Da comodidade e da obsessão


Os motivos para não largarmos de velhos hábitos

Qualquer coisa que usamos com frequência, como um relacionamento, um travesseiro, nosso carro, comer num determinado restaurante, entre outros, pode ter como motivo o grau de cumplicidade que temos com determinados objetos e situações. Esse grau de cumplicidade pode ser criado pelo bem estar ou pela vontade de melhorarmos uma dada situação.

Nosso objetivo é nos sentirmos bem ou pela vaidade de dar ao outro uma melhor situação. As vezes nos consideramos “donos” da razão e acabamos tentando impor uma idéia ou sistema a outras pessoas ou seres. Como no caso do homem que tenta sem sucesso ensinar seu pequeno cão a defecar em um jornal. Nem sempre conseguimos alterar o mundo a nossa volta, não podemos esquecer que existem outros que também possuem a vontade de fazer alterações ou de manter certos sistemas. Torna-se portanto uma “queda de braço”, quem pode mais, chora menos.

O ser humano, ao contrário de outros animais, tem como característica as vezes fugir dos seus instintos de preservação e de segurança e procura estar em situações de risco para provar algo. Isso consegue dar resultados inusitados e a história é uma gigantesca fonte de casos onde a procura pelo novo deram “novos” resultados. Não podemos nos esquecer do descobrimento da América ou dos grandes avanços da ciência, muitos criados por acidentes.

O que de um lado pode ser muito bom, de outro lado pode se mostrar uma verdadeira penúria. O quanto é chato uma visita incomoda ou um telefone te pedindo para aderir a um grupo ou a um tipo de pensamento diferente do seu. Como é se sentir violado no seu direito básico de liberdade de pensamento ou de “ir e vir”, se a opinião alheia insiste em te incomodar.

Tal fato encontrou um novo lar, as redes sociais, aonde indivíduos inescrupulosos se valem da distância entre eles e aqueles que recebem e lêem sobre a opinião deles, mensagens feitas para destilar o veneno da maldade. Um quase anonimato com “assinatura”, uma forma de “dar fé” em assuntos burlescos e sem sentido. O caçoar sem escrúpulos e o criticar sem o peso da responsabilidade de ter de arcar com as consequências de suas palavras. Não somos donos da verdade e nem sabemos tudo, mas opinar de forma leviana sem questionar as origens de algum assunto pode causar graves prejuizos a terceiros ou nós mesmos. Outra questão é, nem sempre aquilo que aparenta ser de “boa fé“, realmente seria para auxiliar alguém, pois de “boas intenções o inferno está cheio“.

“A maioria das pessoas não quer realmente a liberdade, pois liberdade envolve responsabilidade, e a maioria das pessoas tem medo de responsabilidade.” Sigmund Freud

1 Comentário

  1. I’m still learning from you, as I’m trying to achieve my goals. I certainly enjoy reading all that is written on your blog.Keep the posts coming. I enjoyed it!


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s