Privacidade: jogo de interesses


Até que ponto vai a liberdade

O país da liberdade “freedom” é conhecido por divulgar as vantagens do seu sistema, o famoso American way of life, no qual os seus cidadães possuem muitos direitos mas não dizem o quanto eles possuem de desvantagens, viver a sombra de um governo paternalista, paranóico e egocêntrico. São mesurados, pesados e vigiados, o governo possui ferramentas legais para processar, prender e cobrar o que considerar de errado.

Enquanto em outros lugares, as empresas são vigiadas para não usarem de forma indevida os dados dos clientes, nos Estados Unidos ocorre o inverso. As empresas são compelidas pelo governo a fornecerem dados privados de seus clientes e colaboradores. Numa evidente reversão de valores, aquilo que os Estados Unido tanto denunciou, os abusos de governos ditatoriais em todo o mundo e  recorre as mesmas ferramentas.

Quantos prisioneiros que estão sem acusações formais, presos em Guantanamo, Cuba, acusados de possíveis ações terroristas pelos Estados Unidos, quantas alianças os Estados Unidos mantém com países com regimes de governos ditatoriais, relações essas, questionáveis.

No cinema

Quantos clichês estamos sempre vendo nos filmes norte-americanos, como as chamadas “técnicas da gestapo” quando se referem a tortura e os esterótipos vendidos a preço de banana, os latinos criminosos e corruptos, os árabes terroristas e os orientais mafiosos.

Tudo que se refere ao mal, é estrangeiro, não importa o local, o americano é sempre “bonzinho”, está do lado do bem e do povo sofrido, pode ser na Terra, na Lua ou em Marte, é sempre igual. Não importa se ele mate, torture ou cometa qualquer crime, tudo é sempre justificado.

Para muitos, falar sobre o Imperialismo norte-americano é coisa de ficção, não existe, assim como a Mula Sem-cabeça, o Papai e a Fada dos Dentes, mas ele existe sim. Todo o dia somos boambardeados por informações tendenciosas e tem gente que perde tempo procurando “imagens sublimares”.  Quando eles irão perceber que aquilo que parece óbvio é que é direcionado, como é fácil fazer um questionário com multiplas respostas, basta por as respostas certas e as pessoas escolhem aquilo que você quer que eles escolham. Tudo simples e prático.

“Penso, falando do ponto de vista legal, que há um motivo bem sólido para acusar todos os presidentes norte-americanos desde a Segunda Guerra Mundial. Eles todos têm sido verdadeiros criminosos de guerra ou estiveram envolvidos em crimes de guerra.”  – Linguísta e ativista político

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s