A Amazonia é nossa!

“Alguns ficam tristes quando uma árvore é cortada na Amazônia mas são insensíveis quando ocorre nos seus quintais. “ Sergio Farjardo

Esta frase serve tanto para os estrangeiros como para os brasileiros que hoje se mostram indignados com a situação da Amazônia. Pessoas que recorrem a campanhas meramente sentimentalistas para discorrer de um problema muito mais sério.

A Alemanha que, para os que não sabem, sempre teve uma tradição imperialista, que é anterior a I Grande Guerra, ainda no Império Austro-hungaro foi absorvendo grandes áreas em países tropicais como na África e que as perdeu no final da I Grande Guerra com o Tratado de Versalhes e que este ainda lhe tomou parte do território no continente Europeu.

As pretensões alemãs para esses territórios eram tantas que após a sua derrota, ficou sobrando grandes quantidades de tecido caqui para a manufaturação de uniformes para os soldados enviados a essas colônias. Com isso, o nascente partido Nacional Socialista as comprou barato e fez os famosos uniformes dos “camisas pardas”, o Sturm Abteilung (S.A.) Divisão Tempestade ou Divisão de Assalto. Esse era o grupo paramilitar responsável pela proteção dos principais membros do partido nazista.

Hoje, as pretensões estrangeiras em nosso terrítorio estão com vistas a coisas mais valiosas do que a mata ou a agricultura decorrente do desmatamento e sim para as riquezas do subsolo da Amazônia que exploram sem a intervenção do nosso governo ou de empresas nacionais.

O “protecionismo” que prevalece nessa área só serve para isolá-la do restante do país e para que não possamos fiscalizar a ação das ONGs, dos governos estrangeiros e das multinacionais que perambulam livremente nessas regiões.

Se querem pedir provas e explicações que cobrem desses grupos e não do governo federal que está com as mãos amarradas devido a uma legislação criada para satisfazer interresses anti-nacionais.

A política assistencialista das ONGs só presta para manter na miséria os grupos indígenas que são meras figuras decorativas, chega de mantê-los como “animais de zoológico”, não é obrigando o índio a ficar pelado que irá preservar a sua cultura. Olhem para o oriente, os tigres asiáticos são países desenvolvidos tecnologicamente mas que não abriram mão de suas culturas e cada uma diferente da outra.

As queimadas são suspeitas, sim. Que aumentam justo quando se voltam os olhos para a região norte. Porque será?

Nos Estados Unidos, a alguns anos atrás, os alunos recebiam cartilhas de geografia onde a Amazônia figurava como território internacional e não mais pertencia ao Brasil. O assunto, como sempre, foi abafado e as cartilhas recolhidas. Vamos ficar mais atentos!

“Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma.”  Joseph Pulitzer

Anúncios

Racionalismo e Sentimentalismo

45351-ironia-gordonerd

Definir é sempre limitar.” Réné Guénon

O pensamento ocidental está desde a muito tempo acometido desses dois erros, que se parecem antagônicos, porém se completam. O racionalismo exarcebado e pueríl que não faz mais que riscar a tinta que cobre os fatos e o sentimentalismo, que nada mais é que uma justificativa para as respostas que fogem da lógica e não possuem embasamento empírico para o seu pensador.

O filófoso e antropólogo francês, Réné Guénon já alertava sobre sobre esses vícios mentais que fogem da intelectualidade, pois abrem as portas para ferramentas de pessoas preguiçosas como os “sofismas” ou um $$$$ “reductio ad absurdum”.

As apresentações desses pensamentos aparentam ser corretas, seguem uma evolução lógica e possuem fatos em que se basear, mas onde está o erro?

O erro está na definição, que como fala o autor acima que é feita dentro de um limite que possibilita a manipulação tanto do que se quer expor como também do pensamento do receptor dessa mensagem manipulada. O melhor exemplo disto é a “propaganda de guerra” criada pelos comunistas e imitada por Hitler e seus seguidores.

Um exemplo clássico para isso, no filme “Matrix”, o personagem Morpheus explica para Neo o que seria Matrix como tudo que se vê, toca, cheira, ouve ou experimenta (paladar) é o mundo real e que tudo seria impulsos elétricos, portanto, manipuláveis por uma máquina.

O que falta nesse exemplo, o que ele nos induz a pensar? Que tudo que não vemos, não escutamos, não tocamos ou nem sentimentos, não existe! Ora, e o esoterismo e portanto, onde está Deus nisso tudo?

Devo lembrar que Morpheus era o Senhor do Sonho e portanto, a realidade não lhe pertence e que a espiritualidade foi reconhecida pelos filófosos antigos, mesmo por aqueles que eram “atéus”.  A intelectualidade humana vai além dos cinco sentidos e abrange a realidade em todos os seus níveis.

O sentimentalismo é outra armadilha, pois o ser humano costuma dividir o universo em coisas que gosta e aqueles que ele não gosta. Tive um professor de matemática que dizia, “os matemáticos passam a vida inteira dividindo os números segundo o gênero ou classe para depois aparecer um aluno e dizer: eu gosto desse número e não gosto daquele.”

Fica fácil manipular as pessoas assim, basta ver quantos posts temos em redes sociaís que são mera manipulação onde uma mulher idosa é morta a pauladas e não gera tanta comoção como um cachorro que é morto por um segurança.

Como fugir dessas armadilhas? Basta recorrermos aos que antes de nós já estiveram na mesma situação. Aristóletes procurava o maior número de pontos de vistas diferentes sobre o mesmo problema, porém ele mesmo dizia que deviamos ter como base, aqueles que fossem os mais capacitados a falar sobre o assunto. E isso começa a funcionar como um filtro e nunca podemos esquece dos nossos princípios e de nossa moral, para que possamos no final, em caso de dúvida, fazer a prova tripla de Sócrates, a chamada “Três peneiras de Sócrates” (verdade, bondade e utilidade).

Se utilizardes disso, não terás riscos de manter idéias ruins ou de repassá-las aos outros apenas para criar o mal. O seu esforço será melhor canalizado e seu talento muito mais útil à humanidade.

“… Cada um de nós é como um homem que
vê as coisas em um sonho e acredita
conhecê-las perfeitamente, e então desperta
para descobrir que não sabe nada…!”. Platão