Aviões da II Grande Guerra encontrados na Birmânia

Spitfires britânicos encontrados por arqueólogo amadorTN Poly MAC 402

Rangoon – Birmânia, 17 de agosto de 1945, o Japão está vencido, faz dois dias que ele se rendeu oficialmente, as forças armadas começam a se retirar de países ocupados. No aeroporto de Rangoon uma movimentação estranhas, diversas caixas vindas da Inglaterra são levadas para um terreno que ficaria protegidas com alcatrão. Buracos de 10 metros de profundidade com espaço entre eles de 100 a 180 metros cavados por soldados americanos com a ajudas de birmaneses contratados. A notícia que eles têm é de se tratar de armas de guerra, que estariam sendo guardadas para quem caso de um novo conflito serem utilizadas de novo.

David Cundall, 63, um fazendeiro, piloto amador e fã de aviões da Inglaterra, obcecado por modelos da II Grande Guerra e que estuda anualmente dezenas de documentos, faz uma grande descoberta, antigos documentos da Royal Air Force (Força Aérea Britânica) apontam para uma área na Birmânia. Cundall gasta uma pequena fortuna em viagens, entrevista 8 testemunhas, americanos, ingleses e birmaneses, segundo o arqueólogo, todos deram a mesma história. Possui uma longa experiência, com 35 anos de resgates de aeronaves.

Estudos geofísicos de especialistas da Universidade de Leeds demonstram que nessa área existem objetos metálicos enterrados. Numa escavação de teste, foi possível encontrar uma caixa de madeira que teria umas 2 polegadas de espessura, mas ainda não foi determinado seu conteúdo.

Mas para Cundall não existe dúvidas, são os Spitfires que segundo ele devem estar em bom estado devido ao armazenamento. Os Spitfires britânicos começaram a ser fabricados em 1938 e foram produzidos mais de 20 mil máquinas de guerra. Atualmente, apenas 35 dessas máquinas encontram-se em atividade, cada qual, valendo cerca de 1 milhão de libras.

Agora, segundo Cundall, teria algo em torno de 124 dessas máquinas enterradas na Birmânia, o que representaria uma verdadeira frota desses aviões. Mas que não seriam mais utilizados para guerra, mas para a paz. O descobridor imagina oferecer máquinas para shows aéreos. As escavações, segundo contrato firmado por Cundall e o governo da Birmânia, começam em janeiro e terão prazo até outubro para a retirada de todos os aparelhos.

Para Cundall, os aparelhos são especiais, na Inglaterra, até as crianças aprendem na escola que não foram invadidos pelas tropas alemãs na II Grande Guerra, por causa dos Spitfires, eles são verdadeiros heróis da “britanidade”, como defensores da liberdade e independência. Representam o Reino Unido tanto quanto a Rainha e a cerveja escura.

Apesar de todo o entusiamo, ainda existe uma certa desconfiança, ainda não há evidências reais, os americanos poderiam ter desenterrado depois para que não caíssem em mãos inimigas. Pode até mesmo ser lixo enterrado. O mistério irá continuar por algum tempo, mas algumas perguntas ainda não foram respondidas, porque enterraram em vez de queimar ou jogar no mar e as testemunhas que dizem que foram enterrados com o “maior cuidado”, porquê?

A resposta óbvia é que não foram descartados, estariam sendo reservados para um grupo aliado da Inglaterra, segundo um especialista, e que estariam se preparando para uma guerra de independência. Victor Kislyi, um nativo da Bielorrússia, empresário que realiza jogos via internet com tanques históricos, teria colocado cerca de 1 milhão de dólares nessa empreitada.  “Esta é uma aventura como Indiana Jones”, ele diz “e quem não quer investir em Indiana Jones? “.

Quando perguntado sobre o destino dos Spitfire, Kislyi diz não que não faz pelo dinheiro, “Estou aqui apenas para ajudar a resolver esse mistério.”

Fonte: Der Spiegel

N.E. – alguns sites diferentes mostram como sendo 20 aeronaves que teriam sido enterradas, os números aqui apresentados seguem a reportagem do Der Spiegel.

Traga um pouco de Deus no seu dia a dia

Como encontrar espaços em um mundo estressado

Caminhando e orando...

Caminhando e orando…

Com a modernidade, tudo fica como um compromisso de agenda, ir trabalhar, hora para almoçar, buscar os filhos, ir ao dentista, a academia, comprar o pão e até ir a Missa. Mas e aquele de intimidade para conversar com Deus, aquele momento só seu e D`Ele.

A discrição é tudo

Muitas pessoas dizem não demonstrar em público qualquer ato religioso por vergonha, medo dos comentários ou porque podem ofender qualquer outro grupo religioso. Nesses momentos me lembro de minha infância e do conselho: Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas, que mostram um semblante abatido para manifestar aos homens que jejuam. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa. São Matheus 6, 16.

Ninguém precisa saber o que você faz, a discrição além de tudo é sinal de respeito ao segundo mandamento, “não dizer o nome de Deus em vão”.

Quebrando a rotina

Quando se tem uma agenda apertada cada minuto conta e como abrir uma brecha nessa disciplina de ser humano moderno e hiperativo. Segundo o Papa Bento XVI, é necessário um método [ ] “…mas seguindo o método do próprio Deus. O método de Deus é aquele da humildade – ” [ ]  e completa dizendo “Não devemos temer a humildade dos pequenos passos e confiar no fermento que penetra na massa e lentamente a faz crescer. ( Matheus 13,33)”,  em sua catequese chamada “Como falar de Deus no mundo de hoje” de 28 de novembro.

  • Deixar um lembrete dentro de sua agenda e escrever nele a oração que você mais gosta,
  • No seu MP3 ou no celular, entre as músicas que você utiliza para fazer a caminhada, uma prece ou uma música, como um Canto Gregoriano para lhe chamar a atenção e dar o clima para uma “conversa” intima,
  • No seu navegador de internet, na sua pasta favoritos, um link para uma página de orações e frases sobre Deus,
  • Uma rotina dentro da rotina, no caminho do trabalho, uma rápida entrada em uma Igreja.

São pequenas situações que você cria no seu dia a dia, que podem ajudar a aliviar o seu stress e que permitem dar uma freada nessa “loucura” que se tornou o dia a dia  nas grandes cidades. Quanto você pode salvar em sua vida com isso, uma discussão a menos, um atrito a menos, um semblante mais agradável e estará mais confortável em seu trabalho e quando chegar em casa não terá mais aquela carga toda para descarregar em sua família.

Não existe espaço para aquilo que é ruim, se você preenche seu espírito com  Deus.