Relativismo, mas nem em Contos de Fadas

meu-malvado-favorito

O que mais me preocupo nesses tempos é quando a farsa comunista tem como alvo pessoas inocentes e indefesas como as crianças e adolescentes. Com a produção de desenhos nos quais as histórias são re-escritas com alterações nas posições dos personagens ou quando novas histórias são criadas com pontos de vista questionáveis.

Para quem já conhecia as histórias infantis, isso parece ter um mínimo impacto, porém para aqueles que estão construindo seus valores morais, isso pode ter consequências graves em seus julgamentos futuros e o torna mais suscetível aos processos de doutrinação criados pelo esquerdismo.

Vamos dar como exemplo uma frase que se popularizou na internet:

“O Lobo continuará mau, se você só ouvir a versão da Chapeuzinho Vermelho.”

Primeiro chamo a atenção para a minha escolha, “popularizou” em vez da que se esta em uso corrente e “politicamente correta”, o termo “viralizou” que é uma mostra clara da cafajestice esquerdista. Usar termos próprios de alguma matéria como medicina em situações cotidianas são sinais de que é um texto comunista tentando se dar ares de “cientificismo” ou de matéria que não poderá ser contestada. Pois o neologismo usado está fora de seu respectivo contexto o que o torna estranho para uma devida resposta.

Essa frase acima é de uma total cafajestice e safadeza, resposta curta e grossa, vá para qualquer cadeia e veja quem são os indivíduos que lá estão, suas histórias de vida e se são mesmo “inocentes” como alegam. Mesmo tirando uma pequena minoria de erros judiciais, a maioria não é nem um pouco inocente. Acordem e cheirem esse café!

Para complementar ainda, existem pessoas categorizando como “preconceito” o fato de não termos obrigação de nos socializarmos, muito menos os nossos filhos, com qualquer pessoa devido a sua aparência. Aqui vale o conselho da vovó:

“Não converse com estranhos.”

Isso mesmo e nossas avós não davam a mínima para a aparência da pessoa e essa regra hoje vale também para a internet, não aceite convite de estranhos, seja em qualquer rede social.

Para encerrarmos, vale lembrar o que diz a Ponerologia (estudo do mal) sobre os comunistas e “idiotas úteis” (seguidores fieis da esquerda que nem sempre assumem isso), não dialogue ou discuta com esse tipo de pessoa, diferente dos seres humanos normais, quando em situação de confronto ou stress, as áreas do cérebro deles que são estimuladas, estão relacionadas com a dialética e a fala, por isso não possuem culpa ou empatia ou qualquer resposta emocional que seria inerente a uma pessoa qualquer. Eles respondem como se as ações ou opiniões deles fossem absolutamente normais, mesmo prejudicando outras pessoas ou até mesmo, mentindo.

Para mostramos, vale uma lista de desenhos animados que são de moral duvidosa: Shrek (todos eles), Deu a louca na Chapeuzinho, Megamente, Meu malvado favorito, Valente e outros. Chamamos a atenção que nem sempre a história é de toda contra a nossa moral e costumes, porém esse é o maior perigo, aquelas que tentam dar como certo pequenas noções de que ser um pouco “mal”pode ser o certo.

Na vida hoje, para se ter sucesso em qualquer empreendimento, seja nos estudos ou no trabalho, o que importa são os nossos valores. Isso fica bastante claro quando lemos livros como “O Monge e o Executivo”e melhor ainda quando assistimos pessoas que estão pondo na prática esses valores e colhendo resultados, como o Sr. Carlos Brito, CEO da AB InBEV, antiga AMBEV.

“Que tempos são estes, em que temos que defender o óbvio?” Bertolt Brecht

 “O óbvio é aquilo que ninguém enxerga, até que alguém o expresse com simplicidade.” Khalil Gibran

 

 

Internet: mãe ou madrasta “má”

Os ensinamentos implícitos na rede

Se existisse uma materialização antropomórfica (forma humana) da Internet e essa fosse a sua casa oferecer os serviços de babá. Pelo amor de Deus! Esconda as suas crianças, não poderia existir babá pior!

Desculpem pela dramatização inicial mas é isso que realmente vemos no uso da Internet. Independe das belas mensagens, dos pensamentos de pessoas ilustres ou das fotos de gatinhos, a Internet é uma “má” orientadora no quesito “hábitos”. Ou seja, não é aquilo que acessamos que nós dá as maneiras, mas como nós realizamos essas tarefas.

Não é preciso ser Hacker para ser um “cybercriminoso”, o que se dissemina pela rede são as sutilezas de diversos mal hábitos, como as três maiores mentiras:

  • sou maior de dezoito anos;
  • lí e concordo com os termos do contrato;
  • Status: ocupado.

Esses são alguns pequenos exemplos, como também, os códigos para se usar um programa de graça, dar vida infinita a um personagem de jogo, espionar as mensagens do facebook do(a) namorado(a), baixar filmes de graça, copiar trabalhos e certidões de graça e apresentar como seus, etc… etc.. etc… ad infinitum.

Muitas pessoas imaginam que essas ações não geram, muitas vezes, prejuizo para ninguém e são tidas até mesmo como engraçadas. Porém, convenhamos, quando as crianças e os jovens entram em contato com o mundo virtual, que tipo de lições estão recebendo. Quais valores estarão cultivando e que exemplos irão seguir.

Apesar da idéia de muitos, valores não têm propriedade, não possuem nem dono nem “marca”. A ética não é privativa a algum grupo ou o caráter é característica que apenas cobramos nos outros. Recentemente li que “um bom vocabulário” é um valor “burgues”. Isso sim é um preconceito, ou esquecemos que “bom vocabulário” é também quesito para os “operários da língua” como jornalistas e escritores.

Podemos alterar essa imagem

Como o mundo virtual é mais um mundo multimídia, onde imagens, sons e idéias se mesclam, ele fascina mesmo a nós, usuários.  Aprender a “navegar” vicia e contagia, apesar de contrariando Fernando Pessoa, navegar não é tão preciso, quando falamos de sites, chats e e-mails. Um mundo de possibilidades, uma biblioteca que possibilita pesquisar um item em diversos livros ao mesmo tempo. Imaginem o avanço que isso representa para a humanidade, há alguma décadas, isso era apenas um sonho. Isso é que o torna um mundo “perigoso”, pessoas mal intencionadas ou até mesmo, nossa própria curiosidade pode nos armar diversas ciladas. Para que isso não ocorra, o que devemos fazer?

  • nos policiarmos a nós mesmo (sejamos vigias de nosso uso da internet);
  • estabelecer horários para navegar ( se não conseguir isso é porque o negócio é “vicio” mesmo);
  • qual a proporção entre a nossa vida social “real” e “virtual”. Você tem mais amigos no face ou no bar?
  • que tipo de lições repassamos para outras pessoas, burlar regras e “piratear” conteúdos.
  • teria coragem de agir da mesma forma na vida real? Uma auto-avaliação pode fazer bem!
  • quais os exemplos que você dá para os seus filhos? Mostra que nem tudo que se faz no mundo virtual vale para o mundo real?
  • reserva um tempo para atividades positivas, leitura e vídeos que melhorem seu “astral” ou só procura as tragédias?
  • somos o que fazemos ou fazemos o que somos? Nossas atitudes realmente demonstram nossa opinião ou apenas seguimos as tendências da rede?

A ditadura do “politicamente correto”

Como diz o filosofo Olavo de Carvalho, não importa mais a nossa idéia, desde que seja a mesma idéia dos outros. Estamos vivendo uma “ditadura democrática”, onde os outros mandam em nossa mente e censuram nossa palavras. Um mudo de rótulos, que para poder ser contra ou a favor, você deve seguir algum quesito mínimo. Se é “contra o aborto” você precisa ser católico e cristão, se fala de disciplina, é reacionário, se gosta de mulher, é ‘tarado’. Um mundo de exageros e idéias “pré-concebidas”, não existe a tolerância, o questionamento, a busca de razões do outro, apenas o seu próprio ponto de vista, mesquinho e egoista.

Pessoas são “crucificadas” nas redes sociais apenas por causa de suspeitas de vizinhos e os casos acabam na justiça! Como isso pode? Não somos todos falíveis, ou como disse o Papa Francisco, “somos todos pecadores!” Antes de julgar qualquer um, devemos analisar as nossas próprias atitudes. O que fariamos se estivéssemos no lugar dele? Aonde foi para a empatia e a condescendência?

Gostar dos outros e das opiniões alheias não é uma obrigação, mas respeitar é. Principalmente para os grupos que só gostam de exigir, mas não aceitam nenhuma contrariedade.

Existe um tempo e uma medida para tudo

Dos “crimes” cometidos pela Internet, esse é o pior, o exagero, até mesmo a água em demasia, afoga! As coisas feitas de forma extravagantes ou fora do tempo não são saudáveis, beber em excesso causa cirrose, comer em demasia, ou causa “dor de barriga” ou uma “obesidade móbida”.

Para podermos criticar, temos de conhecer; para podermos falar, precisamos primeiro ouvir! Assistimos tudo invertido, os jovens aprendem cedo a exercer a criatividade mas sem conteúdo, os resultados das provas do ENEM são gritantes. Muitos pensam até que são feitos apenas por mera  gozação! Que preparação esses jovens estão tendo?

Amar é bom, carinho é bom! Mas, como disse, tudo tem limite, confunde-se tudo, confudem amizade com sexualidade e sexualidade com promiscuidade! Pronto, já tem manifestante de boca aberta para gritar alguma frase em pró a “liberdade”, que “liberdade”! Como dizia minha mãe: entre quatro paredes, pode tudo! Mas não é isso que eles querem, não! Eles querem agredir, incomodar, desestabilizar o sistema!

O valores não pertencem a uma classe social ou um grupo, a amizade é algo tão valioso para vender tão barato, estimem aquilo que possuem, você não escolhe a família em que foi criado, não escolhe o amor da sua vida mas os seus amigos, você pode escolher!

Caros colegas, “projetos” de “revolucionários”, o sistema é formado por todos, por mim, por vocês, aquilo que vocês estão derrubando não é a casa do vizinho, não! É a sua própria casa que está caindo, que futuro querem criar para vocês mesmos. Uma analogia bem boba, a sociedade é um sistema dinâmico, ou seja, precisa da atuação de todos para continuar em frente, isso é, parece com uma criança andando de bicicleta, se ela parar de pedalar, acaba caindo!

O valor daquilo que adquirimos

Por mais que não gostemos do sistema, que critiquemos o Capitalismo Selvagem e as suas consequências na Sociedade Moderna, ele é imprescendível para o nosso modo de vida. Trabalhar e obter um ganho monetário é condição “sine qua non” ( necessária ) para sobrevivermos, ou seja, adquirir bens e serviços, desde os mais básicos até os mais supérfluos. Todos sabem disso, mas no momento em que navegam pela Internet, os ícones coloridos se tornam figuras sedutoras que nos induzem a querermos o contrário.

Por mais interessante e vantajoso que seja adquirir um bem ou serviço por um pequeno valor ou quase zero, devemos nos lembrar de certas leis ou regras. Nada pode ser tão bom se for oferecido de graça, ou seja, como diziam os antigos: “esmola demais, o Santo desconfia…

Nesse caso, não podemos exigir muito daquilo que nos é oferecido por tão pouco, pois pode haver alguma outra razão por trás. A primeira regra nesses casos é desconfiar de tudo.

A desconfiança como regra de sobrevivência

Antigamente, os homens temiam aquilo que não enxergavam ou aquilo que não conheciam, no caso da Internet, os perigos estão bem visíveis, na verdade são coloridos e em alguns casos, piscam, dançam e nos convidam a entramos em sua boca e descermos garganta abaixo.

Temos de nos policiar, pois as facilidades estão na nossa frente, não adianta falar que isso não é certo ou aquilo não é lícito se acabamos sempre entrando em mais uma “pirâmide” para ficarmos milionários ou acreditamos nas mais absurdas fofocas. A lição de vida do Facebook é “somos livres para curtir e compartilhar aquilo que gostamos e aquilo com que concordamos mas não somos obrigados a concordar com tudo.

Nesse caso, devemos obrigação apenas com a nossa consciência e os nossos próprios valores, não adianta concordar com os outros só para fazer bonito ou ser “politicamente correto“. Que age assim é demagogo, não pode ser de confiança pois sempre mudará de opinião. A verdade é sempre coerente e não muda de cor, de lado ou de sabor, apenas porque o personagem é outro. Para cada direito reinvidicado existe um dever a ser cumprido, a cada vantagem adquirida, existe algo que devemos abrir mão.

São inicialmente regras de vida, mas com cuidado e boa vontade, podem servir de baliza para podermos navegar pela rede com segurança e para podermos realmente retirar algo produtivo dessa jornada! Boa Sorte!

“Na internet todos são filósofos, poetas, inteligentes…
Na internet todos são belos, felizes, muito ocupados e bem sucedidos.
Sei não… Acho que eu vou me mudar pra lá.” Christian V. Louis

Previsivelmente irracional

A mais pura verdade sobre a desonestidade

Dan Ariely, entre o racional e o mal…

Este dois são os títulos dos últimos livros de Dan Ariely que mostram como o ser humano, mesmo com ética realiza atos irracionais e desonestos. Na vida profissional como também no dia a dia somos forçados o tempo todo a tomar decisões e essas decisões são realizadas pela comparação de valores subjetivos.

Os testes realizados em faculdades obtiveram resultados bastante interessantes, como afirma Dan Ariely, que a possibilidade de ser pego não diminui a propensão ao roubo e a distancia do dinheiro vivo influência, quanto mais longe, maior a possibilidade.

Também conclui que o ser humano, por diversas razões, rouba menos do que poderia e que prefere transferir a culpa para terceiros. Como um Robin Hood, que ao distribuir o produto do seu feito, distribui também uma parcela da sua culpa.

O autor afirma que a nossa própria imagem é um fator, o nosso lado racional quer o benefício físico do roubo, mas o nosso lado irracional precisa de uma auto avaliação positiva, por isso formulamos desculpas para nós mesmos. Como no caso de uma vingança, para que o ato se pareça como moralmente aceitável.

Uma interessante descoberta foi quanto a criatividade, a pessoa com mais criatividade tende a realizar mais atos ilícitos, não por causa de criar melhor as situações, mas porque cria melhores desculpas para ele mesmo. E isso seria independente de sua inteligência. Como também, o caso de modelos (exemplos) criam situações muito expressivas, a introdução de um indivíduo que rouba em um grupo causa uma verdadeira epidemia, ou seja, suas ações inevitavelmente serão copiadas pelos outros. Dan conclui que a teoria da “vidraça quebrada” é realmente um precursor de maiores delitos.

Tal teoria pregada pelo ex prefeito de Nova York, Juliane, diz que se uma casa tem uma vidraça quebrada e esta não for consertada, isso dará motivo a outras ações ilegais, como roubo e até mesmo invasões. Devido a isto, ele introduziu uma política de segurança denominada “tolerância zero”, que ao coibir pequenos delitos, os infratores não teriam a chance de progredir em realizar maiores crimes. Sua ação teve efeitos bastante positivos durante o seu mandato.

Dan Ariely encerra o livro mostrando que as formas tradicionais de controle, como fiscalização não conseguem coibir a decisão de realizar ou não um roubo, mas que os conceitos morais mostrados de forma repetitiva podem surtir melhor efeito.

As decisões humanas seguem padrões irracionais e previsíveis, pois seguem um sistema relativo, como ele resume na seguinte frase, “Relatividade é a tendência de estimar o valor das coisas de acordo como elas se comparam com outros itens.”

Em duas opções, a pessoa deveria escolher de forma racional, mas ao introduzir uma terceira, a decisão será pela que mais se pareça com uma das duas primeiras, ou seja, sem racionalidade, apenas um impulso emocional. No caso de preços e salários acontece o mesmo, o valor que você percebe depende do valor que os outros possuem. Se você compra um aparelho por X, mas seu vizinho compra por X+1, você acredita que foi uma boa compra. Numa situação contrária, mesmo  se você sabe que o preço pedido é o melhor do mercado, ao descobrir um valor menor, você ficará inevitavelmente despontado e com inveja.

“Nossa felicidade depende, não só do que temos, mas do que não temos e que for de fácil comparação.” Ou seja, Dan conclui que o ser humano não faz analogias complexas, apenas comparações simples para calcular se teve vantagem ou não e com isso modifica o seu “status” emocional.

  • Calendário

    junho 2017
    S T Q Q S S D
    « nov    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    2627282930  
  • Ich bin