Nada é por acaso

Somos escravos de nossos hábitos, tenhamos bons hábitos

O cientistas insistem em dizer que o ser humano se apaixona devido a hormônios e que um encontro com outra pessoa seria um apenas um catalizador de uma reação química que provoca uma explosão de sensações e por final, um encontro amoroso.

Mas para um artista, o cenário é muito mais complexo, uma escolha de um determinado trem, o abrir de uma porta, o sair mais cedo do trabalho, ou seja, fatores e variáveis que sozinhas não dariam impacto em sua vida, mas que somados a outros pequenos fatores, juntos dão incríveis resultados.

Quem sabe o que irá acontecer a ele, amanhã, hoje a tarde ou daqui a cinco minutos, você pode virar uma esquina e encontrar o amor da sua vida. Tudo pode mudar em uma única partida, como um jogo de cartas marcadas. Por isso o lema, “somos escravos de nossos hábitos, tenhamos bons hábitos”, seria uma maneira de amenizar tais efeitos, apesar da intensidade do que pode ocorrer.

As pessoas tidas como “realistas”, na maioria das vezes são simplesmente “pessimistas”, os otimistas vivem no mundo da lua e a vida. Como fica? Tão complexa e maravilhosa, não para de dar demonstrações de ligações misteriosas, fatos matematicamente impossíveis e situações inimagináveis que não seriam aceitas, se não fossem a pura verdade.

Que chances, um médico popular na Inglaterra teria de se tornar ditador em um país árabe, foi essa a história do controvertido Bashar Al Assadi, presidente da Síria, que atualmente enfrenta a sua pior crise. O mesmo pode se dizer de um médico argentino, que adorava viajar e conhecer povos diferentes, acabou libertando um povo de uma ditadura e foi caçado até a morte, a vida de Ernesto ” Che” Guevara. Apesar de sermos milhões no mundo, como certas pessoas são atraídas para determinadas situações.

Uma criança é sequestrada com 14 anos, ele foge e promete se vingar, fato que cumpre anos mais tarde, não se é provado que tal situação ajudou a moldar a sua personalidade, mas o que se sabe é que tudo o que prometia, ele cumpria, como atravessar um rio e quebrar uma lei antiga. Nenhuma legião romana poderia atravessar o Rubião, limite ao norte de Roma, o qual nenhum general romano poderia atravessar com suas tropas. Feito isso, entrou para a história como o Conquistador, Júlio Cesar.

Um rapaz que monta uma empresa na garagem da casa dos seus país, que chances tem de subir na vida? Muitos, diriam, nenhuma, mas não é o que conta a biografia de Steve Jobs. Casos de acidentes que dão certo, como a invenção do telefone. Graham Bell queria construir um aparelho para pessoas com surdez ou a Coca-Cola, criada inicialmente como medicamento, um tônico cerebral.

A própria Internet, aonde você pode encontrar tudo isso e muito mais, não existiria se não fosse uma série de “acidentes” e o empenho de pessoas que com objetivos distintos, acabaram criando um bem em comum. O exército entrou com a logística, as faculdades, com o compartilhamento de informações e comunicação científica e os cientistas com as ferramentas técnicas e muita teoria.

Agora, a Internet é hoje, fruto da ação de cada um de nós, as redes sociais não teriam seu sucesso sem a presença humana de seus usuários. Apesar da censura, dos grupos econômicos e dos governos, nós somos os responsáveis pelo destino de toda a humanidade!

Anúncios