Internet: mãe ou madrasta “má”

Os ensinamentos implícitos na rede

Se existisse uma materialização antropomórfica (forma humana) da Internet e essa fosse a sua casa oferecer os serviços de babá. Pelo amor de Deus! Esconda as suas crianças, não poderia existir babá pior!

Desculpem pela dramatização inicial mas é isso que realmente vemos no uso da Internet. Independe das belas mensagens, dos pensamentos de pessoas ilustres ou das fotos de gatinhos, a Internet é uma “má” orientadora no quesito “hábitos”. Ou seja, não é aquilo que acessamos que nós dá as maneiras, mas como nós realizamos essas tarefas.

Não é preciso ser Hacker para ser um “cybercriminoso”, o que se dissemina pela rede são as sutilezas de diversos mal hábitos, como as três maiores mentiras:

  • sou maior de dezoito anos;
  • lí e concordo com os termos do contrato;
  • Status: ocupado.

Esses são alguns pequenos exemplos, como também, os códigos para se usar um programa de graça, dar vida infinita a um personagem de jogo, espionar as mensagens do facebook do(a) namorado(a), baixar filmes de graça, copiar trabalhos e certidões de graça e apresentar como seus, etc… etc.. etc… ad infinitum.

Muitas pessoas imaginam que essas ações não geram, muitas vezes, prejuizo para ninguém e são tidas até mesmo como engraçadas. Porém, convenhamos, quando as crianças e os jovens entram em contato com o mundo virtual, que tipo de lições estão recebendo. Quais valores estarão cultivando e que exemplos irão seguir.

Apesar da idéia de muitos, valores não têm propriedade, não possuem nem dono nem “marca”. A ética não é privativa a algum grupo ou o caráter é característica que apenas cobramos nos outros. Recentemente li que “um bom vocabulário” é um valor “burgues”. Isso sim é um preconceito, ou esquecemos que “bom vocabulário” é também quesito para os “operários da língua” como jornalistas e escritores.

Podemos alterar essa imagem

Como o mundo virtual é mais um mundo multimídia, onde imagens, sons e idéias se mesclam, ele fascina mesmo a nós, usuários.  Aprender a “navegar” vicia e contagia, apesar de contrariando Fernando Pessoa, navegar não é tão preciso, quando falamos de sites, chats e e-mails. Um mundo de possibilidades, uma biblioteca que possibilita pesquisar um item em diversos livros ao mesmo tempo. Imaginem o avanço que isso representa para a humanidade, há alguma décadas, isso era apenas um sonho. Isso é que o torna um mundo “perigoso”, pessoas mal intencionadas ou até mesmo, nossa própria curiosidade pode nos armar diversas ciladas. Para que isso não ocorra, o que devemos fazer?

  • nos policiarmos a nós mesmo (sejamos vigias de nosso uso da internet);
  • estabelecer horários para navegar ( se não conseguir isso é porque o negócio é “vicio” mesmo);
  • qual a proporção entre a nossa vida social “real” e “virtual”. Você tem mais amigos no face ou no bar?
  • que tipo de lições repassamos para outras pessoas, burlar regras e “piratear” conteúdos.
  • teria coragem de agir da mesma forma na vida real? Uma auto-avaliação pode fazer bem!
  • quais os exemplos que você dá para os seus filhos? Mostra que nem tudo que se faz no mundo virtual vale para o mundo real?
  • reserva um tempo para atividades positivas, leitura e vídeos que melhorem seu “astral” ou só procura as tragédias?
  • somos o que fazemos ou fazemos o que somos? Nossas atitudes realmente demonstram nossa opinião ou apenas seguimos as tendências da rede?

A ditadura do “politicamente correto”

Como diz o filosofo Olavo de Carvalho, não importa mais a nossa idéia, desde que seja a mesma idéia dos outros. Estamos vivendo uma “ditadura democrática”, onde os outros mandam em nossa mente e censuram nossa palavras. Um mudo de rótulos, que para poder ser contra ou a favor, você deve seguir algum quesito mínimo. Se é “contra o aborto” você precisa ser católico e cristão, se fala de disciplina, é reacionário, se gosta de mulher, é ‘tarado’. Um mundo de exageros e idéias “pré-concebidas”, não existe a tolerância, o questionamento, a busca de razões do outro, apenas o seu próprio ponto de vista, mesquinho e egoista.

Pessoas são “crucificadas” nas redes sociais apenas por causa de suspeitas de vizinhos e os casos acabam na justiça! Como isso pode? Não somos todos falíveis, ou como disse o Papa Francisco, “somos todos pecadores!” Antes de julgar qualquer um, devemos analisar as nossas próprias atitudes. O que fariamos se estivéssemos no lugar dele? Aonde foi para a empatia e a condescendência?

Gostar dos outros e das opiniões alheias não é uma obrigação, mas respeitar é. Principalmente para os grupos que só gostam de exigir, mas não aceitam nenhuma contrariedade.

Existe um tempo e uma medida para tudo

Dos “crimes” cometidos pela Internet, esse é o pior, o exagero, até mesmo a água em demasia, afoga! As coisas feitas de forma extravagantes ou fora do tempo não são saudáveis, beber em excesso causa cirrose, comer em demasia, ou causa “dor de barriga” ou uma “obesidade móbida”.

Para podermos criticar, temos de conhecer; para podermos falar, precisamos primeiro ouvir! Assistimos tudo invertido, os jovens aprendem cedo a exercer a criatividade mas sem conteúdo, os resultados das provas do ENEM são gritantes. Muitos pensam até que são feitos apenas por mera  gozação! Que preparação esses jovens estão tendo?

Amar é bom, carinho é bom! Mas, como disse, tudo tem limite, confunde-se tudo, confudem amizade com sexualidade e sexualidade com promiscuidade! Pronto, já tem manifestante de boca aberta para gritar alguma frase em pró a “liberdade”, que “liberdade”! Como dizia minha mãe: entre quatro paredes, pode tudo! Mas não é isso que eles querem, não! Eles querem agredir, incomodar, desestabilizar o sistema!

O valores não pertencem a uma classe social ou um grupo, a amizade é algo tão valioso para vender tão barato, estimem aquilo que possuem, você não escolhe a família em que foi criado, não escolhe o amor da sua vida mas os seus amigos, você pode escolher!

Caros colegas, “projetos” de “revolucionários”, o sistema é formado por todos, por mim, por vocês, aquilo que vocês estão derrubando não é a casa do vizinho, não! É a sua própria casa que está caindo, que futuro querem criar para vocês mesmos. Uma analogia bem boba, a sociedade é um sistema dinâmico, ou seja, precisa da atuação de todos para continuar em frente, isso é, parece com uma criança andando de bicicleta, se ela parar de pedalar, acaba caindo!

O valor daquilo que adquirimos

Por mais que não gostemos do sistema, que critiquemos o Capitalismo Selvagem e as suas consequências na Sociedade Moderna, ele é imprescendível para o nosso modo de vida. Trabalhar e obter um ganho monetário é condição “sine qua non” ( necessária ) para sobrevivermos, ou seja, adquirir bens e serviços, desde os mais básicos até os mais supérfluos. Todos sabem disso, mas no momento em que navegam pela Internet, os ícones coloridos se tornam figuras sedutoras que nos induzem a querermos o contrário.

Por mais interessante e vantajoso que seja adquirir um bem ou serviço por um pequeno valor ou quase zero, devemos nos lembrar de certas leis ou regras. Nada pode ser tão bom se for oferecido de graça, ou seja, como diziam os antigos: “esmola demais, o Santo desconfia…

Nesse caso, não podemos exigir muito daquilo que nos é oferecido por tão pouco, pois pode haver alguma outra razão por trás. A primeira regra nesses casos é desconfiar de tudo.

A desconfiança como regra de sobrevivência

Antigamente, os homens temiam aquilo que não enxergavam ou aquilo que não conheciam, no caso da Internet, os perigos estão bem visíveis, na verdade são coloridos e em alguns casos, piscam, dançam e nos convidam a entramos em sua boca e descermos garganta abaixo.

Temos de nos policiar, pois as facilidades estão na nossa frente, não adianta falar que isso não é certo ou aquilo não é lícito se acabamos sempre entrando em mais uma “pirâmide” para ficarmos milionários ou acreditamos nas mais absurdas fofocas. A lição de vida do Facebook é “somos livres para curtir e compartilhar aquilo que gostamos e aquilo com que concordamos mas não somos obrigados a concordar com tudo.

Nesse caso, devemos obrigação apenas com a nossa consciência e os nossos próprios valores, não adianta concordar com os outros só para fazer bonito ou ser “politicamente correto“. Que age assim é demagogo, não pode ser de confiança pois sempre mudará de opinião. A verdade é sempre coerente e não muda de cor, de lado ou de sabor, apenas porque o personagem é outro. Para cada direito reinvidicado existe um dever a ser cumprido, a cada vantagem adquirida, existe algo que devemos abrir mão.

São inicialmente regras de vida, mas com cuidado e boa vontade, podem servir de baliza para podermos navegar pela rede com segurança e para podermos realmente retirar algo produtivo dessa jornada! Boa Sorte!

“Na internet todos são filósofos, poetas, inteligentes…
Na internet todos são belos, felizes, muito ocupados e bem sucedidos.
Sei não… Acho que eu vou me mudar pra lá.” Christian V. Louis

Anúncios

Pelo “bom” Português

Um estudo do Preconceito Linguístico

Estou lendo ultimamente diversos textos sobre o famoso “preconceito linguístico”, o que inicialmente levanta diversas suspeitas. A primeira seria a forma com que os textos são escritos, todos eles respeitando as norma cultas da língua, o que sugere um contra-senso, pois defendem um uso diferente, os “neologismos” e os “regionalismos”, mas eles próprios não fazem uso disso.

No caso de se expressar pela forma que defendem não permitiria que os outros, ou seja, a grande maioria, entendesse suas palavras. Outra coisa, se esforçam em distinguir quem fala por “regionalismos” de quem fala através da norma culta; ou eu sou um extraterrestre ou eu sei falar das duas maneiras, o fato de ter aprendido a forma culta na Escola, não apagou meus traços nativos, como eles insistem em expor.

Fatos incontornáveis

O uso de expressões de impacto não melhoram um texto, apenas o faz parecer um “discurso político”, nesse caso, tendencioso e cheio de demagogias. Mostra apenas para que serve, propaganda ideológica.

Não adianta “colocar a carroça na frente dos bois”, a lógica é feita por premissas e nesse caso, conhecidas. Quando dizemos que quem se utiliza de uma linguagem “regionalista” tem dificuldade em abstrair não podemos generalizar. Apenas por uma questão de “comodismo” a expressão é usada dessa forma. Nem todos, que falam através de “regionalismo” conhecem a forma culta e o inverso também é verdadeiro e isso significa que podemos abstrair usando outras formas além da culta mas para isso, devemos ao menos ter o conhecimento (know-how) para fazé-lo de forma apropriada.

Um exemplo de “regionalismo” com abstração é a obra “Grande Sertões: Veredas” de Guimarães Rosa, o autor usa um clima psicológico bastante tenso sobre o personagem principal, apesar de usar e abusar dos “regionalismos” e dos “neologismos” mas nem todos possuem o conhecimento da língua para realizar tal tarefa.

Outro ponto bastante discutido é sobre as línguas primitivas e suas deficiências, nesse caso, peço que leiam “A visão dos vencidos”, de Miguel León-Portilla, nesta obra o autor narra a conquista da América sobre o ponto de vista dos conquistados, nesse caso, os Astecas que falavam o Nahuatl, idioma esse não tão primitivo quanto o de outras tribos ameríndias como os nossos índios, apesar disso, mostra bem as dificuldades deles de expor em palavras o que significou o terror de serem conquistados pelo “homem branco”. As situações eram retratadas de forma mística e cheias de superstições, como os espanhois que foram confundidos com deuses que vinham para os ajudar e depois os mataram, roubaram e escravizaram.

Quanto ao domínio da linguagem e em qual idade isso se faz, disseram até que com 4 anos já existe esse domínio, pediria então que dessem uma olhada nas obras de Piaget e Vigotski, autores que trabalharam com a evolução cognitiva das crianças e podem esclarecer tais duvidas. No caso é bom ressaltar as diferenças entre a linguagem falada e escrita, como aponta Vigotski:

“A escrita é uma função específica de linguagem, que difere da fala não menos como a linguagem interior difere da linguagem exterior pela estrutura e pelo modo de funcionamento a qual requer pra seu transcurso pelo menos um desenvolvimento mínimo de um alto grau de abstração, não usa palavras, mas sim representação das palavras pela linguagem de pensamento e isto se constitui em uma de suas maiores dificuldades,”

O real conhecimento da língua somente se dá com a apresentação dos métodos de aprendizado e da devida condução de um professor, como ele demonstra abaixo:

“É no fluir do aspecto processual, do metodológico, que as negociações ativas de significados encontrarão espaço para o desenvolvimento das especializações funcionais mediadas pelas ferramentas culturais.”

Ou seja, falar por falar, ainda não pode ser considerado como uma grande atividade cognitiva, é apenas uma imitação, uma forma encontrada pelo método de eliminação, certo ou errado. A criança ouve e imita, ser der certo, imita de novo. Tais métodos podem ser eficientes para um nariz escorrendo, um bumbum sujo ou quando se está com fome, mas para imaginar uma “Teoria da Relatividade” está muito longe.

Digno de nota, o fato da criança enquanto no ventre da mãe aprender o “sotaque” por causa da pronuncia dela mostra que o “regionalismo” será mantido. Dessa forma, independe das interações futuras e da eduacação que receberá. Isso já é provado cientificamente.

As redundâncias

Um trecho que me chamou a atenção sobre Preconceito linguístico é o que fala sobre “línguas primitivas” de Sírio Possenti, aqui reproduzimos apenas uma pequena parte:

“…o mesmo dialeto que é considerado errado ou precário por eliminar redundâncias também é considerado errado ou precário quando introduz redundâncias como ‘sair para fora’ ou ‘entrar para dentro’, ‘subir para cima’ e ‘descer para baixo’; são, de novo, construções análogas às do inglês, que ninguém estranha ou critica; …”

Nessas circunstâncias teriamos apenas que analisar se o idioma propõe soluções para a redundância, ou seja, se existem “ferramentas linguísticas” para substituir o termo em questão. No caso de português, merece apanhar com um “dicionário” quem usa redundâncias sabendo que a língua é tão rica em figuras de linguagens.

Outros idiomas menores

No caso do inglês que é considerado um idioma com ausência de flexões, um vocabulário menor e não tantos recursos linguísticos, não se preocupem! Embora o pinto não mame, se cria com farelo!  Ou seja, para tudo existe solução, basta lembrar que nas faculdades (High School) de países de língua inglesa nas materias mais avançadas são utilizados outros idiomas para suprir essas “carências” como o Latim e o Grego.

Eu fico com Fernando Pessoa, nosso poeta maior, “quero ser e estar!” o verbo “to be” não me satisfaz, a não ser que fosse “Hamlet”…

Se querem conhecer um idioma com situação semelhante a do Português, basta conhecer a atual situação do Árabe, idioma esse falado em diversos países na África e na Ásia, com culturas e religiões bastante distintas e consequentemente formas diferentes de se pronunciar e de se usar o idioma. Mesmo assim, existe um consenso que a língua escrita, livros, revistas e jornais são escritos pelo idioma oficial.  Na televisão existem algumas variantes mas os jornais televisivos são baseados no “Árabe Moderno” que constitui esse idioma oficial, o mesmo é também ensinado nas escolas (madrassa) e Universidades. O interessante aqui é que as variantes e dialétos não costumam se escrever, apenas falar (vernáculo) apesar de tantos conflitos, ficou convencionado que a escrita se faz pela língua oficial. Analogicamente seria como se o Chico Bento fosse escrever uma carta e para isso usasse o padrão culto do português, em vez do seu “linguajar” conhecido.

Diversos outros idiomas possuem  situações semelhantes ou até piores, como o Italiano com nove dialetos oficiais ou o Espanhol. Dentro da Espanha existem o Catalão (Catalunha) e o Euskara (país Basco), os quais lutam para serem reconhecidos e fazem parte da luta pela Independência dessas duas importantes regiões,  que hoje já estão autônomas. Utilizei a expressão “piores” devido ao tamanho dos países em questão: a Itália é um pouco maior que o Rio Grande do Sul e a Espanha caberia tranquilamente dentro da Bahia, por isso afirmo que os nosso “regionalismos” são até bem definidos e poucos se levarmos em conta a nossa grande extensão territorial.

O Brasil hoje

Um aviso, o Brasil hoje não é nem semelhante ao panorama da Rússia no ínício do século XX, antes da revolução, no qual havia uma elite Burguesa e Aristocrática que costuma falar francês apenas para se distinguir do resto da população. No Brasil, a elite fala um português tão ruim tanto quanto o resto da população, se torna um pedantismo querer cobrar dos outros aquilo que você mesmo não faz. Basta verificar as “redes sociais” e as colunas de “fofocas” para se deparar com as “pérolas” utilizadas pelos nossos governantes, artistas, atletas e empresários.

Não cabe aqui se falar em “preconceito linguístico” apenas para induzir uma luta de classes, um modo perverso de difundir teorias marxistas e ideologia barata. Os ojetivos de ideias como abolir os “erros de português” e de que o padrão da língua é feito através de uma “imposição” é apenas o de criar um exército de “analfabetos funcionais”, como foi divulgado recentemente através de pesquisas que mostram o aumento do analfabetismo no Brasil. Pessoas fáceis de se conduzir e que trocam votos pelo paternalismo governamental.

Qual a finalidade do Padrão Culto da Língua

O Padrão Culto da Língua é um eixo central que faz a ligação de todos os outros padrões, independente da localização e do tempo, ou seja é uma importante ferramenta geopolítica e histórica. As pessoas se conectam mais facilmente ao terem esse conhecimento e aquilo que é produzido, não importa a área, pode ser democraticamente distribuido. Ao eliminar a padronização, não existiria a uniformidade que dá ao idioma o aporte de ser único.  O ensino da norma culta não é uma imposição e sim, uma necessidade, não importa a área que sigam os alunos, o uso será impreterível e ficará arraigado no interior de cada um. Você pode enviar um SMS sem acentos ou “ç” mas saberá usar muito bem os recursos da língua quando for necessário. Num TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) por exemplo.

Egrégio Professor

Vi em um artigo, uma breve citação ao grande Professor Pasquale Cipro Neto, o qual tive o prazer e a honra de ser seu aluno. Não acredito que o mesmo tenha simpatia por tais ideias pois me lembro muito bem de suas aulas e da história que ele costumava contar. Professor Pasquale é descendente de italianos e quando viajava em passeio para a casa de seus parentes na “Bella Italia”, costumava ser censurado pelos seus parentes. Fato este que o indignava, pois eles cobravam que ele falasse corretamente o “italiano”, mas ele é brasileiro e sobretudo professor de Português e encerrava dizendo, “como gostaria de ver a nós, brasileiros, defendermos com a mesma paixão o nosso idioma, como os italianos defendem o deles”.

Aos estudiosos

Meus mais sinceros votos de apreço e simpatia por aqueles que responsavelmente estudam o nosso idioma, Pesquisadores e Professores. Quero pedir desculpas pelo modo tempestuoso de minhas palavras mas o tempo pede medidas extremas. O estudo da língua se faz necessário e é importante, as mudanças sempre ocorreram e sempre irão ocorrer, contudo não existe uma bola de cristal para conhecer seus efeitos:

1- A inovação será aceita pela maioria;

2- A inovação irá substituir algum padrão anterior;

3- Isso será permanente ou apenas um mero modismo.

A história está repleta de casos que demonstram isso, casos que fortuitamente mudaram o panorama de algum idioma, no Egito Antigo, a escrita Hierática deu início ao fim dos hieroglifos, no Japão, as escritas Hiragana e Takatana não conseguiram substituir o complexo Kanjin e hoje existem em harmonia. Digo isso, pois existem pessoas que acham que a escrita abreviada do SMS e do MSN podem alterar a forma de escrevermos o português futuramente. Será? Quem pode afirmar isso concretamente? Quem viver, verá!

Nunca houve um período tão bom para a Linguística, a Internet integra de forma instantanea os mais longínquos pontos, os materiais e os textos abundam pelas redes, quem quer aprender, basta pesquisar. Apenas um aviso de cautela! Como dizem: “se fosse para levar a sério tudo o que “curtem” nas redes sociais, nós todos seriamos bons, bonitos e … adorariamos gatos!!!

“Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.”  Voltaire

O Espelho

Segundo alguns especialistas em Educação Infantil, a criança descobre quem é ela somente após descobrir o outro. Se ele é menino, irá entender isso depois de conhecer uma menina, se é baixo é porque alguém é mais alta e assim por diante. Mas essa forma do cérebro funcionar tem seus pontos negativos e alguns dos pontos de maior controvérsia entre os humanos começa aí. A pessoa ao se distanciar do outro e enxergar nele o diferente também irá projetar aquilo que não quer em si no outro. A hipocrisia, a mediocridade e o egocentrismo começam nesse lugar. Cada uma delas pode ser vista por essa projeção: na Hipocrisia vemos a máxima “Faça o que eu mando, mas não faça o que eu faço”, imortal frase de do “Sermão do Sexagenário” que fala sobre a Igreja Católica mas serve para todos nós. Na mediocridade temos o caráter imediatista e pragmático de só fazer aquilo que lhe trará algum retorno, a preguiça de alcançar maiores objetivos e de alçar voos​ mais altos. No Egocentrismo existe algo um pouco pior, a pessoa que o tem, não pensa apenas em si como centro do Universo, mas pensa em prejudicar o outro, sua felicidade não reside em apenas vencer mas em derrotar alguém. Ser o primeiro no pódio não será suficiente se não houver um segundo lugar.

Estas falhas de caráter podem ser vistas em diversas situações, em menor ou maior grau, como no preconceito, nas perseguições ideológicas, no fanatismo religioso e nas torcidas organizadas.

Somente quando se alcança o sentimento de empatia, se colocar no lugar do outro, é que podemos ajudar a nós mesmos ajudando outra pessoa. Descobrimos quem somos ao descobrirmos que existem pessoas diferentes de nós e nos redescobrimos ao procurar semelhanças na dor das outras pessoas.

  • Calendário

    novembro 2017
    S T Q Q S S D
    « nov    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    27282930  
  • Ich bin