As omissões de Obama!!!

O que faltou no longo discurso do Presidente

Quando o presidente norte-americano Barack Obama realizou seu discurso com as alterações que iria realizar no famoso órgão de espionagem NSA, ele omitiu alguns pontos importantes. Segundo a central de notícias do Pravda (Rússia), estas seriam as cinco principais omissões:

1- Todos os programas de coletas de dados:

Segundo o grupo interno de estudo criado pelo próprio Presidente, recomendou-se a retirada das mãos da NSA de todo o banco de dados criado a partir da coleta de dados telefônicos dos usuários americanos, mas e quanto aos dados retirados pela internet e que são destinados a criação de gráficos que está previsto na secção 702 da Lei FISA [orig. Foreign Intelligence Surveillance Amendments Act / aprox. “Emendas à Lei da Vigilância Contra Atividade da Inteligência Estrangeira”]? E quanto a coleta de milhões de lista de contatos enviados e recebidos por norte-americanos?

Esta última parte não foi mencionada em seu discurso, mas está sendo defendida pelo governo.

2- O Defensor Público, no Tribunal FISA

Apesar do mesmo grupo criado por Obama e os especialista consultados recomendarem a criação de um defensor público para estar presente nas secções do Tribunal FISA, o governo norte-americano apenas disse que poderia manter um grupo de especialistas para comparecer as secções secretas, mas que esse grupo não iria atuar na maioria dos casos.

O governo diz que seria um custo adicional muito alto, manter esse defensor público para todos os pedidos de vigilância que os orgãos de inteligência americanos possam realizar. Um funcionário que pediu para se manter anônimo, defendeu esse ponto, dizendo que até em casos da justiça criminal ‘comum’, quando o governo pede autorização para vigiar alguém, o juiz pode decidir sem ter de ouvir nenhum advogado da parte contrária ou qualquer tipo de Defensor Público.

Em carta, o próprio Tribunal FISA, reiterou essa posição e considera contra-producente a criação de um defensor público em suas secções.

3- As ações da NSA podem prejudicar as encriptações e as medidas de segurança

Nos documentos revelados por Snowden, mostraram que as ações da NSA visavam diminuir a proteção e a criptação de dados em programas que os usuários consideravam seguros. Apesar das negativas de diversas empresas, foi se provado a existência das chamadas “portas dos fundos” em programas de segurança e que os agentes da NSA pagaram cerca de R$ 10 milhões de dolares para a empresa de segurança RSA, em um contrato secreto,  para que ela enfraquecesse protocolos de segurança em encriptação.

O grupo de pesquisas, como sempre, apoiou o fortalecimento das medidas de segurança e dos protocolos de encriptação usados em programas disponibilizados para o público em geral. Apesar de não aparecer no discurso, um porta-voz da Casabranca disse que o governo está trabalhando nisso mas até agora apenas nomeou um assessor especializado em cyber-segurança para realizar um estudo a esse respeito.

Segundo o especialista Daniel Castro: “O presidente deve dizer claramente, sem ambiguidades e sem margem para dúvidas, que a política do governo dos EUA visa a fortalecer, não a enfraquecer, a ciber-segurança, e que renuncia a todas as práticas correntes nas agências de inteligência que visem a introduzir ‘portas do fundo’ e ‘pontos vulneráveis’ em produtos vendidos a consumidores”.

4- Revisão Judicial das Cartas da Segurança Nacional [National Security Letters, NSL]

As NSL são as ferramentas pelas quais os agentes do FBI conseguem, sem a devida uma autorização judicial, interpelar empresas de informações para que essas forneçam dados de seus clientes. Essas cartas obrigam os agentes a não revelarem o conteúdo dos dados recebidos nem mesmo para os investigados e sem data prevista para que possam ser acessados por qualquer interessado.

Esse procedimento foi um dos que o grupo pediu para ser alterado, contudo, o Presidente em seu discurso apenas pediu uma maior “transparência” nos trabalhos da NSA, mas não se referiu a uma supervisão judicial ou sobre a necessidade da aprovação de um juiz.

5- As conexões entre data-centers

Os documentos revelados por Snowden mostram que a NSA pode recolher milhares de dados de usuários através dos links entre data-centers de grandes empresas como Google e Yahoo, pois estes estariam “propositalmente” inseguros. No discurso, não houve referência a essa questão e um porta-voz da Casabranca contatado pelo Pravda não quiz comentar.

Fonte: Pravda.ru

Anúncios

Um computador quântico

Para que um equipamento tão moderno?

Segundo os documentos revelados por Edward Snowden para o The Washington Post, a NSA estaria trabalhando na construção de um computador quântico. Diferente do que se poderia imaginar, os progressos possíveis com tal ferramenta e dos benefícios que poderiam ser criados para toda a humanidade. O projeto da NSA é apenas para quebrar senhas e entrar em qualquer sistema de segurança possívelmente criado pelo homem.

 O desenvolvimento desse projeto teria gasto o montante de 79,7 milhões de dolares em investimentos governamentais e seria realizado em lugares secretos com grandes salas conhecidas como celulas Farday, ambientes controlados e fechados com metal para evitar qualquer interferência externa. O nome do projeto é  Penetrating Hard Targets  (Penetrando Objetivos Difíceis).

Além da NSA, a comunidade europeia e a Suiça estariam atrás dessa tecnologia e estes teriam realizados grandes avanços nas últimas décadas. Contudo, os especialistas estão prevendo ainda que seriam necessários mais uma década para que seja obtido, apesar de parecer que em mais cinco anos possa já se ter algum resultado.

A diferença entre a computação tradicional e a quântica é que esta poderia violar qualquer sistema de segurança, usado para proteger segredos de estado , transações financeiras e informações médicas e de negócios. A computação tradicional é baseada em um sistema binário de zeros e uns, na computação quântica, os “bits quânticos” são zeros é uns simultaneamente. Para se realizar um processo na maneira tradicional, cada cálculo é feito, um de cada vez, enquanto na quântica podem ser bem mais rápidos.

O único inconveniente do novo sistema é que ele é extremamente frágil e delicado e pode ser obstruido pela mínima interferência.

Os especilistas e cientistas entrevistados pelo jornal norte-americano, são unânimes em afirma ser dificil para que a NSA consiga obter esta máquina antes da comunidade científica mundial, pois ainda se conhece pouco sobre essa tecnologia, como afirma o professor Scott Aaronson ( professor de engenharia elétrica e ciências da computação do MIT ).

Fonte: El País

Atualize ou morra!!!

A Apple dá um ultimato aos seus usuários

O dia primeiro de fevereiro foi escolhido como marco para que os donos de aparelhos da Apple atualizem os sistemas operacionais de seus equipamentos com o IOS 7. A partir daí os aplicativos da loja virtual da Apple somente sairão para esse sistema ou se tiverem atualização para o mesmo. O aviso aparece no forum de discussões do site oficial.

Site em inglês:

https://developer.apple.com/news/index.php?id=12172013a#top

Os aplicativos oferecidos em sua loja virtual terão um prazo de um mês e meio para se adequarem a linguagem Xcode 5, conforme anunciado em sua página. Alguns terão problemas em se adequar, principalmente aqueles feitos para versões anteriores do Iphone 4 e o primeiro IPad. O que indica o texto é que qualquer alterações, erros ou problemas não serão atendidos, como também não estarão disponíveis melhorias para quem não realizar a atualização.

Um exemplo de programa que deverá ser atualizado é a Liga de Futebol, como os times da próxima temporada poderão subir para primeira divisão ou cair, as alterações deles no game somente serão aceitas se o programa for atualizado para o Xcode 5.

O porta voz da Apple, em Espanha, esclarece que nao existe o perigo de que aplicativos sejam simplemente retirados dos catálogos, mas a atualização dos mesmos ficará cada vez mais dificil se não utilizarem o Xcode 5. Como também, os usuários que não atualizarem o sistema começarão a encontrar dificuldades para baixar aplicativos.

Desde que foi lançado em setembro, o IOS 7 tem sido cercado por controvérsias, foi o sistema operacional da Apple que mais rápido se dissiminou, hoje já está em 80% dos Iphones e Ipads compatíveis. Da mesma forma, é o mais criticado, como por exemplo, alguns usuários perceberam uma diminuição da vida útil da bateria ou as letras muito pequenas e o efeito especial ao abrir e fechar aplicativos, casos esses, solucionados com uma alteração de configuração do equipamento.

Para estimular as atualizações, as campanhas e promoções da empresa já estão sendo direcionadas para o novo sistema operacional, como a Campanha de Natal desse ano.

A estratégia da Apple é para evitar uma fragmentação de sistemas no mercado como ocorreu com o Android, mas apesar disso, a Strategy Analytics mensurou que ela apenas possui 13,4% do setor de celulares (caiu dois pontos no último ano), enquanto a Google possui 81,3% desse mercado.

A Apple lançou a sua loja de aplicativos na internet em julho de 2008, com 500 títulos, a Google abriu a sua três meses mais tarde. Hoje as duas possuem em média um milhão de títulos. A Android (loja da Google) supera a App Store (loja da Apple) em aplicativos baixados, contudo, a App Store vence em receita. Segundo a Distimo, a Google detêm apenas 37% das vendas e a Apple  está com 63%. Os jogos são os maiores responsáveis pelas vendas em ambas as loja e para a Apple representa 63% de toda a sua renda.

As perguntas agora serão, qual o efeito dessa unificação do sistema operacional? Os dispositivos que não forem compatíveis serão atualizados ou os clientes irão migrar para outras plataformas? Quais serão as reações dos desenvolvedores de Aplicativos?

Fonte: El Pais

Veja como a NSA acessa seus dados

Os programas PRISM e MUSCULAR

De acordo com as declarações de Edward Snowden, esses dois programas são responsáveis pela coleta de informações dentro da Internet. Segundo ele, para que funcionem existe uma parceria secreta com diversas grandes empresas como: Microsoft, Google, Yahoo, Facebook, Skype , Apple, etc…

PRISM

Esse programa se divide em duas formas de trabalho, a “semi-legal” e a totalmente ilegal. Na primeira forma se atentem ao fato que o governo norte-americano não pode espionar os seus próprios cidadãos, pois a Constituição norte-americana em sua 04ª emenda assim estabelece.

Para que isso seja “legalizado”, a NSA mantém um tribunal exclusivo e secreto: o FISC (Foreign Intelligence Survelliance Court), tribunal este que só admite advogados do governo e que não declara as suas decisões, nem mesmo para os Senadores norte-americanos que estão questionando desde 2003 os procedimentos dessa corte, pois até seus procedimentos legais são secretos. O NSA e o FBI juntos realizaram mais de 1.800 pedidos de investigação, o ano passado e foram aprovados nessa corte, 98,9% foram arovados nessa corte.

Isso seria uma maneira de contornar a 4ª emenda e tornaria quase legal as ações do NSA, pois na lei americana, apenas com ordem judicial se permitira o acesso aos dados sigilosos dos cidadãos e isso obriga as empresas a fornecerem os dados requeridos pelo governo. No caso, brasileiros não são norte-americanos, assim como os de outros países fora dos Estados Unidos e estamos fora dessa “proteção” e podemos ser investigados pelo NSA “legalmente”.

A forma totalmente ilegal

Snowdem também revelou qual seria a outra forma de trabalho do PRISM, para melhor entender o funcionamento é necessário analisar as declarações do representante do Facebook, quando iniciou os vazamentos de informações:

“Quando o governo pede ao Facebook dados sobre indivíduos, nós só entregamos os estritamente requeridos pela lei” [o que falamos antes sobre o PRISM semi-legal]. “Nunca permitimos um acesso direto aos nossos servidores”.

Ao fazerem uma nova análise sobre as declarações de Snowden encontraram o jogo de palavras escondido nessa declaração, realmente as grandes empresas não dariam um acesso direto aos seus servidores para o governo norte-americano, contudo, estariam fazendo uma cópia dos seus dados em outros servidores, que estariam até mesmo dentro de suas instalações, mas que teoricamente não pertenceriam à essas empresas.

O MUSCULAR e o acesso ao GMAIL

O outro programa, o MUSCULAR seria responsável por coletar dados de e-mails, como o Gmail, esse domínio de e-mail tem como configuração de SMTP, o SMTPS (cujo S final seria de segurança) pois usa a forma segura de conexão. Quando você configura seu e-mail e acessa o servidor do Gmail, suas informações estão seguras pois sua conexão está encriptada com o protocolo de segurança SSL/TSL. Quando envia um e-mail, este e armazenado em um servidor do Google e se alguém interceptasse essa conexão, não conseguiria obter nada, pois os dados estão criptografados. Mas como o Google mantém vários servidores em todo o mundo, o seu e-mail será copiado para os outros para que possam ser enviados ao destinatário que deseja, nesse caso, as conexões entre os servidores não é criptografada e aí entra em ação o programa MUSCULAR para obter esses dados.

Para uma melhor visualização, vejam as próprias palavras de Snowden:

“Na nuvenzinha da esquerda estão as conexões entre os usuários e a Google. Como veem, as flechinhas têm escrito “SSL”. Isto é, as conexões são seguras.
Na nuvenzinha da direita estão as conexões internas entre os servidores da Google. Aí já não está escrito “SSL”. Isto é, as conexões aqui não são seguras.
Entre as duas nuvenzinhas, está o quadrinho “GFE”, a porta de entrada da Google. Aqui está indicado que o protocolo de segurança “SSL” desaparece uma vez que se entra na Google.”

Como o Google antém diversos Data Centers em todo mundo, existem diversas conexões não seguras entre eles feitas através de fibra óptica.

Fonte: Pravda

Da comodidade e da obsessão

Os motivos para não largarmos de velhos hábitos

Qualquer coisa que usamos com frequência, como um relacionamento, um travesseiro, nosso carro, comer num determinado restaurante, entre outros, pode ter como motivo o grau de cumplicidade que temos com determinados objetos e situações. Esse grau de cumplicidade pode ser criado pelo bem estar ou pela vontade de melhorarmos uma dada situação.

Nosso objetivo é nos sentirmos bem ou pela vaidade de dar ao outro uma melhor situação. As vezes nos consideramos “donos” da razão e acabamos tentando impor uma idéia ou sistema a outras pessoas ou seres. Como no caso do homem que tenta sem sucesso ensinar seu pequeno cão a defecar em um jornal. Nem sempre conseguimos alterar o mundo a nossa volta, não podemos esquecer que existem outros que também possuem a vontade de fazer alterações ou de manter certos sistemas. Torna-se portanto uma “queda de braço”, quem pode mais, chora menos.

O ser humano, ao contrário de outros animais, tem como característica as vezes fugir dos seus instintos de preservação e de segurança e procura estar em situações de risco para provar algo. Isso consegue dar resultados inusitados e a história é uma gigantesca fonte de casos onde a procura pelo novo deram “novos” resultados. Não podemos nos esquecer do descobrimento da América ou dos grandes avanços da ciência, muitos criados por acidentes.

O que de um lado pode ser muito bom, de outro lado pode se mostrar uma verdadeira penúria. O quanto é chato uma visita incomoda ou um telefone te pedindo para aderir a um grupo ou a um tipo de pensamento diferente do seu. Como é se sentir violado no seu direito básico de liberdade de pensamento ou de “ir e vir”, se a opinião alheia insiste em te incomodar.

Tal fato encontrou um novo lar, as redes sociais, aonde indivíduos inescrupulosos se valem da distância entre eles e aqueles que recebem e lêem sobre a opinião deles, mensagens feitas para destilar o veneno da maldade. Um quase anonimato com “assinatura”, uma forma de “dar fé” em assuntos burlescos e sem sentido. O caçoar sem escrúpulos e o criticar sem o peso da responsabilidade de ter de arcar com as consequências de suas palavras. Não somos donos da verdade e nem sabemos tudo, mas opinar de forma leviana sem questionar as origens de algum assunto pode causar graves prejuizos a terceiros ou nós mesmos. Outra questão é, nem sempre aquilo que aparenta ser de “boa fé“, realmente seria para auxiliar alguém, pois de “boas intenções o inferno está cheio“.

“A maioria das pessoas não quer realmente a liberdade, pois liberdade envolve responsabilidade, e a maioria das pessoas tem medo de responsabilidade.” Sigmund Freud

Nós vivemos em Matrix?

Uma analogia com a nossa realidade!

Apesar das críticas dos filosofos, de que o filme Matrix divesse trazido a pauta de assuntos cotidianos temas próprios de livros e ensaios filosóficos e que os mesmo acham que o debate de tais assuntos sejam próprios de uma cátedra! Contudo é relevante perceber o quanto é inspirador essas novas visões propostas em tal produção.  Cada cena apresentada poderia ser capaz de ser o assunto de um livro inteiro, contudo, gostariamos apenas de analisar a cena de introdução de Neo ao mundo de Matrix.

Nessa cena, o ator Laurence Fishburne (Morpheus) demonstra a keanu Reaves (Neo) o que seria o mundo virtual, como acessá-lo através da conexão neuro-computadorizada e quais são os resultados dessa interação. Os atores iniciam em uma sala branca com uma poltrona velha, as roupas e a sua imagem pessoal está modificada, como o detalhe do cabelo. O programa chamado de Construtor é a ferramenta utilizada para adquirir “ferramentas virtuais” como armas, equipamentos e alterar o modo com que entra em Matrix, como se assumisse um determinado papel. A explicação de Morpheus é de que as pessoas vivem no mundo virtual mas na verdade dormem no mundo real, a sua profundidade de interação e aceitação desse mundo “falso” produz no indivíduo uma necessidade natural de proteger esse mundo e isso os torna complacentes com os “sentinelas”.

Os Sentinelas, programas sensitivos, que fazem o papel de guardas no mundo virtual, eles vigiam todas as portas e possuem todas as chaves. Na verdade são apenas softwares, como os nossos antivirus, mas com aparência de guarda-costas no mundo virtual. Na verdade o que intriga nesse mundo virtual é justamente a escolha da época e da paisagem. A época atual (final do Sec. XX) e o uso do cenário em grandes cidades é bastante interessante. Oportunamente explicados como sendo devido ao momento em que estamos tão encantados com nós mesmos. Uma geração de pessoas encantadas com si mesmas e dentro do cenário ideal, as metrópoles criadas pela própria mente humana.

Não parece a primeira vista, mas Matrix é uma irônia, uma crítica acida e contundente ao nosso estilo de vida. Tão cheios de nós mesmos e tão vazios de qualquer conteúdo, uma geração de narcisistas que não se aguentam de tanto se auto retratarem que até uma palavra elegem para isso “selfie”. Basta observar nos trens do metrô, nos ônibus, nos pontos e nas esquinas. Pessoas adormecidas em usar uma tecnologia que os cativa e adestra, um olhar vazio e mãos ocupadas. Tantas pessoas agrupadas nesses locais contudo sem qualquer interação, como dizia um velho pensador, “com  diversas pessoas, mas uma sala de retratos“.

O que impressiona é a defesa como agimos para com esse sistema, quem já trabalhou em algum serviço de suporte ou assistência técnica e não ouviu frases incríveis como: sem celular me sinto nu ou não posso viver sem ele. Não importa qual seja o aparelho, ele já faz parte da vida e não se consegue se separar o ser humano da máquina.

Qual o resultado disso, estudiosos da Coreia do Sul e da Alemanha apontam para a “demência digital”, “O uso excessivo de smartphones e jogos digitais dificulta o desenvolvimento equilibrado do cérebro”, explicou ao jornal Joong Ang Daily, de Seul, o médico Byun Gi-won, do Centro para o Equilíbrio Cerebral. Da mesma forma o neurocientista alemão Manfred Spitzer publicou em 2012 o livro Digital Dementia que seria um alerta a pedagogos e pais para os perigos da excessiva exposição de crianças ao uso da tecnologia digital e que se deveriam dar alternativas fora desse universo. Isso mostra Luis Dufaur em seu post no site Mídia Sem Máscara que comenta quais os possíveis danos causados para as mentes em formação e como estes são irreversíveis.

Um mundo sem Deus, em que o homem é capaz de mudar seu próprio destino como o “escolhido” Neo, um messias para tecnólogos e internautas, seres capazes de grandes feitos mas incapazes de sairem desse mundo, inertes e adormecidos. A tecnologia fornece tudo, tudo que seja feito por um “copiar” e um “colar”, um mundo de cópias. Como diz no filme: “um mundo onde seres humanos não nascem mais, são cultivados“. Esta é a utopia da tecnologia, sermos totalmente independentes de nossas origens, da natureza e de Deus.

Não existe mais cultura, como alertava Nietzsche, o autor escreve o que vê na vida, o cotidiano e dá ao leitor uma imagem daquilo que o leitor também vê na sua vida e lhe diz “isso é cultura, essa é a língua e isso é a filosofia…”. O leitor se encanta e fica extasiado consigo mesmo e afirma em alto e bom tom, sou um filósofo, sou um linguista, eu entendo o mundo. Não percebe o engodo, a farsa e a fantasia. Olhem a sua volta, tantas palavras e conceitos novos, uma chuva de neologismos. Sofismas tão fáceis de entender, tão acessíveis tanto quanto a internet. Basta um plugar que o mundo inteiro estará a suas disposição, mas que mundo é esse?

A globalização acabou com a cultura nacional, os novos meios de comunicação acabam com a língua e o modernismo com a filosofia. O resultado de tudo isso são valores invertidos e buscas pelo sobrenatural, os velhos valores não são mais aceitos pois são dificeis, eles incomodam e constragem. O status quo não pode ser perturbado, somos os guardas desse sistema, da mesma forma que os softwares sensitivos de Matrix e não podemos aceitar nada que mude isso.

A mística não é mais explicada pela religião, os novos “crentes” idolatram a tecnologia, o modernismo e o comodismo e precisam de novos “deuses”, por isso a busca em terrenos inexplorados. Os velhos mitos são enterrados e as fantasias tomam seu lugar e quando alguém ousa falar o contrário é execrado em praça pública como um reacionário. Os estudos preparam os jovens para o que? São meros analfabetos funcionais, fazem de tudo, mas não entendem nada daquilo que fazem. São cidadãos livres presos em um sistema de respostas prontas. Desdenham o passado e aqueles que ainda o representam ( os velhos) e acreditam, como em Matrix que o mundo é apenas isso, aquilo que a mão do homem criou e não percebem que são as máquinas que comandam esse teatro de marionetes.

Se a coesão da nossa sociedade era mantida outrora pelo imaginário de progresso, ela o é hoje pelo imaginário da catástrofe” Jean Baudrillard

A vitória da mediocridade!?

Somos ou não um Homer Simpson da vida

Podemos ver em postagens pela internet e pelas rede sociais, idéias que mais parecem trechos de comédias Stand-up e que começaram a se integrar nas conversas do dia a dia. Pensamentos, pérolas e citações jogadas ao vento que a princípio chegam a ser até inocente mas que começam incomodamente a frutificar. Aquele velho ditado é sempre verdade: quem planta ventos, colhe tempestade.

Uma palavra que está sendo literalmente enterrada é o termo “consequência”, como outros que nem “bom senso” e “educação”(aqui não apenas o objeto de trabalho das instituições de ensino). Quando expomos uma idéia através de um silogismo não basta que tenhamos premissas verdadeiras, a lógica exige um fim, um objetivo para a idéia proposta, ou seja, a premissa não é um fim em si mesma. Isso apenas para iniciar a conversa e outra coisa, existem consequências para tudo que fazemos, não importa o tempo, o local ou a situação e para quem será a consequência, ela inevitavelmente virá.

O nosso objetivo não é dar uma aula de filosofia mas apenas alertar para pequenos pensamentos inconsequentes que podem prejudicar o nosso futuro nesse planeta. Começamos por uma pequena premissa: ninquém em sã consciência e sendo uma pessoa de boa moral e de bons costumes, jamais aceitaria um ato violento, um prejuizo ou algo que ferisse uma criança, uma mulher, um idoso ou um animal. Mas porque temos tantas frases de “não machuquem crianças” ou “cuidem bem de seu animal” e coisas desse tipo, pois quem faz algo assim é criminoso e existem leis para coibirem e até para punirem esses tipos de ações. Contudo não é esse objetivo que se encontram nessas frases, não é feito para as pessoas más, mas são criados para nos doutrinar e nos fazerem acreditar em “maus tratos” em toda a parte e o pior, que somos incopetentes para lidarmos com isso. Eles querem que passemos para o Estado toda a responsabilidade de cuidar de nossos mais indefesos elementos.

Ainda por cima, existem coisas muito mais perigosas por trás disso, como a preparação para uma cultura que aceite a “zoofilia”, como se está sendo feito em órgãos de psicologia com o conceito de “pedofilia”, que se pretende retirar da lista de transtornos mentais. Para os que não conhecem o termo, eis a explicação do dicionário:

Zoofilia, do grego ζωον (zôon, “animal”) e φιλία (filia, “amizade” ou “amor”), é uma parafilia definida pela atração ou envolvimento sexual de humanos com animais. Tais indivíduos são chamados zoófilos. Os termos zoossexual e zoossexualidade descrevem toda a gama de orientação humana/animal.

Cuidar de crianças, idosos e animais é dever de todos, porém não podemos “trocar os pés pelas mãos” e compartilhar tudo o que parece “bonitinho” e feito de “bom coração” se não analisarmos a real intenção por trás de belas palavras, podemos estar colaborando com uma forma de inverter nossos valores. Gosto de meu bichinho de estimação mas amo meu filho e não o contrário e não existe ONG ou entidade que prove o contrário. O seres humanos são criticados pela forma com que cuidam do planeta e dos seres vivos que aqui vivem, contudo temos consciência disso e se alguém pode mudar alguma coisa, somos nós mesmos, porém sem abrirmos mão da nossa posição e de nossos valores.

Existem “ateus” e existem “atoas”, são pessoas inconformadas com a própria existencia que tentam minar a fé dos outros com pensamentos expúrios e mesquinhos que são repetidos por pessoas inocentes e até de boa fé. Como um que eu vi, escrito em um túmulo, antes de lembrar dos mortos, lembre de quem está vivo. Não me dou ao trabalho nem de repetir na sua forma exata, pois é uma amostra daquilo que produz uma mente pequena e egoista. Se não gosta da fé, pelo menos se cale, mas quando abrir a boca, pelo menos pense um pouco, antes de proferir alguma coisa. Se você tem a chance e a oportunidade de estar desfrutando dessa vida, isso não é atoa, existiram muitas e muitas pessoas que passaram por aqui primeiro, pessoas essas que já deixaram essa vida e lutaram, como sempre a humanidade lutou, para deixar algo melhor aos seus descendentes. Na religião temos diversos bons ensinamentos sobre isso, mas para os que não creem, basta estudar a história e principalmente a geopolítica para ver isso e entender.

Ame o seu semelhante, mas honre seus mortos, pois só sabe quem é, aquele que conhece de onde veio!

Para bem entender Maquiavel

Outra pobre vítima das novas idéias é Nicolau Maquiável, existe gente que até questiona a criação de sua maior obra “O príncipe“, que nem deveria ter sido escrito. Oh! Pobre criatura, são inumeraveis os benefícios dessa obra, desde a língua Italiana, para a história e a administração pública. Os historiadores puderam rastrear em suas citações, obras perdidas da Idade Antiga, sua divulgação, ajudou na disseminação do dialeto florentino por toda a Itália e se você não gosta de Maquiavel, lembre-se:

Se não aprender com o Príncipe, seu inimigo aprenderá.

Pela primeira vez, foi sintetizado a arte da manipulação, da Administração Pública e de todas as formas de recursos que os poderosos poderiam dispor para alcançar, manter e expandir seus reinos. Não importa como eles o conseguiram, se por nascimento ou conquista, se através da religião ou nomeados ou eleitos. Todos tem de conhecer o Príncipe e não importa nem um pouco, se a pessoa a quem se destinava a obra, teve um real benefício dela. A humanidade tem hoje, esse benefício.

A Guarda Pretoriana

Maquiavel citava sempre o Império Romano e seus Imperadores, pois aproventando a deixa, vou para um assunto mais moderno. A crise que sofremos com a juventude e a polícia. Um jovem morto por um policial causou forte indignação em sua comunidade e artistas criam uma campanha sobre a tragédia: “por que o senhor atirou em mim?”.

Contudo, basta uma nova visão desse quadro que teremos um novo papel para cada personagem, a vítima aqui não é apenas o rapaz morto, mas o policial também, vítima de um sistema que deliberadamente não o prepara e que o julga se algo dá errado.

Na Roma Antiga, o exército era formado pelas legiões e cada legião tinha funções específicas, mas uma era a mais especial, a Guarda Pretoriana, a guarda pessoal do Imperador. Sua função era ser a única força policial e armada dentro dos muros de Roma, o uniforme deles não era vermelho como os dos outros centuriões (soldados) mas era escuro e tinham privilégios, como os únicos a terem permissão a portar armas e podiam prender sumariamente qualquer pessoa. No início isso foi bastante útil ao Imperador, que confiando em sua guarda pessoal, poderia ordenar a prisão de qualquer inimigo ou opositor e não importava se ele fosse rico ou tivesse um cargo público, como Senador.

Contudo, o ponto mais dificil de se delegar algum poder é, o que a pessoa que recebeu tal dádiva pode realmente fazer com ela e isso que Maquiavel mostra com maestria. A Guarda Pretoriana se percebeu do poder que tinha em suas mãos e começou a prender Imperadores e trocá-los como bem entendiam. A crise política que se seguiu foi profunda e ajudou a desencadear o fim do Império Romano. Voltando ao nosso tempo, os políticos com isso aprenderam que jamais podem delegar poder demais as forças policiais, pois se as mesmas estiverem descontentes e existirem fatos que manchem as suas reputações, quem poderá impedir que sejam eles os alvos dos seus próprios protetores.

Se não preparam a polícia, são obrigados a aparelhar, e se com poucas condições, ainda assim, eles fizerem bem o seu trabalho, será pela força da lei que os amordaçam. Uma democracia tímida e sem respaldo popular teme qualquer grupo que lhe obrige a fazer aquilo que é necessário. No frigir dos ovos, não importa quem atirou ou quem recebeu o tiro, somos todos culpados por manter um sistema que não dá objetivos concretos aos jovens e os mantém em uma ignorância de suas capacidades e ainda divide a sociedade, dizendo quem é inimigo de quem e não permitindo que se façam trabalhos em conjunto em pró a toda a nação.

“Os homens são tão simples que quem quer enganar sempre encontra alguém que se deixa enganar.” Nicolau Maquiavel