Crise religiosa ou crise de Fé

Atirar no que viu e acertar naquilo que não viu

Parece muito confusa, a  atual paisagem da fé em nossa sociedade moderna e digital. Após os dois últimos séculos, quando a fé havia perdido terreno para a razão e para o ceticismo e tudo o que se dizia espiritual fora classificado como “superstição” ou tradição “boba”, isenta de explicação lógica. Aparece a ciência quântica que revela que, o que nem sempre conseguimos explicar pode realmente existir, o que me lembra a frase abaixo:

“Achar que o mundo não tem um criador é o mesmo que afirmar que um dicionário é o resultado de uma explosão numa tipografia.” Benjamim Franklin

Apesar de anterior a época citada, ele foi direto ao ponto. E hoje, muitas pessoas estão retornando para antigas tradições e devido a pressão, Sua Santidade, o Papa, promulgou a carta Apostólica Motu Proprio, que autoriza a missa em latim em comunidades, as quais haja pedidos de fieis para a realizarem.  Segundo as palavras do próprio Sumo Pontífice:

Nas paróquias onde haja um grupo estável de fiéis aderentes à precedente tradição litúrgica, o pároco acolherá de bom grado seu pedido de celebrar a Santa Missa segundo o rito do Missal Romano editado em 1962.

Desta maneira a liturgia Romana passa a ter a Forma ordinária e extraordinária de celebrar. A Ordinária é aquela em vigor atualmente e, a extraordinária, o rito de Pio V, que tem como diferença a obrigação do Latim, calendário litúrgico e o Lecionário.

Ou seja, ao contrario de outras declarações,  Sua Santidade, não instituiu dois ritos e sim, duas formas de se celebrar a Santa Missa. Existem os que entendem isso, existem até os que aceitam, mas há muitos que não entendem, por isso, acredito, haja tantas discussões a respeito.

Ao puxar esse fio, Sua Santidade, está começando a desfazer um rolo. Um rolo que começou lá traz, no Concílio Vaticano II (CVII), cujo próprio Joseph Ratzinger participou como teólogo perito. E cinquenta anos depois, como Sumo Pontífice ele está aqui, aparando as arestas do Concílio. A maior dela é A Fraternidade Sacerdotal São Pio X, que manteve as tradições pré conciliares, como dito pelo seu fundador o Cardeal Dom Marcel Lefebvre. Rompendo assim com a Igreja dita “moderna” e criando um “cisma”, pois continuaram a ser Católicos, Apostólicos e Romanos pois diferente da Igreja Anglicana, cujo superior, seria o Rei da Inglaterra, a autoridade máxima continua a ser do Santo Padre.

Existem negociações a respeito, como a visita de Dom Bernard Fellay ao Vaticano e os comentários pululam em ambos os lados. Creio muito na capacidade do Santo Padre e que ele não tenha sido colocado neste posto em vão, pois muito mudou desde sua nomeação. Os jovens da geração Internet, procuram por uma fé que lhes foi negada pelos seus pais, a geração Hippie (filhos do Rock com Coca-cola), uma espiritualização com os pés no chão, algo que faça sentido e gere um êxtase (no bom sentido) religioso.

A volta do rito extraordinário é algo muito positivo, pois ele mantém a sacralidade e o mistério, próprios de um ambiente de introspecção e humildade. Condutas estas necessárias a quem quer realmente falar com Deus.  Este rito, apenas para exemplificar, foi defendido por muitos fiéis como minha mãe, que defendia a volta do modelo pré concílio, mas em sua época, não havia muitos que dessem ouvidos. A modernidade parecia um vírus que havia apanhado a todos.

Ao ler os manifestos de muitos católicos, me espanta o medo que possuem de festas como o Halloween, particularmente, tenho a mesma opinião do Carnaval, que na Idade Média, foi proibido pela Santa Sé. Mas nós bem sabemos que muitos que pulam Carnaval na terça-feira, estarão presentes na Igreja na quarta-feira de cinzas e até jejuam na sexta-feira Santa. Portanto como cristãos, não podemos ser cúmplices, mas devemos receber a quem desejar receber a verdadeira comunhão.

“…um cristão que se deixa guiar e plasmar pouco a pouco pela fé da Igreja, apesar de suas fraquezas, suas limitações e suas dificuldades, torna-se como uma janela aberta à luz do Deus vivo, que recebe essa luz e a transmite ao mundo.” Bento XVI, Catequese sobre a Fé da Igreja.

Se eu não pulo Carnaval, não vou voltar a cara para quem o faça, tenho que discernir bem, antes de julgar e quem sou eu para julgar?

Agora, o mais triste, são os ataques que sofremos por quem se diz “cristão”, mas não possui fé alguma. Até age como se o fosse, mas emite opiniões contrárias. Quando bendizemos Nossa Senhora, mãe de Nosso Senhor, a Virgem Santíssima, logo escutamos algo como, “superstição” ou “crendice”. Mas quando alguém fala, isto é do “cujo”, ou qualquer outro nome que queiram usar. Perdão, mas por respeito, não misturo na mesma frase, o nome Dela com coisas diferentes. Logo tem alguém confirmando:

– É isso, é verdade! Como se aquilo que veem de Deus fosse mentira, e aquilo que vem do pai das mentiras, fosse verdade. Mas quanta *@#@&%$¨, desculpem caríssimos Leitores, mas o que pensei é impronunciável, mesmo escrito.

O que devemos “combater”, sem violência, é claro! São os pronunciamentos contra a nossa fé, os ditos “cristãos” que em nada creem e não sabem o que é hermenêutica, a interpretação concisa e disciplinada das palavras sagradas. Como bem disse o Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Dom Gerhard Muller, a respeito de nossa conduta em frente a pessoas de outras religiões:

“Para um cristão, o respeito pela religiosidade dos outros não significa e não deveria significar uma renúncia à própria fé, à própria identidade e à verdade definitiva recebida, através da Igreja, na Revelação de Deus”.

Ou seja, nas devidas formas, revelarmos nossa situação como cristãos, Católicos, Apostólicos e Romanos e que não concordamos com opiniões contrarias a nossa fé, como no caso dos Santos.

“A Igreja católica, no seu ensino teológico, determina tudo isso com uma exatidão matemática.

A adoração, do lado de seu objeto, divide-se em três classes de culto:

1. culto de latria (grego: “latreuo“) quer dizer adorar – É o culto reservado a Deus

2. culto de dulia (grego: “douleuo“) quer dizer honrar.

3. culto de hiperdulia (grego: hyper, acima de; douleuo, honra) ou acima do culto de honra, sem atingir o culto de adoração.

A latria é o culto que se deve somente a Deus e consiste em reconhecer nele a divindade, prestando uma homenagem absoluta e suprema, como criador e redentor dos homens. Ou seja, reconhecer que ele é o Senhor de todas as coisas e criador de todos nós, etc.

O culto de dulia é especial aos santos, como sendo amigos de Deus.

O culto de hiperdulia é o culto especial devido a Maria Santíssima, como Mãe de Deus.”

Para quem se interessou, este texto é da Igreja On-line, portalcot.com, que com todo respeito, copiamos aqui para tentar esclarecer um pouco mais esse assunto. O texto original possui muito mais argumentos para aqueles que gostam de ler a Bíblia e dar interpretações particulares.

Como professava, Santo Inácio de Loyola: “Muita sabedoria unida a uma santidade moderada é preferível a muita santidade com pouca sabedoria.”  Por isso não me assusta, quem diz ter tanta fé, mas não respeita a tradição e não medita sobre um assunto antes de proferir sua opinião.

Para demonstrar isso, lembro de uma discussão atual, onde evangélicos, condenavam uma novela de televisão por fazer menção a São Jorge, como se ele fosse propriedade das religiões afro-descendentes, como Umbanda e Candomblé. Fato este, negado por membros dessas religiões. Pois, o que me chamou a atenção foi o modo displicente com que fomos tratados. O Santo é católico, apesar de alguns problemas sobre a veracidade de documentos que comprovem sua vida, ele foi canonizado e é o Santo protetor de diversos países, cidades e até time de futebol. Pois, por isso, a ele devemos respeito.

“Quando os convido a ser santos, peço que não se conformem em ser de segunda linha, mas que aspirem a um “horizonte maior. Não se conformem em ser medíocres.” Papa Bento XVI

Fontes: Frates in Unun.com e Portalcot.com

Anúncios