Ironias da vida, a história por testemunha

“Deus não age sem uma certa ironia” 

A maior testemunha dessa frase, sem dúvida é a história humana, os acontecimentos em sequências estranhas, parecem ser orquestrados para darem sempre um certo ar “cômico“, como se fossem previamente planejados.

Diversos fatos apontam para que, movimentos considerados “tradicionais“, acabam por fornecer as melhores evoluções e personagens tido como “modernistas” acabam se tornando apenas precursores do sistema ou na pior das hipóteses, um retrocesso. Foi em governos monárquicos que aconteceram as maiores “revoluções“, como a Revolução Industrial, o uso da máquina a vapor no transporte, a popularização do rádio como forma de comunicação de massa, entre outros.

De tal fato, nem o Sumo Pontífice escapa, Bento XVI, considerado a principio, até mesmo “ortodoxo” por certos movimentos, parecia ser tradicional e sempre delimitado pela regras, nos brinda com uma decisão “revolucionario”, o de “abdicar” da cátedra de São Pedro.

A renúncia do Papa Bento XVIPope Celebrates Solemnity Of The Epiphany

Tal foi o andamento de seus trabalhos, tanto como catequista, doutrinário e até mesmo escritor que ele deve ter chegado a um impasse, e tal era quantidade de trabalho que ele começou a exigir de si mesmo e esse mesmo trabalho refletia em sua posição de Sumo Pontífice que ele começou a se preocupar em que ao perder as “forças”, não estaria mais a altura de manter essa demanda de homilias, encontros e audiências, como também manter as celebrações litúrgicas relativas ao seu cargo. No caso dele não mais exercer as suas atividades, outros assumiriam, mas seriam apenas cardeais e bispos, que agiriam de forma “executiva” sem vontade ou poder para alguma inovação ou medida mais radical.

Outro ponto importante, o final da vida de um Papa não é nada fácil. Qualquer que seja os males que sofra, ele é uma pessoa famosa, sua vida particular é vista como alvo da mídia e esta, diferente do chefe de Sua Santidade, Deus, não perdoa. Ele teria os pormenores de seu sofrimento revelados em periódicos e impressos em todo o mundo. Talvez para uma pessoa tímida, como fora a vida do Cardeal Joseph Ratzinger, possa ser algo assustador. Nem todos tem vocação para Santo, como o Beato João Paulo II e aceitem dividir com o público a cruz que carregam.

Um modernista reacionáriofoto-oficial-presidente-barack-obama-1352139665118_300x300

Um personagem atual que mostra o lado contrário, seria a do Presidente norte-americano, Barack Obama, figura singular desde a sua eleição, como o primeiro Presidente negro na Casa Branca, até o momento, não conseguiu conduzir o governo na forma desejada. Suas medidas e sua posição em assuntos polêmicos, é timida, como no caso da prisão de Guantanamo em Cuba, que era uma promessa de campanha que a fecharia, mas o assunto se arrasta e muitos prisioneiros aguardam algum tipo de desfecho. Esses prisioneiros que formalmente não foram acusados de nada, apenas suspeitos de terrorismo são o mais puro exemplo de violação dos direitos humanos que o governo americano tanto tenta defender em “outros” países, mas não em sua própria terra. Os escandalos nas forças armadas e o seu “histórico” parceiro Israel, mostram que ele não é o “liberal modernista” que teve a imagem propagada em sua campanha eleitoral. Apenas outro Presidente Busch, apenas em novas cores.

Anúncios

Sindrome do Herói Solitário

Continuando: Somos todos manipulados007-skyfall

Um dos clichês mais utilizados por Hollywood em suas produções é a imagem do herói solitário, aquele indivíduo que sozinho luta contra o mundo, por uma vingança ou por alguma injustiça que tenta consertar. Teoricamente, ele luta pelo bem comum, mas na verdade, é bem egocentrico.

Algumas características desse tipo de papel são as frases de efeito e a ênfase nas cenas de ação, mas apesar de parecer o “super-homem”, esse tipo de herói não consegue resolver problemas comuns a todo o ser-humano, como no caso de Bruce Willis em “Duro de Matar”, em que ele não consegue manter seu casamento apesar de salvar um monte de gente.

Um dos piores defeitos desse tipo de papel, é a vingança. Por pior que seja a vida de uma pessoa, pior que seja a sua perda, a vingança nunca resolve. Essa característica é vendida em pacote, junto com o princípio de liberdade dos norte-americanos. Uma liberdade extremamente relativa, na qual, eles podem interferir em qualquer país do mundo, mas não aceitam críticas ou qualquer tipo de interferência em seu país.

O herói pode fazer qualquer coisa, quebrar todas as regras e violar todas as leis, como também ser rebelde e não aceitar ordens de seus superiores, ou seja, um total mal exemplo. Apesar de ser vendido em larga escala e o pior de tudo, aceito pela grande maioria.

A idéia de que o “sistema” é sempre errado e que “poda” a liberdade individual é colocado em contra-ponto com o princípio de que o governo “norte-americano” é o único correto no mundo. Mesmo num futuro distante, quando fizermos parte de uma confederação de planetas. Um dos personagens que tenta ser diferente, justamente pela sua construção, é James Bond, o agente 007 faz parte da elite do grupo de espionagem conhecido como MI-6, apesar de sua rebeldia acaba sempre obedecendo o seu superior. Sua lealdade é sempre posta em prova e de forma discreta ele critica o governo norte-americano. Como quando encontram uma arma nuclear que a CIA teria perdido.

RESUMO

Particularmente, gosto de assistir tais tipos de filme, mas compreendo até que grau pode se assimilar suas ideias, como passatempo pode ser bastante interessante mas como lição de vida, deixa a desejar. Devemos separar o que é real da pura ficção. Nem sempre, sermos um Robin Hood ou Indiana Jones pode ser válido na vida real, pois se esses heróis existissem mesmo, acabariam presos.

  • Calendário

    outubro 2019
    S T Q Q S S D
    « ago    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031  
  • Ich bin