O futuro da Internet

A preocupação com os próximos 25 anos

Um dos criadores da World Wide Web, Tim Berners-Lee está promovendo a criação de uma Constituição para Internet e pede a colaboração de todos para que isso se realize. A liberdade que hoje desfrutamos e a segurança que dispomos em manter os nossos dados na rede correm risco. Segundo declaração de Berners-Lee ao periódico El País, “À medida que a Web completa 25 anos, fica evidente a falta de dados para realçar e defender a web. A comunidade que formamos é tão grande como o mundo; lutamos contra ameaças de segurança cada vez mais reais, assim como a proteção da privacidade, infraestruturas abertas, neutralidade da rede e proteção de conteúdos entre outros desafios. Acredito que seja vital que se passe para a ação, que se realce e se defenda a web”, destaca.

Após os vazamentos de informações da NSA (National Securit Agency) dos Estados Unidos pelo seu antigo funcionário e analista Edward Snowden fica evidente a fragilidade do sistema. Queremos proteção e ao mesmo tempo exigimos privacidade e isso gera um paradigma dificil de resolver. Se o conteúdo de quem age corretamente deve ser protegido o mesmo valerá para quem quebra a lei no “mundo virtual” e se as ações dessas pessoas forem vigiadas o mesmo deverá valer para todos.

Segundo o New York Times, o governo norte-americano teme a entrada de servidores e equipamentos para Internet produzidos pela gigante chinesa Huawei. O motivo apontado seria que as forças de segurança chinesas estariam implementando “portas dos fundos” nesses equipamentos para que posteriomente pudessem acessar as informações dos usuários.

O que seria apenas uma desculpa para medidas de proteção de mercado pode representar um rombo mais fundo, nos documentos de Snowden se revelou que a própria NSA seria a responsável na criação dessas “portas dos fundos” nos servidores chineses e que eles estariam captando as informações fornecidas por essa fenda. O uso desse recurso seria para conseguir a entrada em países que não costumam comprar produtos norte-americanos e em países aliados que trabalhem de forma independente. A desculpa apresentada pelos oficiais do governo americano é sempre a mesma, a legítima segurança nacional.

Outra grande empresa chinesa na mira do serviço de Inteligência americano é a ZTE e as mesmas medidas foram pedidas pelos seus especialistas. Como a proibição de aquisições e associações com empresas nos Estados Unidos. A Huawei reclama de protecionismo e afirma não ter qualquer vínculo com o “Exército de Libertação Nacional”, conforme é dito pela NSA, mas que jamais provou publicamente.

A internet ainda é um mundo novo, diferente do mundo real aonde a humanidade levou centenas de anos para se ajustar. Como dizia aquele antigo ditado, “é no andar da carruagem que as abóboras se ajeitam” não tivemos tempo para assimilar todas as possibilidades desse mundo. No mundo real a privacidade pode ser definida de forma física como aquele termo, “entre quatro paredes“. No mundo virtual não existem barreiras físicas o que pode levar à diversas confusões, uma extrapolação das liberdades individuais e uma fuga dos mecanismos de “fiscalização” sociais. Como agir nesse mundo?

Os grupos sociais se auto promovem como responsáveis pela conduta de seus membros e o mundo virtual possue uma dimensão mundial e isso gera um paradigma. As atitudes que não aceitas normalmente em seu grupo podem encontrar respaldo em outros lugares. Quem não possue em suas redes sociais pessoas que normalmente não teria contato?

Dessa forma, o pedido de Tim Berners-Lee é bastante coerente pois é necessário a participação de todos os usuários da rede para promover os pontos positivos e elaborar modos de coibir os pontos negativos sem necessidade de uma intervenção dos serviços de inteligência ou dos governos. Pois isso acarretaria em censura ou pior, em uma doutrinação ideológica pelo regime vigente no momento.

Frases – http://kdfrases.com

 Fonte: El País e The New York Times

Anúncios

Dia do Solteiro faz sucesso na China!

Para competir com o Cyber Monday americano

Criado em 2005, o feriado de 11 do 11 dos chineses foi criado para rivalizar com a entrada de “valores ocidentais” como o feriado de Ação de Graças dos norte-americanos. A data escolhida seria por causa do número 1 (solitário) a procura de seu par. Que desta vez, chegou a dobrar o sucesso que obteve em 2012. As ofertas comerciais desse dia teriam por objetivo que os corações solitários pudessem encontrar um novo amor.

Os números são surpreendentes, começando pelo total de vendas realizadas, mais de 4.297 milhões de Euros, cerca de quatros vezes mais que o Cyber Monday norte-americano do ano passado. O site de vendas da Alibaba, que pertence em parte ao Yahoo (24%) conseguiu mais de dez vezes o número de vendas de um dia qualquer com uma média de 83%. Mais de 402 milhoes de Internautas visitaram os sites, Alibaba, Taobao e Tmall que tiveram como campeões de venda, os smartphones, camisolas e lingeries.

Teve até mesmo uma concessionário de automóveis que chegou a ofertar via internet mais de 13.000 veículos.

O sucesso do site Alibaba também se mostra na Bolsa de Ações, sendo a mais valorizada frente o Facebook, com 142,000 milhões de euros em comparação com os  77,000 milhões de sua estréia no mercado.

Fonte: El País

Google é bloqueada na China

Devido ao Congresso do Partido

Os serviços do Google, Google Maps e Gmail estão impedidos para os chineses desde o início do 18 Congresso do Partido Comunista, nesta sexta e sábado. Conforme confirmou a empresa. Este Congresso tem por finalidade escolher os novos dirigentes do Governo.

Segundo Cristhine Chen, porta voz do Google, não foram encontrados nenhum problema técnico em seu sistema, e que a príncipio, estavam especulando um bloqueio por parte do governo ou por ataque de Hackers, oriundos da China.

As medidas de segurança desse Congresso são tantas, que até pombos correios e balões estão proibidos, assim como os reportes estrangeiros, a internet teve a velocidade reduzida e parece ter se criado um padrão. Há duas semanas, o site do New York Times foi bloqueado em território chinês, depois de um artigo sobre a riqueza do Primeiro-ministro chinês.

O Youtube é bloqueado na China desde 2009, e os serviços do Gmail são parcialmente liberados, sendo bloqueados eventualmente, dependendo das notícias do momento. Mas não é a primeira vez que o Google tem problemas no pais, em 2010, informou ter sido vítima de diversos ataques de hackers chineses, o que fez ele mudar a Central de dados em língua chinesa (mandarim) e o trafego para Hong Kong.

Fonte: The New York Times