O Vaso (poema)…


Um vaso de ternura

Das flores, a mais bela…

Deposito de amor, que recebe a água da vida,

Vida que desabrocha e cresce em suas vísceras,

Coberta de folhas aveludadas,

Uma cama macia na qual me deito,

Carne macia, gentil geografia,

Que meus dedos exploram,

Como um cego, ao ler uma oração em braile,

Me curvo e te venero,

Pelos lábios comprimidos, o sopro se esvai

De minha boca a tua e

De meu coração ao teu,

Num vai e vem constante,

Como as vagas do oceano,

Que num barranco, se quebram em estrondo!

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s