenas o método basta, não existem princípios morais ou tradição. Os falsários da pseudo-intelectualidade esquerdista que iludem pobres e inocentes criaturas. Os universitários ávidos por revoluções à la “Ché Guevara” mas que não aguentam lavar a louça do almoço. Pobres imbecis que apenas aumentam as fileiras dos “idiotas úteis” que Lenin tanto falava. Imbecis que apenas fazem o que Antonio Gramsci pedia mas nunca realizou por si só. Ele nunca se tornou o ideal que tanto almejava, queria que outros se tornassem ignorantes com sua ardilosa retórica. Para ele, apenas uma resposta basta:

“Quem não sabe de onde veio, não sabe quem é!”

O novo profissional que ele queria criar é apenas um automato que pode ser programado na forma que os líderes esquerdistas desejarem, ou se não, com o mesmo fim dos “idiotas úteis”, paredão com eles. George Orwell alertava sobre os riscos de se ignorar a tradição e as sua origens, como um homem apartado de seu meio social pode ser facilmente induzido e adestrado, ou como hoje se faz: doutrinado.

O método por si só, não justifica seu conteúdo ou lhe dá credibilidade, o que é falso, morre por si só. Não se embrulha lixo em saco de presente, pois é isso que eles fazem. A teoria esquerdista se vale de ideias óbvias, verdades universais para chegarem a conclusões mirabolantes que são desmascaradas com simples interrogativas, se ele quer o fim da família, como pregava Marx, por que ele odeia a própria família? Que credibilidade ele quer como profissional sem os ensinamentos de sua própria profissão? Ou como ele ganha a vida, quem o sustenta? Atrás de todo jovem marxista existe um pai capitalista.

As principais diferenças entre o pensamento de direita e de esquerda, é que a direita é composta de princípios imutáveis e valores humanos que são passados de geração a geração. Mesmo que você não concorde com este ou aquele ponto de vista de algum pensador de direita, “no frigir dos ovos”, no final acabaremos defendendo o mesmo lado. Não é o que ocorre na esquerda, em que as ideias são intercaladas, como em um “castelo de cartas”, se você tira uma, o castelo desaba.

A tecnologia virou alvo dos esquerdistas que a tomam como maravilhosa e que a usam como exemplo de que o homem não necessita mais de Deus. Mas que tecnologia é essa em que ainda somos nós que trabalhamos, que não evolui sozinha ou cria nada por si mesma. O que temos hoje é um uso intenso de ferramentas que estavam sozinhas, mas hoje trabalham juntas, somos nós a argamassa que une e sem nós, não possuem finalidade. Exemplos são fáceis, esse computador que usamos, por mais moderno que seja, tem tela, teclado, mouse e CPU (com placas e processadores) e este é o mesmo desenho que teríamos de um antigo micro XT, que foi um dos primeiros a englobar a tecnologia do HD (Hard Disk). Quais a diferenças, então? Velocidade de processamento ou armazenamento? Alguns citariam, o armazenamento em “nuvem”que é possível devido a internet, mas é apenas armazenamento, seja guardar em casa ou no “cyberespaço”, no final é apenas a mesma coisa.

Aonde estão os computadores que sonhávamos nos anos 80, que não seriam computadores, seriam apenas as nossa máquinas com inteligência. Quem assistiu o filme clássico “Bladerunner – o caçador de androids” se lembra da cena que ele apanha uma foto e põe num aparelho que se parece com um vídeo cassete e reproduz a foto, todos os comandos de voz que ele pedia o aparelho realizava, isso é o que imaginávamos. Não vemos nada disso ainda. Segundo alguns estudiosos foram as redes sociais e os programas que as empresas e as pessoas pediam que mudaram o rumo dessa evolução.

Claro que também, as “teorias da conspiração” ajudaram com filmes como o “Exterminador do Futuro” que tornaram ideias como “inteligência artificial” em algo maligno. Mas se isso ocorresse, quem seria o culpado, a máquina ou o homem que a criou. Isso é um alerta, não somos melhores do que já fomos e nem menos cretinos, se acreditarmos que as gerações passadas não tem mais o que ensinar, estaremos assinando a sentença de morte da raça humana nesse mundo.

“O comunismo destitui o homem da sua liberdade, rouba sua personalidade e dignidade e remove todas as travas morais que impedem as irrupções do instinto cego”. (Papa Pio XI)

 

 

 

 

Dicas de Linguagem: para te ouvirem melhor.

66516130-e1472134205926-1024x576

Emma Watson realizou um impressionante discurso na sede das Nações Unidas.

“Geralmente levo mais de três semanas para preparar um discurso de improviso” Mark Twain.

A pergunta é, como melhorar o discurso para que a sua mensagem chegue de forma mais convincente?

Quando se fala da importância da voz, lembra-se do psicólogo norte-americano Albert Mehrabian que criou a formula 7-38-55, que significa que o que falamos corresponde a 7% da primeira impressão, 38% correspondem a como dizemos, o som da voz, a velocidade e a ênfase; e 55% fica com a aparência.

Depois de publicado seu trabalho Mehrabian esclareceu que inicialmente se tratava de comunicações interpessoais e não apenas para comunicações profissionais (grupos de trabalho).

A voz é o fator decisivo para definir qual a forma com que o conteúdo seja recebido, como cita o pesquisador  Walter Sendlmeier de Berlin, “A voz é um fornecedor muito importante de informações que vão muito para além do conteúdo do que é dito também” e ressalta “depende muito de como nós falamos”, ele comprova isso com estudos de discursos de políticos, que tendo muitas vezes o mesmo conteúdo, acabam dando resultados até mesmos opostos entre um e outro, como nos discursos de conferência de partidos.

O resultado pode até soar “triste”, pois não importa o valor daquilo que dizemos, mas sim a forma como o fazemos. Porém na opinião de Bettina Schinko, coaching de Comunicação e Discursos de Berlin, “Pela primeira impressão pode ajudar uma voz treinada, mas a longo prazo, vemos através disso quando alguém é apenas um bajulador”.

Uma voz boa e experiente não é um substituto para o conteúdo, mas você pode ajudar a melhor transportá-la, para ser ouvida e compreendida.

O que fazer para manter a voz saudável?

  • como-cuidar-da-vozBeba bastante água (em temperatura ambiente) enquanto estiver falando, em pequenos goles. Um corpo permanentemente hidratado significa pregas vocais hidratadas e com melhor flexibilidade e vibração. O ideal é ingerir de 7 a 8 copos por dia, porem, a cor da urina (clara) pode auxiliar no controle de uma hidratação adequada.
  • Preocupe-se em manter uma alimentação equilibrada, sem grande numero de horas em jejum, mastigando bem cada alimento a ser ingerido.
  • Coma maçã, pois é adstringente e limpa o trato vocal. Além disso, sua mastigação exercita a musculatura responsável pela articulação das palavras.
  • Use roupas confortáveis e de tecidos que absorvam a transpiração. Roupas leves e folgadas são idéias para quem trabalha com a voz. Sapatos confortáveis favorecem a postura correta.
  • Sono regular, momentos de lazer e atividades físicas adequadas também contribuem para uma boa produção vocal.
  • Procure respirar sempre corretamente, levando ar até o abdômen e expandindo as costelas. Não eleve os ombros e o peito como se fosse um pombo. E o abdômen que tem de se expandir como se estivesse cheio de ar.
  • Enquanto estiver falando, mantenha a postura de corpo ereta, no eixo, porem relaxada, principalmente a cabeça.
  • Evite competir com ruídos externos durante a fala. Fique atento a eles e procure não aumentar o volume de sua voz na tentativa de superá-los.
  • Tente não gritar. Se for possível, opte sempre pelo microfone ao falar em publico.
  • Fale pausadamente e de maneira correta, articulando bem as palavras, mas sem exagero.
  • Ter audição normal é importante, pois o monitoramento vocal é realizado pela audição.
  • Ao sentir vontade de tossir ou pigarrear, respire profundamente pelo nariz e engula a saliva várias vezes ou beba água, pois essas ações provocam um forte atrito nas pregas vocais, irritando-as.
  • Para diminuir a tensão na região dos ombros e do pescoço, boceje e espreguice diversas vezes ao dia.
  • Após o uso intenso da voz, procure permanecer em repouso vocal por algum tempo.
  • Outro fator importante é o ambiente de trabalho. Procure discutir com seus colegas e chefes meios que possibilitem um ambiente de trabalho agradável, capaz de diminuir a tensão e favorecer o diálogo. Uma voz saudável é resultado de cuidados individuais e de ações ambientas.

“Veja o discurso dos políticos: são todos otimistas; grandes canalhas são sempre otimistas e simpáticos, caso contrário não dão o golpe que querem dar. Mas hoje em dia, o otimismo é um modo de se vender no mundo.” Luiz Felipe Pondé

Baseado no artigo “Wenn du diese Sprechtipps beachtest, hören dir andere besser zu” de Manuel Bogner e Leon Krens na Ze.TT e nas dicas do site Clube da Fala do Rio de Janeiro.

O monge e o executivo – líder servidor

Resenha do livro

Para retorno de minha longa pausa em escrever nesse blog, gostaria de falar a respeito de um interessante livro que li à pouco tempo: Como se tornar um líder servidor – os princípios de liderança do Monge e o Executivo de James C. Hunter.

O autor demonstra ao longo das páginas desse livro, quais as responsabilidades dos líderes dentro das empresas e com seus colaboradores e o quanto isso é pesado de se carregar. Por que muitas pessoas desistem da liderança ou a tornam um fardo para as outras pessoas. Uma frase por ele repetida é “dois terços das pessoas não se demitem de suas empresas, elas se demitem de seus líderes”.

Ele inicia com a personalidade de maior impacto na história humana e suas palavras sobre liderança, o que dá o mote e o título do livro. Nosso Senhor Jesus, que fez  ainda muito mais por exemplos e ratificou como deve se comportar um líder.

O texto é bastante pragmático e até auto explicativo, pois conta como foi construído e faz menção aos obstáculos que encontrava e como foram solucionados. O que as empresas não fazem depois de enviarem seus lideres para simpósios e treinamentos, ou seja, cobrar as mudanças de comportamento de seus gerentes e supervisores para que eles melhorem sempre.

Uma auto análise sempre ajuda, como somos no comportamento do dia a dia em frente daqueles que lideramos, foi da mesma forma que nos portamos em nossa entrevista de emprego para essa vaga ou se é da mesma forma que nos apresentamos aos nossos líderes superiores. Aonde foi parar a paciência, aquela calma e a grande vontade em agir em pró dos outros?

Não existe um bom líder sem valores e ele tem de fazer muito mais do que falar e cobrar dos outros, mas agir, para ser sempre o exemplo a ser seguido, os olhos de todos estão voltados para o líder e ele deve corresponder a isso.

“Dar exemplo não é a melhor maneira de influenciar os outros – é a única” Albert Schweitzer – Teólogo e filósofo alemão (1875 – 1965)

5 coisas que descobri vestido de padre — Católicos na Rede

”O que aconteceu quando me vesti como um padre: uma investigação sobre o poder do uniforme.” O autor decidiu fazer um experimento para testar o poder de vários uniformes. Ele comprou quatro: o de um padre católico, guarda de segurança, mecânico e médico. Ele explica por que queria fazer a experiência:

via 5 coisas que descobri vestido de padre — Católicos na Rede

Como é bom ser católico

No nobis, sed nomini Tuo da gloriam

Ao sermos a única Igreja fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo e termos os legítimos representantes dos apóstolos como nossos pastores e o único representante de Deus na Terra, na figura de Sua Santidade o Santo Padre, Papa Francisco. Realmente devemos nos regozijar em estarmos em tão boa companhia. Se isto não for suficiente, basta lembrar da quantidade de Santos e Martires que lutaram em pró da Igreja Católica nesses dois mil anos de história.

Material de estudo

A Igreja Católica possui uma imensa tradição formada nesse período, uma grande quantidade de material escrito, além da Bíblia que fica sempre na versão completa e não rasurada de outras igrejas. Possuimos o Catecismo, as Doutrinas, os sete Sacramentos, as Homílias, os escritos dos Santos e dos Doutores da Igreja.

Tanto material de estudo e ainda tem gente que se apega apenas a umas pouca páginas das escrituras, como fazem os “evangélicos”, que tentam reinterpretar as palavras de Deus e se omitem dos métodos e as regras da hermeneutica, como que banalizassem os estudos daquilo que é Sagrado.

O valor daquilo que possuímos

A Igreja Católica nos acompanha desde o nascimento até a morte, os Sacramentos perfazem uma roda a nossa volta, nos protegendo o tempo todo, cada qual em seu momento certo. O Bispo Emérito de Roma, Papa Bento XVI nos desafia a ler artigos de outras fontes para conferirmos aquilo que é o certo e verdadeiro. Já o fiz, várias vezes e é realmente verdade. Muitos escritos orientais fazem menção aos Sacramentos Católicos como coisas certas e corretas de uma forma tão enfática que nunca havia visto nos escritos ocidentais.

A necessidade de se fazer valer cada palavra de Deus é tanta que nos dá até vergonha de termos tudo isso de “mão beijada” e não valorizarmos. Somos realmente pessoas de sorte e não temos a menor noção disso.

Perda de tempo

Com tudo isso, ainda existem pessoas que insistem em perder o seu tempo e o nosso em picuinhas, fofocas e em profecias sem nexo, pessoas que não aceitam as palavras dos Pastores, do Santo Padre, o Concílio Vaticano II e que esperam tudo de ruim. Aguardam um Concílio Vaticano III para ter um novo assunto a discordar.

São esses os “cristãos tíbios” que tanto se referiu Bento XIV, como também o Papa Francisco, eles temem tudo e todos, temem perder a fé. Como se fosse possível perder o que nunca se teve. Temem o Ecumenismo, como se os “evangélicos” pudessem nos ensinar algo novo. Temem imagens e palavras, como se desconhecem a origem de tudo, Deus!!!

Pouco se pede, muito se recebe

A Igreja Católica oferece o perdão e remissão de nossos pecados, basta pedir a Deus e invocar a intercessão de Nossa Senhora. Tudo tão simples, mas nos cansamos fácil, nos cansamos de pedir e rogar, mas Ele não se cansa de perdoar. Temos de ter em mente que a Igreja Católica representa um Marco na história humana, que somos um princípio, somos imitados e motivo de muitas discussões.

Perdemos os princípios antigos da Catequese, do ensinar, não estamos mais preparados para guiar, a inanição e as facilidades da vida moderna nos atingiram em cheio. Quando convidados para uma cerimônia ecumênica, parecemos gordos que reclamam da ginástica. Em vez de acender uma vela, reclamamos da escuridão.

“Protege Senhor a tua Igreja”: é tua! Com esta atitude ele dar-nos-á, no meio das tribulações, a paz que só ele pode dar. A paz que o mundo não pode dar, que não se compra; a paz que é um dom verdadeiro da presença de Jesus no meio da sua Igreja” Papa Francisco, Capela Santa Martha, 18/05/2013.

Texto publicado originalmente na eCatholicus em 01/06/2013

Maiores erros da humanidade

Todas as paixões nos levam a cometer erros, mas o amor faz-nos cometer os mais ridículosFrançois La Rochefoucauld

Não é possível enumerar os erros humanos dos últimos 6 mil anos, porém podemos notar algum padrão nesses acontecimentos:

1- Nada é novo – o primeiro erro do homem é no momento em que defini que algo é novo, procure na história e encontrará semelhanças e analogias muitos estranhas. Desconfie sempre dessas palavras: coincidência e acidente.

2- Alguém conhece o que você sabe: definir que aquilo que você possui na mente seja de conhecimento das outras pessoas normalmente levam a se cometer muitos erros de julgamento. primeiro verifique se estão todos na mesma sintonia.

3- Meu erro merece perdão: os egoístas sempre pensam assim, mas no momento de julgar os outros mudam de opinião e propõem algum castigo. Quem o faz a outro, o receberá de volta. Basta lembrar a oração do “Pater Noster”, (Pai nosso) que diz, “perdoe nos assim como nós perdoamos”.

4- Não preciso de limites: muitos gostam do esterótipo do clichê de rebelde, podem ser em livros, filmes ou em qualquer história. Mas se esquecem que a vida não é assim, moramos dentro de uma sociedade humana e isto, por si só, impõe muitos limites.

5- Desprezar o conhecimento humano: por melhores que sejam os métodos, os equipamentos e a tecnologia usada, não se deve desprezar as nossas origens. Por isso, em diversas civilizações, o papel do idoso é o de guardião do conhecimento, ou seja, uma pessoa que sabe o que precisa e está numa idade em que não é mais “escravo de suas paixões.”

Eu não me envergonho de corrigir os meus erros e mudar de opinião, porque não me envergonho de raciocinar e aprenderAlexandre Herculano

Manifesto contra a Heterofobia!!!

0

The pens is mighter than the sword

O título acima não é uma brincadeira ou apenas um “neologismo” passageiro, ele é a descrição de um conjunto de fatos que ocorrem de forma metódica e dissimulada em nossa sociedade, seja nas notícias, sejam em alterações da nossa lei ou de costumes sociais.

Como na historinha do sapo e da panela, em que se colocar um sapo em uma panela de água fervente ele irá pular devido ao susto e a dor. E se pusermos o mesmo sapo em uma panela com água fria e formos gradativamente aquecendo, ele acabará sendo cozido, esse é um dos métodos da nossa esquerda que utiliza “modus operandi” iguais em diversas frentes, combatendo as nossas tradições e valores mais caros, como a família.

Os fatos são mostrados e as histórias contadas, porém a forma faz com que sejamos enganados, tal qual o mágico ilusionista que faz gestos com uma mão e esconde a moeda com a outra, somos forçados a enchergamos o mundo da forma que eles querem.

Todos leram e comentaram a notícia de que Suzane von Richthofen tenha se “casado” dentro da cadeia com outra presa, que teria sido anteriormente parceira de outra conhecida criminosa, porém não se viu entre as notícias vinculadas, algumas importantes indagações:

  • Quando foi criado essa forma de prisão especial, em que “parceiros” possam dividir a mesmas cela e estarem apartados dos outros presos?
  • Que tipo de documento é esse, que presos possam ter situação equivalente a “casamento”?
  • A prisão representa o fim dos direitos civis, como forma punitiva de má conduta social, quando isso acabou?

Existem outras perguntas, mas apenas essas já servem para mostrar a triste realidade que vivemos, isso significa que se a pessoa é heterossexual e vive em conformidade com valores sociais, quando ele é preso, será punido mais do que aquele que é homossexual e terá direito a manter uma “relação estável” dentro da cadeia com direito a uma “ala” privativa e outras regalias.

Quando as pessoas vão notar que existe uma grande diferença entre direitos e as leis sociais, somos atacados como “preconceituosos” quando não aceitamos assistir passivamente que pares de homens e mulheres ajam publicamente como se estivessem entre quatro paredes e isso nos violenta da mesma forma que ao vermos um casal agir desse modo. O ponto que não é compreendido é que quando você se expõe, se torna refém de sua escolha e isso o compromete.

A vida sexual é além de uma escolha, representa uma relação com outro ser, e esse deve ser respeitado de todas as formas. As decisões devem ser conjuntas e aqui começam os problemas que os “gaysistas” insistem em ignorar. Se você tem o direito de fazer uma opção por qualquer forma sexual que seja, também tem o direito de mudar de ideia a qualquer tempo e não deve ser coagido a ser apenas de uma única forma, como assistimos os “gaysistas” fazerem com os “idiotas úteis” que inocentemente entram em suas fileiras.

Outro detalhe, não menos importante é que a opção sexual se refere a “atividade sexual” em si, ou seja, se não há atividade não existe porquê se falar em escolha. Dessa forma é um crime tentar induzir nossas crianças e pré-adolescentes a fazerem alguma escolha antes de terem idade e maturidade suficiente para entenderem o que isso irá representar em suas vidas. Isso se torna outra forma de pedofilia velada, é claro.

“Uma pessoa imatura pensa que todas as suas escolhas geram ganhos. Uma pessoa madura sabe que todas as escolhas tem perdas.” Augusto Cury